sexta-feira, 18 de março de 2011

Ministério Público do Distrito Federal entra com ação na Justiça contra Jaqueline Roriz

Alvo de inquérito criminal no Supremo Tribunal Federal e de denúncia por quebra de decoro na Comissão de Ética da Câmara, a deputada federal Jaqueline Roriz (PMN-DF) sofreu mais um revés. O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios entrou nesta sexta-feira, no Tribunal de Justiça, com ação de improbidade administrativa contra a deputada e seu marido, Manoel Neto. Caso sejam condenados, eles devem ressarcir os cofres públicos pelos danos causados e ainda terão os direitos políticos suspensos por oito anos. Jaqueline e Neto foram flagrados em fita de vídeo quando recebiam um maço de R$ 50 mil do ex-secretário de Relações Institucionais do Distrito Federal, Durval Barbosa, delator do Mensalão de Brasília.

Justiça do Acre pede ao Supremo instauração de inquérito para investigar Jorge Viana

A Justiça Federal do Acre pediu ao Supremo Tribunal Federal abertura de inquérito para investigar o senador Jorge Viana (PT-AC) por crimes contra Lei das Licitações. Relator do caso, o ministro Joaquim Barbosa encaminhou o pedido para a avaliação do Ministério Público Federal. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, vai analisar se a denúncia precisa tramitar no Supremo ou se deve continuar com a Justiça do Acre. Por ser senador, Viana tem direito a foro privilegiado. O pedido de investigação de Viana no Supremo está sob sigilo. A ação trata de indícios de direcionamento na licitação feita pelo governo do Acre, na gestão do petista Binho Marques (2007-2010), para beneficiar a Helibras na compra de um helicóptero.

Joaquim Roriz é internado e passará por cateterismo em São Paulo

O ex-governador do Distrito Federal, Joaquim Roriz (PSC), está internado desde segunda-feira no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, para realizar exames médicos com o objetivo de operar a coluna. Roriz é pai da deputada federal Jaqueline Roriz (PMN-DF), filmada recebendo dinheiro do delator do Mensalão de Brasília, Durval Barbosa. Os resultados dos exames indicaram a necessidade de um cateterismo. O procedimento será feito na segunda-feira. De acordo com os assessores, ele passa bem. Em 2010, ele tentou voltar ao governo do Distrito Federal. No entanto, desistiu da candidatura no lugar da mulher, Weslian, depois que seu recurso teve votação empatada em votação no Supremo Tribunal Federal.

Japão admite que reação a terremoto e tsunami foi lenta

O governo do Japão admitiu nesta sexta-feira que poderia ter reagido mais rapidamente ao terremoto e tsunami que atingiram o país há uma semana e desencadearam uma crise nuclear ao danificar a usina de Fukushima Daiichi, no leste do país. O porta-voz do governo, Yukio Edano, afirmou que os planos de contingência não conseguiram antecipar a escala do desastre. Nesta sexta-feira, o primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, se reuniu em Tóquio com o chefe da Agência Internacional de Energia Atômica da ONU (AIEA), o japonês Yukiya Amano, que manifestou preocupação com a falta de informações sobre o ocorrido em Fukushima. Amano afirmou que a comunidade internacional quer "um maior volume de informações corretas mais rapidamente" e ainda acrescentou que algumas informações "específicas" divulgadas pelo Japão estavam "erradas".

Ibope diz que Internet já chega a 73,9 milhões de pessoas no Brasil

O número de pessoas com acesso à internet em qualquer ambiente (domicílios, trabalho, escolas, LAN houses ou outros locais) atingiu 73,9 milhões no quarto trimestre de 2010, segundo o Ibope Nielsen Online. O número representou um crescimento de 9,6% em relação aos 67,5 milhões do quarto trimestre de 2009, conforme dados divulgados pelo instituto nesta sexta-feira. No que se refere ao acesso mensal em fevereiro deste ano, o Ibope informou que "o acesso à internet no trabalho e em domicílios vem crescendo ainda mais. O total de pessoas com acesso em pelo menos um desses dois ambientes chegou a 56 milhões em fevereiro de 2011, o que significou um crescimento de 19,2% sobre os 47 milhões do mesmo mês do ano anterior". O total de usuários que moram em domicílios com acesso à internet cresceu 24% nesse período, já é de 52,8 milhões. O Ibope informa ainda que das 56 milhões de pessoas que têm acesso à rede no trabalho ou em residências, 41,4 milhões foram usuárias ativas em fevereiro, o que significou uma diminuição de 3,3% em relação a janeiro e um crescimento de 12,7% na comparação com os 36,7 milhões de fevereiro de 2010. Embora o crescimento do número de internautas seja favorável, a internet brasileira não está preparada para suportar as exigências atuais dos internautas, de acordo com um relatório divulgado pela Cisco no ano passado. A pesquisa "A Qualidade da Internet", feita pela Universidade de Oxford (Reino Unido) e pela Universidade de Oviedo (Espanha) com apoio da Cisco, empresa que fabrica equipamentos que conectam os computadores à rede, revelou que embora o Brasil tenha feito avanços para aumentar o número de domicílios conectados, a qualidade das conexões está abaixo da média. Hoje, para que um internauta navegue e realize suas tarefas (trocar e-mails, baixar arquivos, assistir a vídeos, entre outras), as velocidades médias precisam ser de 3,75 Mbps (megabits por segundo) para o download (quando se baixa arquivos ou se acessa um site qualquer) e de 1 Mbps para o upload (quando se envia algo, e-mail ou mensagem instantânea). O tempo de resposta (entre dar o comando e perceber que ele foi obedecido) não pode ser superior a 95 milésimos de segundo, segundo a pesquisa. Em Fortaleza, apontada como a cidade brasileira com a melhor qualidade de internet, a velocidade de download auferida foi de 4,3 Mbps, ante 570 Kbps (kilobits por segundo) de upload. O tempo de resposta ficou em 114 milésimos de segundo. A pesquisa indica que, nos próximos cinco anos, os internautas estarão consumindo mais capacidade de rede porque assistirão a vídeos sob demanda e farão videoconferências, entre outras aplicações sofisticadas. Por isso, os especialistas estimam que, até 2015, um domicílio estará consumindo 500 GBytes mensalmente, ante os atuais 20 GB. Para dar conta dessa quantidade de dados trocados via internet, será preciso investir mais para que as redes ofereçam velocidades de download de 11,25 Mbps e de 5 Mbps de upload com uma resposta de 60 milésimos de segundo.

Banco do Brasil é condenado por pedir a cliente para tirar roupa em Santa Catarina

O Banco do Brasil e a empresa Orcali Serviços de Segurança foram condenados pela Justiça catarinense a indenizar em R$ 15 mil, por danos morais, uma cliente instada por um funcionário a tirar a roupa para entrar em agência bancária. O caso ocorreu em março de 2007, em Florianópolis, em agência do Besc (Banco do Estado de Santa Catarina), que foi incorporado pelo Banco do Brasil. Segundo a condenação, a porta giratória travou várias vezes, mesmo após a mulher deixar objetos metálicos na caixa coletora. Um funcionário examinou a bolsa da cliente, que foi revistada também por um policial militar que estava na agência. Nada foi encontrado. Ainda assim, o funcionário disse que só autorizaria a entrada da cliente se ela tirasse a roupa, segundo o texto. A condenação diz que a "situação virou um circo" e que várias pessoas na fila disseram "tira, tira". Segundo o advogado da mulher, Daniel da Silva Luz, ela conseguiu entrar na agência por pressão de outros clientes. "Minha cliente ficou indignada, ultrajada. Pediu para chamar um gerente do banco, mas ninguém apareceu", afirmou. A Justiça decidiu pela condenação em primeira instância em abril de 2009, sentença que foi confirmada no fim de 2010 pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Neste mês, a corte rejeitou recurso e manteve a decisão. Esses problemas com portas giratórias nas agências do Banco do Brasil são muito comuns, e a segurança contratada pela instituição financeira é sempre grosseira com os clientes.

Apesar de cessar-fogo líbio, França diz estar pronta para ataque à Líbia

O ministro de Relações Exteriores da França, Alain Juppe, disse nesta sexta-feira que o país está pronto para lançar ataques aéreos na Líbia, em cumprimento à resolução aprovada na véspera pelo Conselho de Segurança da ONU. Juppe repetiu o tom de desconfiança da secretária de Estado americana, Hillary Clinton, e disse que o cessar-fogo anunciado mais cedo pelo governo líbio precisa ser analisado. "Ele tem que ser válido em todo o território da Líbia e não apenas em Benghazi", disse Juppe, referindo-se ao reduto rebelde no leste líbio. "E nós acreditamos que a Líbia precisa cumprir com todas as resolução do Conselho de Segurança".

Obama alerta para consequências se Kadahfi não cumprir resolução da ONU

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou nesta sexta-feira que o ditador líbio, Muammar Gaddafi, deve obedecer os pontos previstos na resolução da ONU aprovada no dia anterior. Caso contrário, o líder americano disse que a comunidade internacional poderá impor consequências ao regime líbio. Segundo ele, o objetivo da resolução, aprovada pelo Conselho de Segurança, é fazer com que a violência contra o povo líbio páre. "Todos os ataques contra todos os civis devem parar", afirmou Obama, em discurso na Casa Branca. O texto autoriza o uso de força para impedir os ataques contra a população civil na Líbia, além de impor uma zona de exclusão aérea sobre o país. Obama disse que Gaddafi deve interromper o avanço de suas tropas na cidade de Benghazi, no leste do país, considerada a fortaleza dos rebeldes. Além disso, o ditador líbio deve permitir que ajuda humanitária entre no país. Para Obama, Gaddafi recebeu diversos alertas para interromper os ataques contra seu próprio povo, mas tem ignorado os pedidos da comunidade internacional.

BG prevê mais de 10 bilhões de barris em campos de Lula e Iracema

Principal parceira da Petrobras no pré-sal, a petroleira britânica BG tem uma avaliação mais otimista das reservas dos campos de Lula e Iracema, que têm potencial de reservas superior a 10 bilhões de barris, segundo o presidente da companhia no Brasil, Nelson Silva. A Petrobras, operadora do bloco na bacia de Santos onde estão as descobertas (BM-S-11), estima 8,3 bilhões de barris. A BG tem 25% de participação no consórcio, liderado pela estatal brasileira (65%) e que conta ainda com a portuguesa Galp (10%). Para Silva, a diferença entre as avaliações decorre do "tempo em que elas foram feitas". A da Petrobras, diz, foi realizada "há cinco anos". Já a da BG, que contratou uma consultoria internacional para fazer o trabalho de mensuração, é do ano passado. Diante disso, diz, a estimativa da companhia "incorporou novas informações", que não estavam disponíveis antes. Silva disse ainda que a companhia poderá investir mais do que os US$ 30 bilhões previstos nos próximos dez anos. Isso dependerá, porém, da abertura de novas rodadas de licitações de áreas de exploração pela ANP (Agência Nacional do Petróleo), de acordo com Silva.

Confiança na indústria cai e atinge patamar de outubro de 2009

O indicador de confiança dos empresários da indústria atingiu em março o menor nível desde outubro de 2009, caindo aos 60,5 pontos. O ICEI (Índice de Confiança do Empresário Industrial), divulgado nesta sexta-feira pela CNI (Confederação Nacional da Indústria), varia de zero a cem pontos, sendo que resultados acima de 50 pontos denotam otimismo e, abaixo desse patamar, pessimismo. O gerente-executivo da unidade de política econômica da CNI, Flávio Castelo Branco, afirma que o indicador vem mostrando ajustes desde o início do ano passado. "Apesar disso, o fato do ICEI se manter em um nível acima de 60 pontos significa que os empresários ainda estão otimistas e que, na expectativa deles, a economia deve se manter crescendo nos próximos seis meses".

Expectativa de vida aumenta na Europa

A expectativa de vida na Europa está aumentando, apesar da epidemia da obesidade, segundo um estudo de tendências realizado ao longo dos últimos 40 anos. A pesquisa ainda destacou que as pessoas do Reino Unido vivem mais do que os norte-americanos. Em um relatório publicado no "International Journal of Epidemiology", o especialista em saúde da população David Leon, da London School of Hygiene and Tropical Medicine, disse que os resultados contrariam a preocupação de que o crescimento da expectativa de vida pode estar perto do fim nos países ricos, por conta dos problemas de saúde causados pelos níveis de obesidade generalizada. Eles também sugerem que simples fatores, como a riqueza de uma nação e quanto ela gasta em cuidados de saúde, não são necessariamente relacionados ao tempo de vida do seu povo.

Petista quer limitar reeleição para senador a dois mandatos

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) afirmou que vai apresentar uma PEC (proposta de emenda à Constituição) para limitar a reeleição de senadores a dois mandatos. Em sua avaliação, o tema deve ser incluído nos debates que a Comissão da Reforma Política está fazendo quanto à reeleição de governadores e presidente da República. "Por que nessa discussão que estamos fazendo sobre reeleição de presidente da República, sobre reeleição de governador, também não debatemos a nossa própria reeleição? Acho que é legítimo, é certo e é sério. Por que não discutimos o limite de reeleição para o mandatário do Senado?", questionou ela. A senadora também criticou a decisão da comissão de limitar o mandato de presidente da República a cinco anos e de impedir a reeleição para o cargo. Gleisi Hoffmann questionou se o País tem maturidade suficiente para analisar o instituto da reeleição presidencial, uma vez que teve apenas dois presidentes reeleitos, Fernando Henrique Cardoso e Lula.

Partículas radioativas chegam à costa oeste dos Estados Unidos

Minúsculas quantidades de partículas radioativas foram detectadas na costa oeste dos Estados Unidos, supostamente oriundas do vazamento na usina nuclear de Fukushima Daiichi, no Japão. O nível de radiação, contudo, era muito baixo para causar qualquer dano aos seres humanos, segundo o Comprehensive Test Ban Treaty Organisation (CTBTO). O grupo independente, com sede em Viena, monitora este tipo de partícula em mais de 60 estações ao redor do mundo, incluindo uma em Sacramento, na Califórnia. Eles conseguem detectar até mesmo quantidades muito pequenas de partículas radioativas, incluindo isótopos de iodo. "Mesmo um único átomo radioativo pode ser medido e isso é mais ou menos o que vimos na estação de Sacramento", disse um diplomata, que não quis se identificar.

Ex-secretário de Mato Grosso amplia patrimônio pessoal em quase nove vezes

O ex-secretário de Infraestrutura de Mato Grosso, Vilceu Marchetti, teve seu patrimônio pessoal ampliado em quase nove vezes durante o período em que ocupou uma das funções-chave no governo de Blairo Maggi (PR), que hoje é senador pelo Estado. De 2004 a 2009, segundo auditoria do Tribunal de Contas do Estado, Marchetti tornou-se proprietário ou adquiriu participação em quatro fazendas que somam 19,6 mil hectares. Também virou dono de 2.300 cabeças de gado. Uma evolução patrimonial estimada por técnicos do Tribunal de Contas em R$ 1,3 milhão. Na época, a única fonte de renda declarada foi o subsídio de secretário de Estado, que era de R$ 13 mil. "A atividade do ex-secretário como produtor rural deu prejuízo. O conjunto de tais elementos aponta um acréscimo patrimonial incompatível", afirmou o auditor-conselheiro Luiz Henrique Lima. Em parecer, o Ministério Público de Contas disse ver "forte indício da prática de ato de improbidade administrativa" e pediu que os dados sejam remetidos ao Ministério Público Estadual para "que tome medidas cíveis e penais cabíveis." No ano passado, Marchetti foi denunciado pelo Ministério Público sob acusação de chefiar um esquema de compras superfaturadas no governo de Mato Grosso. A investigação do caso apontou que o governo pagou R$ 44 milhões a mais por um lote de 705 máquinas (caminhões, motoniveladoras e escavadeiras hidráulicas, entre outras), adquiridas por R$ 241 milhões em 2009.

Após confrontos em Jirau, construtora para obra em Santo Antônio

A construtora Odebrecht decidiu paralisar nesta sexta-feira as atividades de construção da usina Santo Antônio, no rio Madeira. A decisão da empreiteira, responsável pela obra da usina, ocorreu depois que trabalhadores da usina de Jirau, também no rio Madeira, promoveram uma destruição total no canteiro de obras. Segundo a Secretaria de Segurança de Rondônia, as obras da usina de Santo Antônio ficarão paradas até a próxima segunda-feira para prevenir que aconteçam confrontos. De acordo com a secretaria, 25 mil pessoas trabalham no local, localizado a oito quilômetros do centro de Porto Velho. A hidrelétrica terá capacidade instalada de 3.150 MW, segundo a Odebrecht.

Telefónica paga R$ 1,27 bilhão por ações ordinárias da Vivo

A espanhola Telefónica conseguiu comprar quase 70% das ações ordinárias da Vivo que estavam nas mãos de minoritários, com desembolso de R$ 1,27 bilhão, segundo informações da Bolsa paulista. O leilão promovido na Bovespa nesta sexta-feira teve adesão de 10,63 milhões de ações com direito a voto da maior operadora móvel do Brasil, de um total de 15,22 milhões de papéis que eram alvo da OPA (Oferta Pública de Aquisição). Cada ação foi negociada ao preço de R$ 118,97. Os sócios minoritários que optaram por manter seus papéis viram a queda do preço após o leilão. Às 16h39, as ordinárias da Vivo perdiam 4,76%, sendo cotadas a R$ 110,00 com reduzido giro financeiro e número de negócios. A operação sucede a compra da participação, pela Telefónica, da Portugal Telecom na Brasilcel, holding de controle da Vivo. O grupo espanhol pagou 7,5 bilhões de euros (US$ 10,51 bilhões) pela metade que não tinha da Brasilcel. A Telefónica já informou que planeja que a Vivo seja incorporada pela Telesp, operadora de telefonia fixa em São Paulo também sob controle do grupo espanhol.

Produção de aço bruto subiu 11,4% em fevereiro

A produção de aço bruto no Brasil cresceu 11,4% em fevereiro em relação a igual período de 2010 e caiu 2,9% na comparação com janeiro, mostraram dados do IABr (Instituto Aço Brasil) divulgados nesta sexta-feira. No total, a produção foi de 2,724 milhões de toneladas, contra 2,446 milhões de toneladas em fevereiro de 2010 e 2,806 milhões de toneladas em janeiro. As vendas internas de produtos de aço atingiram 1,793 milhão de toneladas, expansão de 14,2% na comparação anual e de 6,6% sobre janeiro de 2011. Para o mercado externo, foram vendidas 870,4 mil toneladas de produtos siderúrgicos, com valor de US$ 655,4 milhões. Um ano antes foram 653,4 mil toneladas, gerando receita de US$ 350,4 milhões para as usinas exportadoras. Já as importações apresentaram queda em fevereiro ante um ano antes. Foram importadas 257,2 mil toneladas de aço, com valor de US$ 302 milhões. Em fevereiro de 2010, haviam sido importadas 360,7 mil toneladas de produtos de aço, por US$ 312,4 milhões.

Militantes do PSTU lançam coquetel molotov que atinge segurança de consulado dos Estados Unidos

O protesto de movimentos antiamericanos contra a visita do presidente Barack Obama ao Brasil acabou em confronto entre manifestantes e a polícia, no Rio de Janeiro. A confusão começou quando um grupo, integrado por militantes do PSTU, se deslocou até o consulado americano no Rio de Janeiro. Em frente ao prédio, eles leram um texto e um dos manifestantes jogou um coquetel molotov na direção da entrada do prédio. A bomba incendiária atingiu um integrante da segurança do consulado, que correu com as roupas em chamas. O funcionário foi encaminhado ao Hospital Souza Aguiar e, após ser atendido, levado a uma delegacia para realização de exame de corpo de delito. No ato de vandalismo, uma janela foi quebrada. Diversos manifestantes do PSTU foram detidos. Após o ataque, a Polícia Militar reagiu com bombas de gás lacrimogêneo e de efeitos sonoro para dispersar a multidão. Até a confusão iniciar, os manifestantes eram escoltados pacificamente pela Polícia Militar, que os guiou em meia pista pela avenida Rio Branco. Prevista para começar às 16 horas, a manifestação de movimentos antiamericanos contra a visita do presidente Barack Obama ao Brasil só ergueu suas faixas às 17h50. O motivo do atraso foi o desentendimento entre os movimentos sobre os gritos de ordem a serem incluídos na manifestação. Alguns eram contra o ditador líbio Muammar Kadafi e outros a favor, mas todos são contrários à intervenção norte-americana na Líbia. "Quem vai morrer na Líbia não é o Kadafi, mas sim os trabalhadores daquele país, que será mais um sob o controle do EUA", afirmava o servidor público Gualberto Tinoco, coordenador da Central Sindical e Popular (CSP). Outro manifestante, Wagner Vasconcelos, chefete do Movimento pela Riqueza da Cultura e do Idioma do Brasil, planejava um protesto violento caso Obama discursasse para o público. "Nós iríamos calçar sapatos velhos e quando nos aproximássemos de Obama, iríamos jogar os sapatos nele, todo ao mesmo tempo", afirmou ele.

Justiça decreta prisão de ex-coordenador de radares do Rio Grande do Sul

O juiz Luís Felipe Paim Fernandes, da 5ª Vara Criminal de Porto Alegre, decretou a prisão de Paulo Aguiar, funcionário do DAER (Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem), órgão subordinado ao gabinete da Secretaria de Infraestrutura e Logistica do governo gaúcho, comandada pelo deputado federal Beto Albuquerque (PSB), que o havia reconduzido ao cargo. Paulo Aguiar foi exonerado na segunda-feira, após o secretário Beto Albuquerque ser pressionado por uma reportagem do programa "Fantástico", da TV Globo, que apontou o funcionário como dono de uma empresa supostamente envolvida em direcionamento de licitações para instalar radares e lombadas eletrônicas. Só então o secretário Beto Albuquerque se moveu para cancelar a licitação para contratar os equipamentos que sua administração vinha chancelando. O pedido de prisão preventiva foi formulado pelo promotor Tiago Conceição. Ele disse que, além dos indícios de "conduta ilícita" no direcionamento de licitações apontados pela Rede Globo, o servidor também já foi denunciado sob acusação de peculato e de falsidade ideológica em dezembro do ano passado. Paulo Aguiar tinha sido demitido pelo governo de Yeda Crusius, que o denunciou. Segundo a acusação, Paulo Aguiar seria responsável por um contrato de monitoramento eletrônico de trânsito com a empresa Engebrás que teria causado prejuízo de R$ 13 milhões ao Daer (Departamento Autônomo de Estradas e Rodagem), autarquia do Rio Grande do Sul onde trabalhava. Conceição afirma que Aguiar cometeu peculato ao permitir que a empresa instalasse equipamentos usados, quando o contrato exigia que fossem novos. O nome dessa empresa Engebras aparece insistentemente há muitos meses em dossiês apócrifos com ampla circulação no Rio Grande do Sul. Os dossiês apócrifos (Videversus recebeu um cópia por e-mail) apontam a Engebras como tendo beneficiado parlamentares gaúchos para manter seus contratos e receber em dia os pagamentos do Tesouro Estadual.

Rapper MV Bill critica segurança da visita de Obama à Cidade de Deus

O rapper e chefete de favela MV Bill criticou as exigências de segurança para a visita do presidente Barack Obama à favela Cidade de Deus, localizada na zona oeste do Rio de Janeiro. Ele se retirou da produção do evento e não vai estará na comunidade no domingo. "Revistar crianças de 4 anos de idade, retirar moradores de suas casas, não marcar encontro com nenhum movimento social da comunidade são coisas que estão desafinadas com o desejo da população de ver o Obama de perto e de passar carinho para ele", afirmou ele. Um dos fundadores da Cufa (Central Única das Favelas), MV Bill disse que, no início, estava entusiasmado com a idéia de ver um presidente como Obama caminhando pelas ruas da favela e começou a incentivar a visita. Quando o "exagerado" (segundo ele) esquema de segurança foi apresentado, porém, decidiu deixar a organização da visita. "Reunir-se grupo pequeno de pessoas num lugar fechado não condiz com a realidade. Não podemos brincar de estar dentro de um filme. Continuo considerando importante a presença dele, mas achei melhor não fazer parte. É contra os meus princípios e contra as coisas que eu prezo", disse o rapper. Rapaz de princípios, não é mesmo? Quando foi feito um filme na sua favela, e ele viu um cubículo recheado de pessoas que estavam sequestradas, ele fez que não viu nada. Esse é o princípio do rapper. Essa visita de Obama ao Brasil, em um fim de semana, é um tour absolutamente inútil, que começa ao meio dia de sábado e termina na noite de domingo.

Kassab está fora do DEM, seu novo partido vai se chamar PSD

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, já não faz mais parte do DEM. Ele formalizou a sua saída em um telefonema ao senador José Agripino (RN), novo presidente do partido. Kassab está mesmo fundando uma nova legenda, que não vai mais se chamar PDB. A sigla foi demonizada como “Partido Da Boquinha” antes mesmo de nascer. Vai se chamar  agora PSD, que remete a uma das três grandes legendas pré-1964: Partido Social Democrático. As duas outras eram UDN (União Democrática Nacional), mais à direita, e PTB (Partido Trabalhista Brasileiro), mais à esquerda. No Partido Social Democrático, militaram alguns grandes nomes da política brasileira, como Juscelino Kubitschek e Ulysses Guimarães. Gilberto Kassab, com toda certeza, está a quilômetros/luz da dimensão política de Juscelino e Ulysses Guimarães.

Marina Silva já está a caminho da saída do PV

Após meses de atrito, as relações entre a atual direção do PV e o grupo de Marina Silva caminham para o impasse. Já se fala na possibilidade de Marina Silva deixar o partido. Ela sairia acompanhada por militantes históricos, como o deputado federal Alfredo Sirkis (RJ) e o jornalista e ex-deputado federal Fernando Gabeira (RJ). O impasse foi explicitado na reunião da executiva nacional do partido, realizada na quinta-feira, em Brasília. Ignorando os apelos do grupo de Marina Silva e dos históricos para que se promovam eleições neste ano para a renovação dos quadros de direção, a executiva decidiu adiar para 2012 a convenção já programada para meados deste ano. Isso garante ao atual presidente, José Luiz Penna, que detém o controle quase absoluto da máquina partidária, a permanência no cargo por mais um ano. Será o 13º ano à frente do PV. “Tudo indica que estamos caminhando para uma presidência vitalícia, em um partido que é parlamentarista”, desabafou Sirkis. Ele disse que o grupo de Marina Silva e os históricos ainda tentarão mobilizar as bases do partido e os grupos que apoiaram a a candidatura da ex-ministra do Meio Ambiente. Sua intenção é pressionar a executiva para que a convenção se realize neste ano, como estava previsto desde que Marina Silva se filiou ao PV, no ano passado. “Vamos convocar reuniões realizar seminários onde for possível”, afirmou o deputado: “Não está descartada a hipótese, porém, de Marina e os verdes históricos saírem para criar um novo partido". O deputado ficou surpreso com resultado da reunião. Ele acreditava que o partido iria aproveitar o resultado da campanha eleitoral de 2010, quando Marina obteve cerca de 20 milhões de votos e mobilizou setores expressivos do eleitorado mais jovem, para promover a renovação e o arejamento nos seus quadros. A história tomou outro rumo quando o deputado federal Zequinha Sarney (MA), apresentou uma proposta para se prorrogar por mais um ano o mandato da atual diretoria, presidida por Penna. Submetida a votação, ela foi aprovado por 29 votos a 16. Disse Sirkis: "Marina ficou perplexa ainda que não propriamente surpresa. A animosidade da burocracia no partido contra ela era algo que ela vinha reparando há tempos e eu constantemente lhe garantindo que exagerava. Naquela hora percebi que não. Digamos que, na melhor das hipóteses,  criaram por ela uma relação amor-ódio. Amor pelo que de prestígio indireto pode lhes aportar. Ódio quando sua visão de transição democrática é vista como ameaça a seus poderzinhos". Que gentinha.... e ainda se dão ares de geniais políticos. Isso é Brasil.

Técnicos conseguem religar corrente elétrica na usina de Fukushima

Engenheiros da Tokyo Electric Power Company (Tepco), operadora do complexo nuclear de Fukushima Daiichi, conseguiram na noite desta sexta-feira reconectar a corrente de energia elétrica à usina por meio de uma linha de transmissão externa. Trata-se da última ação em uma corrida contra o tempo para evitar um grave acidente nuclear, e ocorreu um dia depois de o Japão elevar de quatro para cinco, em uma escala que vai até sete, o nível de gravidade do acidente no complexo. Após o sucesso, os engenheiros davam prosseguimento a um cabeamento no interior da usina. Só depois é que seria realizada uma tentativa de religar bombas de água necessárias para resfriar varetas de combustível nuclear aquecidos nos seis reatores da usina de Fukushima, localizada 240 quilômetros ao norte de Tóquio. Trabalhando no interior de uma área de 20 quilômetros de onde foram retirados todos os moradores, cerca de 300 engenheiros estão focados em tentar encontrar uma solução para restaurar a energia em bombas de quatro dos reatores. "A Tepco conectou a linha de transmissão interna com o ponto de recepção da instalação e confirmou que eletricidade pode ser fornecida", afirmou a empresa em um comunicado. Outros 1.480 metros de cabos estão sendo colocados dentro do complexo antes de tentar colocar para funcionar os refrigeradores no reator 2, e depois no 1, 3 e 4 no fim de semana, segundo funcionários da Tepco. Se isso funcionar, será um ponto de virada na crise.

Ciro Gomes pretende concorrer a prefeito de Fortaleza em 2016

O ex-deputado e ex-ministro Ciro Gomes (PSB) afirmou que pretende ser candidato a prefeito de Fortaleza, mas apenas em 2016. Na próxima eleição, o ex-presidenciável não poderá concorrer, já que seu irmão, Cid Gomes, é o governador do Estado pelo PSB. "Fortaleza, há muito tempo, precisa de uma transformação. Eu sinto a cidade se deteriorando a olhos vistos", falou o neocoronel em entrevista à TV Jangadeiro (afiliada do SBT): "Eu estou muito preocupado com o futuro de Fortaleza". Ciro Gomes também descartou integrar o governo Dilma Rousseff e ser candidato ao Senado em 2014. Ele disse apenas que prefere, no momento, "ficar quieto". Desde janeiro, quando terminou seu mandato na Câmara, ele está sem cargo público.

Obra de Jirau será retomada na segunda-feira

As obras da hidrelétrica de Jirau, em Rondônia, paralisadas nesta semana por conta de tumultos no canteiro da usina, serão retomadas na próxima segunda-feira, informou na sexta-feira o consórcio Energia Sustentável do Brasil, responsável pelas obras. "Com a presença da Força Nacional, da Polícia Federal e da Polícia Militar de Rondônia, que já se encontram no canteiro de obras para garantir a ordem e a integridade dos funcionários na volta ao trabalho, a empresa retomará as suas atividades normais nesta segunda-feira", disse em nota a Energia Sustentável do Brasil. O tumulto em Jirau gerou também a paralisação, nesta sexta-feira, das obras vizinhas da usina de Santo Antônio. Em comunicado, o consórcio construtor Santo Antônio Energia informou que a paralisação era preventiva e ocorreu "devido às manifestações ocorridas na usina hidrelétrica Jirau". Somadas, as duas usinas terão potência instalada de 6.450 MW (megawatts). Ainda não se sabe oficialmente o que causou a rebelião, mas suspeita-se de que teria começado na noite de quarta-feira, em Jirau, depois que um operário se desentendeu com o motorista que faz o transporte dos funcionários. Iniciou-se, então, uma onda de violência. O presidente da Energia Sustentável do Brasil, Victor Paranhos, relatou que 70% dos alojamentos da margem direita do rio Madeira foram incendiados. Segundo Paranhos, o sindicato dos trabalhadores das obras do Madeira não apresentou uma pauta de reivindicações e nega que os tumultos tenham sido causados por questões trabalhistas. "A grande questão é que a gente teve uma reunião com o sindicato da construção civil e eles dizem que não tem nada a ver com isso. Eles não tinham nenhuma reivindicação", disse Paranhos. O executivo afirmou que as causas do tumulto precisam ser investigadas pelas autoridades. Enquanto isso, cerca de 5.000 operários de Jirau que não têm onde dormir no canteiro nem em Porto Velho foram deslocados para suas cidades de origem, segundo o prefeito da capital de Rondônia, Roberto Sobrinho (PT). "Outra parte dos trabalhadores deve ficar na margem esquerda do rio (onde os alojamentos não foram queimados)", disse o prefeito. Sobrinho tem dúvidas se a origem da rebelião foi uma simples briga e teme que possa haver alguma organização por trás do incidente. "Não acredito que uma briga entre duas pessoas possa ter proporcionado um levante da ordem do que aconteceu por lá. Não é algo espontâneo. Tem pessoas bem organizadas", declarou Sobrinho. É evidente, só não vê quem não quer que ali houve um ensaio de ação revolucionário esquerdista. As obras das usinas de Santo Antônio e Jirau empregam mais de 40 mil pessoas em Rondônia e vêm sendo responsáveis por um forte crescimento da economia no Estado.

Tribunal europeu aprova crucifixos em escolas na Itália

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos disse nesta sexta-feira que a exibição de crucifixos nas escolas da Itália não fere os direitos dos estudantes não-católicos e de suas famílias. O parecer, em resposta a um recurso, invalida uma decisão anterior, anunciada pelo mesmo tribunal em 2009. No caso original, uma finlandesa questionou a presença de crucifixos em uma escola na cidade italiana de Abano Terme, alegando que ela violava seu direito de proporcionar a seus filhos uma educação que correspondesse a seu estilo de vida e suas crenças. Na decisão de 2009, o tribunal considerou que a presença de crucifixos era contrária ao direito dos pais de educar os filhos de acordo com suas convicções e ao "direito das crianças à liberdade de religião e pensamento". Mas, no novo parecer, os magistrados concluíram que não há evidência de que crucifixos em salas de aula influenciariam os estudantes. O ministro das Relações Exteriores italiano, Franco Frattini, elogiou o veredicto desta sexta-feira como sendo uma vitória do "sentimento popular". "A decisão ressalta, acima de tudo, os direitos dos cidadãos de defender seus próprios valores e identidades", disse Frattini. Na Itália, a separação entre Igreja e Estado foi firmada na Constituição promulgada após a Segunda Guerra Mundial, com o objetivo de dar direitos iguais a todas as religiões. O uso de crucifixos nas escolas no país não é obrigatório, mas é um costume comum.

Chefes da polícia secreta de Pinochet são condenados

A Corte de Apelações de Santiago ratificou nesta sexta-feira uma condenação de cinco anos de prisão ao general aposentado Manuel Contreras, ex-chefe da polícia secreta do ditador Augusto Pinochet. Ele foi condenado pelo sequestro de um estudante universitário desaparecido em 1974. Outros quatro repressores foram sentenciados a igual pena, mas os tribunais concederam a eles o benefício da liberdade vigiada. O caso se refere ao estudante Mamerto Espinoza Henríquez detido em 17 de setembro de 1974, em Santiago. A ratificação foi da decisão em primeira instância, de 6 de outubro de 2009, do juiz especial Mario Carroza. Além de Contreras, ele condenou o ex-brigadeiro Miguel Krassnoff Martchentko e os coronéis aposentados Marcelo Moren Brito, César Manríquez Bravo e Ciro Torré Sáez. Os dois últimos podem cumprir pena em regime de liberdade vigiada. Mamerto Espinoza, de 26 anos, era militante do Movimento de Esquerda Revolucionária (MIR), da cidade de Conceição. Ele foi preso durante uma viagem a Saniago, onde dormia na casa de um irmão. Segundo um informe que certificou as violações aos direitos humanos cometidas durante a ditadura de Augusto Pinochet, Espinoza era um dos encarregados da segurança de Miguel Enríquez, líder do movimento que combateu a ditadura militar. Miguel Enríquez morreu em 5 de outubro de 1974, durante um enfrentamento com militares.

Senado apresenta proposta que altera tramitação das MPs

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), apresentou nesta sexta-feira a PEC (proposta de emenda constitucional) que limita os poderes da Câmara na votação das medidas provisórias. A proposta fixa o prazo máximo de 55 dias para que a Câmara vote uma MP. Depois desse prazo, o texto deve seguir para a análise do Senado, mesmo que não tenha sido aprovado pelos deputados. O texto foi lido no plenário do Senado, o que dá início à sua tramitação na Casa. A expectativa de Sarney é que a PEC seja votada pelos senadores em, no máximo, 60 dias. "Resolve os problemas das medidas provisórias no que se refere aos prazos, a fim de que o Sendo tenha condições de examiná-las uma vez que estão vindo para o Senado nos últimos dias, com prazo esgotado", disse Sarney. No modelo atual, o Congresso tem 120 dias para votar a medida provisória, mas a Constituição não estabelece um prazo máximo para que o texto fique na Câmara, onde as MPs começam a tramitar. Na maioria dos casos, o texto chega para a análise do Senado às vésperas de perder a validade, o que não permite à Casa fazer uma ampla discussão sobre a MP. Pelo texto, o Senado também terá 55 dias para analisar a MP. Os dez dias restantes ficam para a Câmara revisar o texto, se for modificado pelo Senado. A PEC proíbe os deputados de incluírem emendas no texto depois que ele for aprovado pelos senadores. Apesar de limitar os poderes da Câmara, Sarney negou que a PEC vai provocar uma crise entre as duas Casas.

Com fim de mandato, ação contra Genoino volta para Justiça de Minas Gerais

O ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal, devolveu para a Justiça Federal em Minas Gerais a ação penal que investiga supostos empréstimos fraudulentos do Banco BMG para o PT no período do Mensalão do PT, principal escândalo político do governo Lula. O esquema corruptor consistia na compra de apoios de parlamentares e partidos políticos ao governo Lula, conforme denúncia do Ministério Público Federal.Os empréstimos também envolveram o grupo de empresas pertencentes ao publicitário Marcos Valério, considerado principal operador do esquema. A medida foi provocada porque o ex-deputado federal José Genoino (PT-SP) não se reelegeu. Atual assessor especial do Ministério da Defesa, José Genoino era o único réu com prerrogativa de foro no caso. A ação tem mais 10 réus, entres eles o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, Marcos Valério e Flávio Pentagna Guimarães, integrante do conselho de acionistas do Banco BMG. Relator do caso, o ministro Joaquim Barbosa lembrou que a ação foi remetida para o Supremo quando Genoino foi diplomado para o mandato que se iniciou em 2007. Como não foi reeleito nas eleições passadas, explicou o relator, cessou a hipótese de competência do Supremo. O caso tramitará na 4ª Vara Federal de Belo Horizonte (MG), onde o feito começou a tramitar originariamente, "mantida a validade de todos os atos já praticados". José Genoino é acusado pelo crime de falsidade ideológica, por ter sido avalista de contratos de empréstimos supostamente simulados, firmados entre o PT, que ele presidia à época, e o banco BMG. Flávio Guimarães é acusado de ser o responsável pela aprovação do empréstimo concedido ao PT e à empresa SMP&B Comunicações. Marcos Valério, na condição de gestor da SMP&B Comunicação, foi avalista, com Genoino, do mesmo empréstimo concedido ao PT.

Ministro do STF pede providência contra resistência da Câmara

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, encaminhou nesta sexta-feira pedido de providências ao presidente da Corte, Cezar Peluso, e ao Ministério Público Federal, contra a resistência da Câmara dos Deputados em dar posse aos suplentes do partido e não da coligação. Segundo o ministro, a Câmara não cumpre ato judicial do Supremo. Marco Aurélio disse que as providências serão definidas por Peluso e pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel. "Nunca vi isso. A Câmara resiste em cumprir uma decisão do Supremo. Qual o norte para o cidadão comum? Isso é algo preocupante. Não temos tanques para colocar lá e fazer cumprir a decisão. Agora, não pode ficar com essa desmoralização", afirmou. Em fevereiro, Marco Aurélio, em decisão liminar, determinou a posse de Severino de Souza Silva (PSB-PE), na vaga aberta de Danilo Cabral (PSB-PE). O entendimento de Marco Aurélio foi seguido em outras quatro liminares. Para alguns ministros, o mandato pertence ao partido. A Câmara tem dado posse ao suplente da coligação e sustenta que espera o plenário do Supremo analisar em definitivo os casos. Marco Aurélio reclama do não cumprimento da liminar: "É um absurdo. Está ocorrendo uma inteira inversão de valores. Decisão do Supremo se cumpre. Não tem essa questão de esperar a decisão final sobre o caso. Quando o ministro concede uma liminar ele personifica o Supremo".

Deputado pede para CBF impedir propaganda de bebida na seleção

O líder do PT na Câmara Federal, Paulo Teixeira (SP), pediu no encontro que teve com o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, na quarta-feira, que a entidade coloque uma cláusula nos contratos com seus treinadores proibindo-os de fazer propagandas de bebidas alcoólicas na televisão. De acordo com o deputado, o cartola lhe disse no dia seguinte que já encaminhou o pedido ao departamento jurídico da CBF, que analisará a solicitação. Paulo Teixeira afirma que técnicos da seleção fazendo propaganda de cerveja "é ruim para o povo, porque incentiva a beber, o que pode levar às drogas". Nos últimos meses, tanto o antecessor Dunga (Brahma) quanto o atual Mano Menezes (Kaiser) fecharam contrato com empresas do setor de bebidas. A ida de Ricardo Teixeira a Brasília aconteceu em meio a uma tentativa de criação de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar a organização da Copa-2014.

Greenpeace pede à Dilma fim do uso da energia nuclear no Brasil

Ativistas do Greenpeace fizeram nesta sexta-feira um ato em frente ao Palácio do Planalto pedindo à presidenta Dilma Rousseff o fim do uso da energia nuclear no Brasil. Vestidos com capas de proteção e máscaras, um grupo subiu a rampa do Planalto e abriu uma faixa com a frase "A energia que mata. Dilma, nuclear não". Citando o acidente na Usina Nuclear de Fukishima, no Japão, os manifestantes pedem a suspensão da construção da Usina Nuclear Angra 3, no Rio de Janeiro, e a paralisação dos investimentos em energia nuclear. "Pedimos que a presidenta Dilma tome um posicionamento mais ágil em relação à energia nuclear. Países como a Alemanha já cancelaram o funcionamento de reatores mais antigos. Podemos ser o primeiro grande país a usar 100% de energia limpa", disse Ricardo Baitelo, responsável pela campanha de energia do Greenpeace. Representantes da Secretaria-Geral da Presidência da República conversaram com os ativistas e receberam o manifesto do Greenpeace. O secretário de articulação social, Antônio Lambertucci, disse que a demanda da organização será encaminhada a Dilma. "Essa demanda vai chegar à presidente por meio do ministro da Secretaria-Geral, Gilberto Carvalho. Nos colocamos à disposição para recebê-los porque nossa função é dialogar", disse Lambertuci. Três manifestantes do Greenpeace permaneceram por alguns minutos sentados embaixo da rampa do Palácio do Planalto e foram conduzidos pela segurança à Polícia Federal.

Governo petista dá proteção a delator do Mensalão de Brasília

O governador petista Agnelo Queiroz (DF) mantém sob proteção da Polícia Civil o delator Durval Barbosa, que denunciou o Mensalão de Brasília. Barbosa delatou o esquema de pagamento e cobrança de propinas, que foram registradas em vídeos. Uma das gravações mostrava o ex-governador José Roberto Arruda, um dos principais adversários políticos de Agnelo Queiroz. Filmado recebendo dinheiro, Arruda foi preso por suspeita de atrapalhar a investigação e acabou cassado. Ele era o favorito à reeleição, mas não pôde concorrer. O próprio Agnelo Queiroz, então pré-candidato a governador, teria sido filmado quando foi convidado por Barbosa para ver as cenas com os casos de corrupção, mas esse vídeo nunca foi tornado público. Agnelo Queiroz confirma seu encontro com Barbosa e diz que o objetivo era ver trechos dos vídeos. Ele diz nunca ter obtido cópias das gravações. Quando revelou as gravações, no final de 2009, o delator Barbosa havia feito um acordo de delação premiada com o Ministério Público e ficou sob proteção da Polícia Federal. Em 24 de agosto de 2010, Barbosa deu depoimento à Polícia Federal no qual disse que, apesar de "satisfeito com a segurança", não aceitava a recomendação de mudar de cidade, para não ficar longe dos filhos. Três dias depois, a Polícia Federal pediu que ele assinasse compromisso para manter a proteção, pois Barbosa recusara a oferta de morar em casa alugada em outro Estado. Barbosa não assinou, e a Polícia Federal suspendeu a segurança em 31 de agosto de 2010. No dia seguinte, o então governador Rogério Rosso (PMDB) recebeu e acatou pedido para que a Polícia Civil do Distrito Federal fizesse o serviço.

Grupo Advento anuncia obras de R$ 700 milhões

Empreendimentos orçados em cerca de R$ 700 milhões, para diferentes setores, acabam de entrar no portfólio do Grupo Advento. A carteira total para 2011 é de R$ 1,5 bilhão. Três empresas do grupo serão responsáveis pela construção da fábrica da empresa alemã Continental Pneus em Camaçari (BA). A Serpal vai se responsabilizar pela construção civil da obra, estimada em R$ 350 milhões. Outra obra será a planta da Eldorado Celulose, considerada pela empresa como a segunda maior fábrica de papel e celulose do mundo. O investimento em Três Lagoas (MS) será de R$ 150 milhões e envolverá um centro de secagem, uma linha de fibra e um forno. A Votorantim, por sua vez, investirá R$ 200 milhões na construção de mais duas fábricas de cimento, no Maranhão e no Paraná.

Chinesa JAC Motors inicia venda no Brasil com 46 concessionárias

A chinesa JAC Motors abriu nesta sexta-feira 46 concessionárias em 28 cidades brasileiras com a meta ambiciosa de vender 35 mil carros até o final do ano e conquistar 1% de participação de mercado. Para atingir esse objetivo, os investimentos chegam a R$ 380 milhões, dos quais R$ 145 milhões em mídia, incluindo uma campanha com o apresentador Fausto Silva. A "garantia de parachoque a parachoque" de seis anos, nas palavras de Sergio Habib, presidente do grupo SHC, importador oficial da marca, é outro diferencial, já que inclui todos os itens do carro que apresentem defeito de fabricação nesse período. "O maior problema para qualquer marca nova se implantar no Brasil é a rede de distribuição", afirma o empresário, que foi responsável também pela chegada da francesa Citroën. Das 46 lojas, 35 são do grupo, que chega então a 83 concessionárias. "É um número muito alto de lojas próprias, mas é muito duro você convencer dezenas de empresários a abrir concessionárias sem nunca ter vendido um carro antes", justificou. A marca terá ainda pontos de venda em 54 shopping centers espalhados pelo País. Segundo Ayrton Fontes, consultor especializado no segmento de varejo de veículos, a garantia de seis anos é a maior oferecida no País, porém pode não ser "um atrativo suficiente". Mas, acrescenta, é uma estratégia válida "devido à desconfiança com os carros chineses". No ano passado, as sete chinesas presentes no País venderam 17,3 mil unidades. Neste ano, mais duas, Brilliance e Haima, vão entrar nessa conta.

Finalmente delegado federal Ildo Gasparetto consegue cargo no governo Dilma

Depois de tentar sem sucesso emplacar o delegado Ildo Gasparetto nas condições de diretor Geral da Polícia Federal do Brasil e de secretário Nacional de Segurança Pública, o peremptório governador petista Tarso Genro, do Rio Grande do Sul, recebeu a informação de que seu candidato será adido na Argentina, embora ele preferisse ocupar o mesmo cargo na Itália, posição para a qual também resultou preterido. A posição de adido policial em embaixadas no Exterior é muito recente. Ela ganhou ênfase quando o governo Lula quis se livrar do então diretor Geral da Polícia Federal, Paulo Lacerda, enviando-o para Portugal. A posição de adido na Argentina é irrisória para os interesses do  Brasil. A Argentina não representa mais nada na América Latina, desde que o populismo peronista corrupto destruiu o País.

Delúbio Soares já tem os votos para retornar ao PT

A cúpula do PT já se prepara para aprovar a anistia ao ex-tesoureiro Delúbio Soares na reunião do Diretório Nacional dos dias 29 e 30 de abril. Se a votação fosse hoje, ele teria apoio de 59 dos 84 integrantes do diretório, segundo apurou reportagem do jornal O Estado de S. Paulo (70,2% do total). O perdão a Delúbio faz parte de uma estratégia ampla, que inclui a campanha pela reforma política, liderada no PT pelo ex-presidente Lula, com o apoio do Planalto. O objetivo é usar o discurso da reforma como salvo-conduto para o retorno de Delúbio, expulso do partido em 2005, no rastro do escândalo do Mensalão do PT. “O PT tem um lado forte cristão e sabe perdoar. Por isso, mais de 70% apoiam a volta do Delúbio”, afirmou o deputado Jilmar Tatto (PT-SP): “Ele cometeu erros, foi punido e agora o clima é tranquilo. Ninguém quer briga". Em reunião da Executiva Nacional, na quinta-feira, o PT abriu caminho para empunhar essa bandeira ao criar um comitê que tentará quebrar resistências ao financiamento público das campanhas eleitorais. Composto por dirigentes do partido, senadores e deputados, o comitê vai produzir uma cartilha sobre pontos polêmicos da reforma política, que tramita no Congresso. “Vamos convidar Lula para encabeçar o movimento em defesa do financiamento público, do voto em lista e da fidelidade partidária”, contou o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE). Lula batizou a maior crise de seu governo, em 2005, como “farsa do Mensalão” e prometeu desmontá-la o quanto antes. Embora Costa diga que o movimento pela reforma política não tem ligação com a anistia a Delúbio, o PT quer deixar implícito que os réus do processo do Mensalão do PT, que tramita no Supremo Tribunal Federal (Ação Penal 470) foram injustiçados. O argumento é o de que não houve compra de apoio de parlamentares e partidos políticos, mas caixa 2 de campanha. Por esse raciocínio, Delúbio Soares seria só operador de um sistema falido, abastecido pelo financiamento privado nas eleições.

Fundação do Ministério Público oferece salas gratuitas para o cursinho de Luciana Genro

Luciana Genro
Do site do jornalista Políbio Braga: "A ex-deputada Luciana Genro desistiu de implementar no colégio público estadual Júlio de Castilhos suas aulas gratuitas do cursinho pré-vestiular Emancipa, não desistiu do patrocínio da seguradora do banco estatal estadual Banrisul, a Icatu Seguros (R$ 100 mil), mas agora pode comemorar o retorno aos holofotes com a oferta que lhe fez a Escola Superior do Ministério Público, já que a FMP resolveu ceder duas salas equipadas com ar-condicionado - e de graça. A escola é mantida pela Fundação do Ministério Público. Luciana Genro foi acusada pelos deputados estaduais Jorge Pozzebom (PSDB) e Edson Brum (PMDB), bem como pela revista Veja, de usar bens e serviços públicos sob a guarda do seu pai, o governador Tarso Genro. Ao desistir das salas públicas, ela avisou que não queria causar problemas para a direção do colégio. Nesta quinta, o editor verificou que o pessoal de Luciana já não estava mais na escola. Os leitores poderão falar diretamente com a FMP e dizer o que pensam do ato de generosidade da escola que prepara para concursos no Ministério Público Estadual". A Fundação Escola do Ministério Público é uma fundação de direito privado, formada por promotores e procuradores integrantes do Ministério Público gaúcho. O que a fundação precisa esclarecer é se ela recebe ou não dotações do orçamento da Procuradoria Geral de Justiça, sob a forma de convênios ou outras formas de repasse, patrocínios, subsídios, etc.... É estranho que promotores e procuradores não saibam que Luciana Genro está ostensivamente em campanha eleitoral para concorrer a vereadora no próximo ano, pretensão que deve ser barrada na Justiça, porque a Constituição não permite a sua candidatura, por ser filha do governador. Promotores e procuradores também deveriam mostrar um pouco mais de decoro, já que nos próximos dias o governador peremptório Tarso Genro deverá se manifestar na escolha do novo Procurador-Geral de Justiça do Estado. Por falar nisso: a diretoria da Fundação Escola do Ministério Público estava afinada com qual candidatura ao cargo de procurador geral?

Senadora gaúcha Ana Amélia Lemos pede auditoria em contratos envolvendo pardais e lombadas eletrônicas

Em pronunciamento na noite de quinta-feira na tribuna do plenário do Senado Federal, a senadora Ana Amélia (PP/RS) pediu que seja solicitada ao Tribunal de Contas da União a realização de uma auditoria nos contratos firmados pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), no âmbito do Programa Nacional de Controle Eletrônico de Velocidade (PNVC). A cobrança da senadora foi motivada pela reportagem da Rede Globo exibida no último domingo no programa Fantástico. A reportagem revelou que representantes de fabricantes de pardais e lombadas oferecem propina a fim de vencer licitações fraudadas para beneficiá-las. "Há uma série de prejuízos à sociedade nesse processo fraudulento. Afora os custos, pois está evidenciada a má utilização dos recursos públicos, com serviços superfaturados, pagamento de propina e gastos desnecessários, há questões de segurança envolvidas", disse a senadora gaúcha. Ana Amélia ressaltou que diante das evidências da fraude envolvendo prefeituras e agentes privados, os senadores devem ter a certeza de que esse tipo de procedimento não está acontecendo no âmbito da União. O Programa Nacional de Controle Eletrônico de Velocidade prevê a instalação de 2.696 equipamentos em 5.392 faixas de trânsito, pelo prazo de cinco anos, ao custo de R$ 7773,3 milhões. Esses controladores estão sendo adquiridos por meio de 12 contratos, sendo que 11 já foram firmados, alguns deles com empresas denunciadas pela reportagem, justificou Ana Amélia. A parlamentar concluiu o pronunciamento confiante na aprovação do requerimento. “Em nome dos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência, que norteiam a administração pública, o requerimento seja aprovado já na próxima terça-feira”, completou. Com poucas semanas de trabalho, Ana Amélia Lemos já mostra muito mais serviço do que seus colegas de Estado.

Juízes acusam magistrados por fraudes em empréstimos

Uma investigação conduzida por juízes federais encontrou indícios de que um grupo de magistrados participou de uma fraude que desviou dinheiro de empréstimos concedidos pela Fundação Habitacional do Exército. Documentos da investigação realizada pela associação que representa os envolvidos revelam que entre os beneficiários dos empréstimos estão associados fantasmas ou usados como laranjas. Para que fossem fechados os contratos de empréstimos, segundo a investigação feita sob sigilo, foram falsificados documentos em um período de cerca de dez anos. A Fundação Habitacional do Exército é uma entidade privada ligada à Força, mas que também oferece empréstimos a servidores de governos e do Judiciário. Entre 2000 e 2009, a Ajufer (Associação dos Juízes Federais da 1ª Região), segunda maior entidade de juízes federais do Brasil, assinou 810 contratos com a fundação. Segundo a apuração, cerca de 700 foram fraudados. Nesse período, ao menos 140 juízes tiveram seus nomes usados várias vezes sem saber, entre eles o próprio presidente da associação, Roberto Veloso, eleito em novembro. "Meu nome foi usado fraudulentamente cinco vezes", disse ele. Apenas 40 magistrados admitiram ter contraído os empréstimos. Cheques da associação foram sacados na boca do caixa e depositados em outras contas bancárias, para dificultar o rastreamento do dinheiro desviado. Foram feitos depósitos em nome de construtoras, de concessionária de veículos e, suspeita-se, para um agiota, que negocia ouro e jóias. O esquema foi descoberto em 2009, quando um oficial do Exército reconheceu o nome de uma parente entre os beneficiários dos empréstimos e a procurou para saber se ela enfrentava dificuldades financeiras. A juíza não sabia da falsa dívida. Em novembro do ano passado, após a descoberta das fraudes, o então presidente da Ajufer, Moacir Ferreira Ramos, que concorria à reeleição, renunciou ao cargo. Ramos foi afastado da função de juiz pelo Conselho Nacional de Justiça mas depois foi reintegrado pelo Supremo Tribunal Federal. José de Melo, diretor de captação da fundação, que assinou todos os contratos, também foi afastado no ano passado. Em 2006, ele recebeu o primeiro título de sócio honorário da Ajufer. Os contratos eram assinados apenas pelos representantes da associação e da fundação e eram acompanhados de uma lista com os nomes dos juízes supostamente beneficiados, sem suas assinaturas, ao lado dos respectivos valores. O dinheiro levantado com contratos fictícios quitava contratos reais, em nome de magistrados suspeitos de participarem do esquema.

Entrevista de José Roberto Arruda para Veja arrasa políticos do DEM

José Roberto Arruda foi expulso do DEM, perdeu o mandato de governador e passou dois meses encarcerado na sede da Polícia Federal, em Brasília, depois de realizada a Operação Caixa de Pandora, que descobriu uma esquema de arrecadação e distribuição de propina na capital do País. Filmado recebendo 50 mil reais de Durval Barbosa, o operador delator que gravou os vídeos de corrupção, Arruda admite que errou gravemente, mas pondera que nada fez de diferente da maioria dos políticos brasileiros: “Dancei a música que tocava no baile”. Em entrevista a VEJA, o ex-governador parte para o contra-ataque contra ex-colegas de partido. Acusa-os de receber recursos da quadrilha que atuava no Distrito Federal. E sugere que o dinheiro era ilegal. Entre os beneficiários estariam o atual presidente do DEM, deputado federal José Agripino Maia (RN), e o líder da legenda no Senado, senador Demóstenes Torres (GO). A seguir, os principais trechos da entrevista:
O senhor é corrupto?
Infelizmente, joguei o jogo da política brasileira. As empresas e os lobistas ajudam nas campanhas para terem retorno, por meio de facilidades na obtenção de contratos com o governo ou outros negócios vantajosos. Ninguém se elege pela força de suas ideias, mas pelo tamanho do bolso. É preciso de muito dinheiro para aparecer bem no programa de TV. E as campanhas se reduziram a isso.
O senhor ajudou políticos do seu ex-partido, o DEM?
Assim que veio a público o meu caso, as mesmas pessoas que me bajulavam e recebiam a minha ajuda foram à imprensa dar declarações me enxovalhando. Não quiseram nem me ouvir. Pessoas que se beneficiaram largamente do meu mandato. Grande parte dos que receberam ajuda minha comportaram-se como vestais paridas. Foram desleais comigo.
Como o senhor ajudou o partido?
Eu era o único governador do DEM. Recebia pedidos de todos os estados. Todos os pedidos eu procurei atender. E atendi dos pequenos favores aos financiamentos de campanha. Ajudei todos.
O que senhor quer dizer com “pequenos favores”?
Nomear afilhados políticos, conseguir avião para viagens, pagar programas de TV, receber empresários.
E o financiamento?
Deixo claro: todas as ajudas foram para o partido, com financiamento de campanha ou propaganda de TV. Tudo sempre feito com o aval do deputado Rodrigo Maia (então presidente do DEM).
De que modo o senhor conseguia o dinheiro?
Como governador, tinha um excelente relacionamento com os grandes empresários. Usei essa influência para ajudar meu partido, nunca em proveito próprio. Pedia ajuda a esses empresários: “Dizia: ‘Olha, você sabe que eu nunca pedi propina, mas preciso de tal favor para o partido’”. Eles sempre ajudaram. Fiz o que todas as lideranças políticas fazem. Era minha obrigação como único governador eleito do DEM.
Esse dinheiro era declarado?
Isso somente o presidente do partido pode responder. Se era oficialmente ou não, é um problema do DEM. Eu não entrava em minúcias. Não acompanhava os detalhes, não pegava em dinheiro. Encaminhava à liderança que havia feito o pedido.
Quais líderes do partido foram hipócritas no seu caso?
A maioria. Os senadores Demóstenes Torres e José Agripino Maia, por exemplo, não hesitaram em me esculhambar. Via aquilo na TV e achava engraçado: até outro dia batiam à minha porta pedindo ajuda! Em 2008, o senador Agripino veio à minha casa pedir 150 mil reais para a campanha da sua candidata à prefeitura de Natal, Micarla de Sousa (PV). Eu ajudei, e até a Micarla veio aqui me agradecer depois de eleita. O senador Demóstenes me procurou certa vez, pedindo que eu contratasse no governo uma empresa de cobrança de contas atrasadas. O deputado Ronaldo Caiado, outro que foi implacável comigo, levou-me um empresário do setor de transportes, que queria conseguir linhas em Brasília.
O senhor ajudou mais algum deputado?
O próprio Rodrigo Maia, claro. Consegui recursos para a candidata à prefeita dele e do Cesar Maia no Rio, em 2008. Também obtive doações para a candidatura de ACM Neto à prefeitura de Salvador.
Mais algum?
Foram muitos, não me lembro de cabeça. Os que eu não ajudei, o Kassab (prefeito de São Paulo, também do DEM) ajudou. É assim que funciona. Esse é o problema da lógica financeira das campanhas, que afeta todos os políticos, sejam honestos ou não.
Por exemplo?
Ajudei dois dos políticos mais decentes que conheço. No final de 2009, fui convidado para um jantar na casa do senador Marco Maciel. Estávamos eu, o ex-ministro da Fazenda, Gustavo Krause, e o Kassab. Krause explicou que, para fazer a pré-campanha de Marco Maciel, era preciso 150 mil reais por mês. Eu e Kassab, portanto, nos comprometemos a conseguir, cada um, 75 mil reais por mês. Alguém duvida da honestidade do Marco Maciel? Claro que não. Mas ele precisa se eleger. O senador Cristovam Buarque, do PDT, que eu conheço há décadas, um dos homens mais honestos do Brasil, saiu de sua campanha presidencial, em 2006, com dívidas enormes. Ele pediu e eu ajudei.
Então o senhor também ajudou políticos de outros partidos?
Claro. Por amizade e laços antigos, como no caso do PSDB, partido no qual fui líder do Congresso no governo FHC, e por conveniências regionais, como no caso do PT de Goiás, que me apoiava no entorno de Brasília. No caso do PSDB, a ajuda também foi nacional. Ajudei o PSDB sempre que o senador Sérgio Guerra, presidente do partido, me pediu. E também por meio de Eduardo Jorge, com quem tenho boas relações. Fazia de coração, com a melhor das intenções.

Kassab reserva auditório da Assembléia de São Paulo para anunciar mudança de partido

O prefeito Gilberto Kassab reservou um auditório da Assembléia Legislativa para fazer um "ato político" na segunda-feira. A expectativa de aliados é que ele use o espaço para oficializar sua saída do DEM e anunciar a criação de seu novo partido, até então chamado de PDB (Partido da Democracia Brasileira). Kassab fez o pedido ao gabinete do presidente da Casa, deputado Barroz Munhoz (PSDB-SP). A Assembléia destinou o auditório Franco Montoro à atividade do prefeito. Nesta sexta-feira ele se encontrará com o ex-presidente do DEM, Jorge Bornhausen, em um café da manhã. Deverá usar o encontro para informar Bornhausen sobre sua decisão de deixar a sigla.