quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Supremo retira sigilo de ação contra presidente do Superior Tribunal de Justiça

Decano do Supremo Tribunal Federal, o ministro Celso de Mello acabou com o sigilo que impedia acesso a uma petição na qual um ex-estagiário do Superior Tribunal de Justiça acusa o presidente da Corte, Ari Pargendler, de tê-lo injuriado. Em um despacho assinado nesta quinta-feira, Celso de Mello afirma que a regra é dar publicidade às investigações. Para ele, o fato de o investigado ser um juiz não garante o sigilo da apuração. Segundo o ministro, tratamentos diferenciados são incompatíveis com o princípio republicano. "O Supremo Tribunal Federal tem conferido visibilidade a procedimentos penais originários em que figuram, como acusados ou como réus, os próprios membros do Poder Judiciário pois os magistrados, também eles, como convém a uma República fundada em bases democráticas, não dispõem de privilégios nem possuem gama mais extensa de direitos e garantias que os outorgados, em sede de persecução penal, aos cidadãos em geral", alegou. Celso de Mello afirmou que nada autoriza o desequilíbrio e o tratamento seletivo para garantir privilégios a certos agentes públicos. "Não vejo motivo para que estes autos tramitem em ''segredo de Justiça'', pois inexiste expectativa de privacidade naquelas situações em que o objeto do litígio penal - amplamente divulgado tanto em edições jornalísticas quanto em publicações veiculadas na internet, já foi exposto de modo público e ostensivo", afirmou. O fato que motivou a investigação ocorreu em outubro. Na ocasião, o estudante Marco Paulo dos Santos, de 24 anos, registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil alegando ter sido agredido verbalmente por Pargendler. Ele foi em seguida demitido. De acordo com os relatos do ex-estagiário, ele estava na fila de um caixa eletrônico no Superior Tribunal de Justiça para fazer um depósito. O estudante teria tentado usar um dos caixas, mas não conseguiu concluir a operação. Um funcionário teria informado a ele que apenas um caixa estava funcionando e, portanto, ele foi para a fila onde Pargendler efetuava uma transação. Segundo Santos, o ministro teria olhado para trás e começado a gritar: "Saia daqui, saia daqui, estou fazendo uma transação bancária".

Telefónica quer conectar 1 milhão de brasileiros por fibra óptica até 2015

A operadora espanhola Telefónica espera alcançar o número de 1 milhão de clientes conectados por fibra óptica no Brasil até 2015, anunciou uma fonte da companhia. Atualmente, a operadora possui 11,5 mil clientes conectados a fibra óptica no estado de São Paulo, a maior base de assinantes na América do Sul, assegurou o presidente da empresa no Brasil, Antonio Carlos Valente. Ele ressaltou que em São Paulo e nos municípios vizinhos há 470 mil domicílios que dispõem de acesso à tecnologia de fibra óptica. Valente declarou que foi uma conquista o fato de entre março e setembro o grupo ter conseguido aumentar o número de clientes de telefonia fixa, contra a tendência internacional do setor.

Produção de aço do Brasil em novembro cai 11,2% ante outubro

As siderúrgicas brasileiras pisaram no freio em novembro, reduzindo vendas e produção, apesar das importações mostrarem expressivo recuo de 28,3% na comparação mensal. Segundo dados divulgados nesta quinta-feira pelo IABr (Instituto Aço Brasil), a produção brasileira de aço bruto em novembro caiu 11,2% sobre outubro e 2,8% na comparação anual, para 2,6 milhões de toneladas. Enquanto isso, as vendas internas somaram 1,64 milhão de toneladas de produtos, queda de 4,3% na comparação mensal e de 0,8% sobre o novembro de 2009. "Os números não são nada bonitos, as vendas no mercado interno foram menores que 2009 e 2009 foi um ano horrível", comentou o analista Pedro Galdi, da corretora SLW.

Polícia Federal detém presidente e vice do Tribunal de Justiça do Tocantins para depor

A presidente do Tribunal de Justiça do Tocantins, Willamara Leila, foi uma das pessoas levadas por policiais para depor nesta quinta-feira na sede estadual da Polícia Federal durante a operação Maet. A Polícia Federal também cumpriu mandados de condução coercitiva (quando policiais levam pessoas para depor) contra o vice-presidente do tribunal, Carlos Souza, o desembargador Liberato Póvoa e quatro advogados, segundo Bezerra. O esquema envolvia venda de decisões judiciais. Ele disse que o Superior Tribunal de Justiça determinou o afastamento dos desembargadores. Um dos desembargadores que foram levados para depor, Liberato Póvoa, concedeu, em setembro, liminar que proibia veículos de comunicação de publicarem informações relacionando o governador do Estado e então candidato à reeleição, Carlos Gaguim (PMDB), a um esquema de fraudes em licitações.

Frigoríficos usaram "laranjas" para sonegar R$ 180 milhões, diz Polícia Federal

Empresários gaúchos do setor de carne são investigados sob suspeita de montar uma rede de empresas em nomes de "laranjas" para sonegar impostos. A Polícia Federal e a Receita Federal estimam a fraude fiscal em R$ 180 milhões. Na manhã desta quinta-feira, policiais federais e auditores da Receita fizeram buscas em casas e escritórios de pessoas investigadas em Porto Alegre e em mais quatro cidades do interior do Rio Grande do Sul (Caçapava do Sul, São Sepé, Cachoeirinha e Farroupilha). Segundo a Receita, empresas eram criadas para operar no mercado frigorífico e fechadas no momento de pagar os tributos, sendo substituídas em seguida por outras novas. Em comum, segundo a Polícia Federal, as mais de 20 empresas mencionadas tinham em seus quadros societários "laranjas" e acumularam grandes dívidas com o fisco. De acordo com a Polícia Federal, os "laranjas" recebiam entre R$ 400,00 e R$ 500,00 por mês para ceder seus nomes aos fraudadores.

Justiça Eleitoral de São Paulo desaprova contas de Marta Suplicy

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo desaprovou as contas de campanha da senadora eleita Marta Suplicy (PT). O tribunal se baseou em um parecer técnico que apontou irregularidades na contratação de uma empresa por Marta Suplicy para fazer panfletagem, mas que na Receita Federal tem registro para fazer serviços de limpeza. O valor do contrato foi de R$ 533 mil. A reprovação das contas não impedirá que Marta Suplicy seja diplomada senadora nesta sexta-feira. A primeira vaga ficou com Aloysio Nunes Ferreira (PSDB). Segundo a decisão do TRE, "constatou-se que a atividade econômica exercida pela referida empresa, chamada BravoTe, refere-se a atividade incompatível ao serviço descrito na prestação de contas, caracterizando a despesa de cunho não eleitoral". O tribunal também apontou que a candidata lançou nas suas contas a despesa de R$ 185 mil como serviços de panfletagem, porém as notas fiscais da Bravo Te indicam que "foram despesas com alimentação e transporte para a equipe de apoio a campanha, comprovando novamente inconsistência entre as despesas efetuadas e que foram declaradas".

Após um ano e dois meses parado, processo da Satiagraha volta a andar

Depois de um ano e dois meses de paralisação, o processo principal resultante da Operação Satiagraha da Polícia Federal voltará a ter andamento. O processo em que o banqueiro Daniel Dantas e outros executivos do Grupo Opportunity são acusados de cometer crimes financeiros estava parado aguardando uma decisão da 1ª Seção do Tribunal Regional Federal da 3ª Região sobre qual juiz deveria conduzir a causa. Nesta quinta-feira o colegiado julgou que a ação penal deve tramitar pela 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, cujo titular é o juiz federal Fausto Martin De Sanctis. No mês passado, De Santis foi promovido a desembargador pelo Tribunal Regional Federal, e a posse dele no cargo só depende da aprovação formal pelo presidente Lula. O impasse sobre quem deveria ser o titular da causa, tecnicamente chamado de conflito de competência, teve início a partir de pedidos da defesa de Daniel Dantas. Os advogados queriam que o processo fosse julgado pela 2ª Vara Criminal Federal, cuja titular é a juíza Silvia Rocha. A ação penal foi iniciada em julho de 2009. De Sanctis recebeu a denúncia que acusou Daniel Dantas pela prática de lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta de instituição financeira, evasão de divisas e formação de quadrilha e organização criminosa. Dois meses depois, atendendo a pedido do réu e executivo do Opportunity Dório Ferman, a juíza da 2ª Vara Criminal Federal requisitou os autos, alegando que a causa deveria tramitar naquele juízo.

Supremo decide que titular de cartório não concursado deve sair do cargo

O Supremo Tribunal Federal confirmou nesta quinta-feira, por 6 votos a 3, decisão do Conselho Nacional de Justiça que determinou a saída dos titulares de cartórios que ocupam o cargo sem terem passado em concurso público. De acordo com levantamento do Conselho Nacional de Justiça, mais de um terço dos tabeliães estariam nessa condição. Os ministros entenderam que a Constituição de 1988 criou a necessidade de concurso público para se tornar tabelião. O tribunal analisou um caso específico de um titular de cartório de Cruzeiro do Sul (PR) que foi empossado em 1994 por um decreto editado pelo Tribunal de Justiça do Paraná. A decisão, apesar de valer apenas para o caso em questão, representa o entendimento genérico do Supremo sobre o tema. Ou seja, os demais tabeliães que se sentirem prejudicados poderão até entrar com ação no Supremo, mas já sabem o destino final do pleito. No Brasil, o titular tem o direito de ficar com o lucro do cartório. Segundo o Conselho Nacional de Justiça, existem casos de notários que recebem mais de R$ 5 milhões por mês. Antes da Constituição de 1988, os cartórios eram instituições familiares, passadas de pai para filho. Após sua promulgação e a partir de 1994, quando foi sancionada lei que regulamentava o tema, a função passou a ser obrigatoriamente exercida por pessoas concursadas. De acordo com o Conselho Nacional de Justiça, dos 14.964 cartórios existentes no Brasil, mais de 5.561 (ou 37,2% do total) estão nas mãos dos chamados "biônicos",  que não passaram por concurso para assumir o posto. Em julho deste ano, o conselho havia determinado a realização de concurso público pelos Tribunais de Justiça de todo o País para suprir as vagas em no máximo seis meses.

Ministro do TSE valida eleição de Paulo Maluf para deputado

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral, Marco Aurélio Mello, decidiu que Paulo Maluf (PP-SP) deve ser empossado no cargo de deputado federal, por não mais haver contra ele a condenação que o tornou inelegível pela Lei da Ficha Limpa. O ministro também determinou que o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo refaça os cálculos, agora levando em conta os votos obtidos por Maluf, o que deverá mudar o quadro dos deputados eleitos por São Paulo. "O motivo do indeferimento do registro já não subsiste, ante a decisão prolatada pela Sétima Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo", afirmou Marco Aurélio Mello em sua decisão. "Não mais subsiste o óbice ao deferimento do registro do autor, devendo o Tribunal Regional Eleitoral, não bastasse a questão alusiva a dar-se a diplomação independentemente do pronunciamento final sobre o registro, proceder ao cômputo dos votos atribuídos ao candidato e à legenda que capitaneou a caminhada política eleitoral, concluindo como entender de direito", concluiu.

DirecTV paga US$ 604 milhões à Globo por 19% da Sky Brasil

A DirecTV anunciou nesta quinta-feira a compra de mais 18,9% da Sky Brasil da Globo e suas afiliadas por US$ 604,8 milhões, e passa a deter 93% da operadora de TV paga. A aquisição de 178,83 milhões de ações da Sky Brasil pela subsidiária latino-americana da DirecTV será paga em dinheiro ao grupo brasileiro, que em junho decidiu exercer direito previsto em acordo de 2004 entre acionistas da Sky Brasil, segundo comunicado. Após a operação, a Globo manterá uma participação de 7% na Sky Brasil, com opção até janeiro de 2014 para que o grupo brasileiro de comunicações venda a fatia remanescente na operadora de TV paga. O grupo também continuará a oferecer programação para a Sky, de acordo com o comunicado da companhia norte-americana.

CMN mantém TJLP em 6% para primeiro trimestre de 2011

A taxa de juros de longo prazo (TJLP) foi mantida em 6% ao ano, o menor nível da história. O índice foi definido nesta quinta-feira pelo Conselho Monetário Nacional. A TJLP é usada nos financiamentos concedidos pelo BNDES. A cada três meses, o CMN fixa o nível da taxa para o trimestre seguinte. O conselho é composto pelos ministros da Fazenda, Guido Mantega; do Planejamento, Paulo Bernardo, e pelo presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. A TJLP está no mesmo patamar desde junho do ano passado, quando foi diminuída como medida de estímulo à economia, durante a crise financeira internacional. Anteriormente, a taxa havia ficado em 6,25% ao ano por oito trimestres. Criada em 1994, a TJLP é definida como o custo básico dos financiamentos concedidos ao setor produtivo pelo BNDES. A taxa é definida com base na meta de inflação calculada proporcionalmente aos 12 meses seguintes ao primeiro mês de sua vigência e um prêmio de risco, que segue o risco País.

Justiça Eleitoral do Pará nega pedido para anular eleição ao Senado

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará negou, por 3 votos a 2, pedido do PMDB para anular as eleições para senador. O partido queria nova eleição para a escolha dos senadores do Estado porque os dois mais votados, Jader Barbalho (PMDB) e Paulo Rocha (PT), tiveram o registro de candidatura negado por causa da Lei da Ficha Limpa. Com a decisão, Flexa Ribeiro (PSDB) e Marinor Brito (PSOL) são mantidos como senadores eleitos. Na representação, o partido argumentava que a quantidade de votos invalidados pelo TRE na eleição para senador, que representam cerca de 57% do total de votos, tornam o pleito nulo. O tribunal, no entanto, entendeu que o PMDB não teria legitimidade para fazer o pedido. A candidatura de Jader Barbalho chegou a ser deferida pelo TRE, em agosto. No entanto, o TSE negou o registro porque ele renunciou ao cargo de senador em 2001 para escapar de um processo de cassação por quebra de decoro.

Dilma mantém ministros da Educação, Trabalho e Meio Ambiente

Na véspera de ser diplomada pela Justiça Eleitoral, a presidente eleita, Dilma Rousseff, anunciou nesta quinta-feira a permanência de três ministros: Fernando Haddad na Educação, Izabella Teixeira no Meio Ambiente e Carlos Lupi no Trabalho. A presidente eleita ainda precisa confirmar 14 ministros, se nenhuma pasta nova for criada. Com as novas indicações, Dilma já apresentou 23 integrantes do seu primeiro escalão.

CMN libera BNDES para emitir letras financeiras

O Conselho Monetário Nacional aprovou nesta quinta-feira autorização para que o BNDES emita letras financeiras, regulamentando medida anunciada na véspera pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. A autorização entra em vigor imediatamente, mas o Conselho Monetário Nacional determinou que, previamente à emissão, o banco de fomento terá de preparar um estudo de viabilidade da operação que inclua estimativas de demanda e de custos alternativos de captação. O Conselho Monetário Nacional também estabeleceu que as emissões do BNDES devem observar limite correspondente ao seu patrimônio de referência.

Comissão apura suposto esquema de compra de votos na Câmara de Florianópolis

Um vereador de Florianópolis denunciou a existência de um esquema de compra de votos na eleição da presidência da Câmara Municipal, realizada na terça-feira. Em um vídeo divulgado na internet, João da Bega (PMDB), candidato derrotado na disputa pela liderança do Legislativo, afirmou que colegas teriam pedido R$ 230 mil por voto. Sem saber que estava sendo filmado, ele disse ainda que não foi eleito porque "faltou dinheiro para cobrir a proposta". O vereador Jaime Tonello (DEM), eleito com 9 dos 16 votos, afirmou esperar que o caso seja investigado. "Ganhei a eleição num processo transparente. As denúncias só vieram à tona porque os outros foram derrotados", diz ele. Bega não quis apontar nomes dos vereadores que teriam pedido dinheiro: "Eu não sei se foi um teste para ver se eu estava usando esses métodos. Só sei que ele se deu mal". O prefeito Dário Berger (PMDB) acusou nominalmente dois vereadores de "pedir verba". Segundo ele, o líder do governo no Legislativo, Asael Pereira (PSB), pediu R$ 300 mil para votar no candidato do PMDB. De acordo com a publicação, Berger também disse que outro vereador, Ricardo Vieira (PCdoB), pediu R$ 50 mil, além do pagamento de dívidas de campanha do partido. O Mensalão do PT fez escola.

Brasil e Bolívia assinam acordo de cooperação no combate às drogas na fronteira

Brasil e Bolívia assinaram nesta quinta-feira um acordo de cooperação contra o narcotráfico e a lavagem de dinheiro em regiões de fronteira, e também definiram ações conjuntas na área de inteligência, informaram ambas as partes durante a cúpula do Mercosul, realizada em Foz do Iguaçu. O ministro brasileiro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, disse que o acordo de cinco pontos não tem nada de teórico: "é muito prático e concentra-se em ações concretas para melhorar o controle fronteiriço e usar essa região como elemento de integração". O acordo prevê o treinamento de agentes policiais de ambos os países em centros especializados no Brasil e operações conjuntas de inteligência para localização de áreas de cultivo de maconha, que serão alvos de ações de erradicação. Os dois países também realizarão treinamentos de agentes especializados em combate à lavagem de dinheiro na fronteira.

José Eduardo Cardozo confirma Barreto como secretário-executivo do Ministério da Justiça

O futuro ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, um dos três porquinhos de Dilma Rousseff, confirmou nesta quinta-feira o nome do atual titular da pasta, Luiz Paulo Barreto, como seu secretário-executivo a partir de janeiro. Barreto assumiu o Ministério da Justiça no início do ano, quando o peremptório Tarso Genro se afastou do cargo para concorrer ao governo do Rio Grande do Sul. José Eduardo Cardozo afirmou que a permanência de Barreto é um reconhecimento à forma como a pasta da Justiça tem sido conduzida.

Paulo Renato Souza se irrita com Alckmin e não será mais secretário da Educação em São Paulo

O secretário estadual da Educação, Paulo Renato Souza, comunicou nesta quinta-feira à equipe do governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), que não tem mais interesse em permanecer no posto. Paulo Renato Souza ficou incomodado com a indefinição sobre sua situação. Outros nomes já estavam sendo consultados, como o da diretora do Centro Paulo Souza (que administra Etecs e Fatecs), Laura Laganá, que recusou a pasta. Sidney Beraldo, articulador político de Alckmin e futuro secretário-chefe da Casa Civil, chegou a sondar a possibilidade de Paulo Renato ficar com outra pasta, como Assistência e Desenvolvimento Social. O ex-ministro, porém, só aceitaria permanecer no governo se fosse na Educação. Um dos entraves para dar sinal verde a Paulo Renato é seu "relacionamento ruim" com os professores. No primeiro semestre, ele teve atritos com a classe, que em sua opinião fazia "greve eleitoral". Na verdade, isso é uma mentira. Paulo Renato Souza não teve atrito com a "classe dos professores", mas com a direção do sindicato petista dos professores públicos de São Paulo, que comandou uma greve política minúscula, com objetivos meramente eleitorais, e que precisou ser encerrada por falta de professor em greve. A verdade é que Alckmin julga Paulo Renato Souza muito independente e não o quer em seu governo.

Petrobras faz descoberta mais profunda na bacia do Espírito Santo

A Petrobras informou nesta quinta-feira ter feito nova descoberta de petróleo na bacia do Espírito Santo. O óleo foi encontrado no pós-sal, no poço denominado de Indra, no bloco BM-ES-32. As primeiras estimativas apontam que o óleo tem de 25º a 30º graus API, considerado leve. Numa escala que vai até 50º, quanto maior é o grau API, mais leve é o petróleo, e de melhor aproveitamento para a fabricação de derivados. O poço está situado a 140 quilômetros de Vitória, em um profundidade de cerca de 3.850 metros. Segundo a estatal, trata-se da descoberta de petróleo em águas mais profundas na bacia do Espírito Santo. A Petrobras é a operadora do bloco, com 60% de participação. Os 40% restantes são da norueguesa Statoil.

Justiça considera Exame da Ordem inconstitucional

Uma decisão do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, no Nordeste, considerou o Exame da Ordem inconstitucional. Com isso, determinou que a OAB inscreva os bacharéis em Direito como advogados sem necessidade da aprovação no exame. Em nota divulgada na noite desta quinta-feira, o presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante, afirmou que a liminar "está na contramão da história e da qualidade do ensino jurídico". Cavalcante afirmou ainda que vai entrar com os recursos que forem necessários para atacar a liminar, do desembargador federal Vladimir Souza Carvalho, do Tribunal Regional Federal. "Tenho certeza que o Supremo Tribunal Federal vai julgar esse caso e colocar uma pá de cal definitiva nessa questão ainda no próximo ano", afirmou Cavalcanti. No mandado de segurança contra a OAB, o desembargador alega que "não está entre as atribuições da Ordem dos Advogados dizer se o bacharel pode exercer a profissão que o diploma superior já lhe confere". Além disso, Vladimir Souza Carvalho afirma que "a aplicação do exame fere o princípio da isonomia, já que é a única profissão em que o detentor do diploma de bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais, ou do bacharel em Direito, necessita se submeter a um exame para exercê-la". Neste ano, 105.315 candidatos se inscreveram para o exame. Dos 47 mil candidatos aprovados para a segunda fase, só 12.614 (12%) passaram nos testes que permitem ao bacharel em Direito exercer a profissão. A OAB informou que 22 mil candidatos ao exame apresentaram recurso questionando o resultado da prova.

Em sua despedida do Senado, Marina Silva se emociona ao falar sobre saída do PT

A senadora Marina Silva (PV-AC) fez nesta quinta-feira seu discurso de despedida do Senado. Em meio às recordações de sua vida política nos últimos 16 anos, quando exerceu dois mandatos de senadora, ela embargou a voz uma única vez: ao lembrar sua saída do PT, partido pelo qual começou sua militância política e que ajudou a projetá-la. Assim ela revelou que continua tendo uma alma petista. Marina Silva entretanto já tem experiência em trocas, porque trocou antes de igreja, sainda da Católica para outra protestante. "Partido no qual fiquei durante 30 anos. Vivenciamos momentos difíceis de divergências, mas devo dizer que minha saída do PT não tem a ver com minha bancada", afirmou Marina Silva. "A minha saída do PT, que vem em seguida a minha vinda para o Senado, tem a ver com aquilo que considero uma falta de percepção do PT para não deixar ficar no que já conquistamos e fechar as portas para novos desafios. A questão da sustentabilidade ambiental é a utopia desse século e nenhum partido foi capaz de perceber isso, inclusive o PT". Ela continua agindo como se fosse uma profeta. Ela relembrou ainda seus melhores e piores momentos no governo do presidente Lula, no qual foi ministra do Meio Ambiente. Segundo a senadora, sua saída do governo ocorreu no momento em que não obteve mais apoio das ações contra o desmatamento na Amazônia. De acordo com Marina Silva, não havia a opção de recuar nessas ações e, por isso, ela decidiu voltar ao Senado. A senadora também falou sobre sua participação na solenidade de balanço dos oito anos do governo presidente Lula, ocorrida na quarta-feira no Palácio do Planalto. Marina Silva disse que decidiu participar porque "não guarda mágoas".

Criador do WikiLeaks é solto em Londres após fiança, e diz temer extradição aos Estados Unidos

O criador do WikiLeaks, o australiano Julian Assange, foi posto em liberdade condicional em Londres pouco antes das 18 horas locais desta quinta-feira, após pagar a fiança de 200 mil libras. Ele passou nove dias sob custódia na prisão de Wandsworth, acusado de crimes sexuais na Suécia. Julian Assange nega todas as acusações e alega que o caso é apenas uma estratégia para desmerecer as revelações feitas por seu site. Assange disse que seus advogados ouviram rumores de que ele foi indiciado nos Estados Unidos. "Não tenho muitos temores sobre ser extraditado para a Suécia. Há preocupações muito maiores sobre ser extraditado aos Estados Unidos", disse Assange em Londres, logo após ser solto. O jornal americano The New York Times informou que promotores federais buscam provas de que Assange conspirou com um ex-analista de inteligência do Exército americano, suspeito de ter distribuído os documentos confidenciais. Eles tentam levantar acusações contra Assange nos Estados Unidos. O Wikileaks é um site conhecido por divulgar documentos sigilosos. Embora esteja no ar há alguns anos, ele ganhou destaque internacional neste ano, ao levar a público 77 mil documentos da inteligência americana sobre o Iraque e, nas últimas semanas, mais de 250 mil telegramas secretos do Departamento de Estado dos Estados Unidos com os bastidores da diplomacia americana. A libertação de Assange foi decretada mais cedo nesta quinta-feira, quando a Alta Corte do Reino Unido rejeitou a apelação apresentada pela Promotoria da Coroa do Reino Unido e confirmou a liberdade condicional decretada dois dias antes.

Voto de candidato barrado não vai para o partido, decide TSE

O Tribunal Superior Eleitoral decidiu, por 4 votos a 3, que os votos de um candidato que teve seu registro indeferido após as eleições não pode ser contabilizado por seu partido ou coligação, sendo declarados totalmente nulos. Os ministros discutiram o caso de um candidato a deputado estadual do Amapá, Ocivaldo Serique Gato, conhecido como Gatinho (PTB), que estava com o registro válido no dia das eleições e recebeu votos suficientes para se eleger. Posteriormente, porém, ele foi barrado pela Lei da Ficha Limpa e seus votos foram declarados nulos. O relator do caso, Hamilton Carvalhido, entendia que o candidato deveria ser excluído da proclamação do resultado, mas seus votos deveriam ser contabilizados para a coligação, por se tratar de eleição proporcional. Segundo ele, a medida garantiria que as bancadas formadas não fossem alteradas. Ele foi seguido por Marco Aurélio Mello e Ricardo Lewandowski. A maioria, porém, entendeu que os votos são declarados nulos tanto para o candidato, como para o partido, determinando que um novo cálculo seja feito para saber quem foi de fato eleito. A decisão, apesar de tratar do caso específico, representa uma orientação para toda a Justiça Eleitoral.

TCU condena ex-funcionárias do Serpro a pagarem R$ 2,79 milhões por fraude

O Tribunal de Contas da União condenou nesta terça-feira as ex-funcionárias Sandra do Rosário Camilo de Oliveira e Zenaide Eva Soares, do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), ao pagamento solidário de R$ 2.790.824,24. De acordo com relatório, Sandra incluiu indevidamente diversos beneficiários no cadastro de pensionistas do Ministério da Fazenda. Em uma das concessões fraudulentas de pensão, a ex-funcionária do Serpro utilizou o CPF de Zenaide Eva Soares para incluí-la no Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos (Siape) com o nome de Zenaide Evas Soares. A alteração foi de apenas uma letra. A beneficiária recebeu indevidamente pensões entre março de 1994 e março de 1997. O Tribunal de Contas da União declarou as responsáveis inabilitadas para o exercício de cargo em comissão ou função de confiança na administração pública federal por cinco anos. Elas também foram multadas, individualmente, em R$ 140 mil e têm 15 dias para pagar a multa e o valor da condenação. Certamente o Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul não acompanha os julgamentos do TCU. Em Porto Alegre,o TCE aplica multinhas irrisórias em quem desvia mais de 16 de milhões de reais em licitação fraudulenta. Não é uma maravilha?

Novo radar que permite detectar temporais mais rapidamente entra em operação segunda-feira

O novo radar meteorológico importado dos Estados Unidos pela prefeitura do Rio de Janeiro para ajudar na preparação da cidade para as chuvas de verão entra em operação na próxima segunda-feira. Os aparelhos de medição, protegidos por uma redoma,  já foram instalados no Sumaré. O aparelho, que está em teste, vai complementar as informações meteorológicas analisadas pelo Sistema Alerta-Rio. Até agora o município dispõe apenas dos dados gerados por um radar da Aeronáutica instalado no Pico do Couto, em Petrópolis. Os equipamentos da prefeitura e da Aeronáutica também trabalham em altitudes distintas. O equipamento dos militares é preparado para captar precipitações que se formam acima dos 1.800 metros. Já o radar da prefeitura vai monitorar formações de temporais entre 700 e 800 metros de altitude. Muitos temporais só são detectados só quando já estão próximos do Rio porque dificilmente são identificados pelo aparelho da Aeronáutica. É o caso dos que se formam no fundo da Baía de Guanabara (Baixada Fluminense). Os dados do radar da prefeitura vão complementar informações coletadas também de outras fontes, como o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O aparelho custou R$ 2,5 milhões. Ele tem um raio de alcance de 250 quilômetros, o que permite identificar o comportamento das tempestades enquanto elas ainda se encontram em outros Estados. O equipamento opera fazendo uso do chamado efeito Doppler, que mede a distância e o avanço das tempestades através da reflexão de ondas emitidas pelo próprio equipamento.

Empresário Nenê Constantino tem prisão preventiva decretada em São Paulo

O empresário Nenê Constantino, sócio-fundador da Gol Linhas Aéreas, teve a prisão preventiva decretada na noite desta quarta-feira, pelo juiz Fábio Martins, do Tribunal do Júri de Taguatinga, região administrativa localizada a 20 quilômetros de Brasília. A decisão saiu durante audiência para a oitiva de seis testemunhas de acusação em processo no qual o empresário e outras quatro pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público devido ao homicídio de Márcio Leonardo de Sousa Brito. Os outros acusados são João Alcides Miranda, João Marques Dos Santos, Victor Bethonico Foresti e Vanderlei Batista Silva. O pedido de prisão decretado nesta quarta-feira está relacionado a uma tentativa de assassinato de Eduardo Queiroz, o genro do empresário, que aconteceu em 2008. Constantino foi levado ao Instituto Médico Legal e encaminhado ao Departamento de Polícia Especializada. O empresário é acusado de ser o mandante do assassinato de Sousa Brito, líder de uma associação de moradores que teria invadido uma área de sua propriedade, em 2001. Este é o segundo homicídio atribuído a ele. A motivação do crime, segundo a denúncia, é que a vítima, Márcio Leonardo, que morava em uma invasão ao lado de uma das empresas de Constantino, se recusava a deixar o local. A acusação alega que ele teria sido morto por ordem do empresário.

Novo Código de Processo Civil é aprovado no Senado e segue para a Câmara

O Senado aprovou na noite desta quarta-feira o novo Código de Processo Civil, elaborado por uma comissão de juristas convocada pelo presidente da Casa, José Sarney, e relatado pelo senador Valter Pereira (PMDB-MS). Em votação simbólica, os senadores aprovaram o mesmo texto enviado pela Comissão Especial criada para avaliar o projeto. Segundo o relator, o novo código servirá para dar rapidez aos processos com a criação da conciliação. Para isso, o projeto muda o momento da conciliação e da maioria dos recursos. No caso da conciliação, o texto traz a audiência para antes do começo do processo. O texto cria a figura do mediador, que poderá exercer a atividade independentemente de qualquer formação profissional para atuar nas conciliações. Sobre a definição dos honorários pagos a quem perde as causas em processos contra a Fazenda Pública, o texto diz que que nos casos em que a ação é contra a União, Estados ou municípios será aplicada uma tabela com faixas de honorários. Os percentuais mínimos variam de 10% a 20% em causas de até 200 salários mínimos e chegam no máximo de 1% a 3% em causas de valores acima de 100 mil salários mínimos. O novo Código deverá agora ser apreciado e votado na Câmara dos Deputados.

Veja a lista dos deputados que votaram a favor e contra o escandaloso aumento salarial de parlamentares

Acre (AC)
Flaviano Melo  PMDB  Sim
Henrique Afonso  PV     Não
Sergio Petecão  PMN     Sim
Total Acre: 3
Alagoas (AL)
Antonio Carlos Chamariz  PTB     Sim
Benedito de Lira  PP     Sim
Francisco Tenorio  PMN     Sim
Givaldo Carimbão  PSB  Sim
Joaquim Beltrão  PMDB  Sim
Maurício Quintella Lessa  PR     Sim
Total Alagoas: 6
Amapá (AP)
Evandro Milhomen  PCdoB  Sim
Janete Capiberibe  PSB  Sim
Jurandil Juarez  PMDB  Sim
Sebastião Bala Rocha  PDT     Sim
Total Amapá: 4
Amazonas (AM)
Átila Lins  PMDB  Sim
Rebecca Garcia  PP     Sim
Silas Câmara  PSC     Sim
Total Amazonas: 3
Bahia (BA)
Alice Portugal  PCdoB  Sim
Antonio Carlos Magalhães Neto  DEM     Sim
Claudio Cajado  DEM     Sim
Colbert Martins  PMDB  Sim
Daniel Almeida  PCdoB  Sim
Edson Duarte  PV     Sim
Fábio Souto  DEM     Sim
Félix Mendonça  DEM     Sim
Geraldo Simões  PT     Sim
João Carlos Bacelar  PR     Sim
João Leão  PP     Sim
Jorge Khoury  DEM     Sim
José Carlos Aleluia  DEM     Sim
José Carlos Araújo  PDT     Sim
José Rocha  PR     Sim
Luiz Alberto  PT     Sim
Luiz Bassuma  PV     Não
Márcio Marinho  PRB  Sim
Marcos Medrado  PDT     Sim
Mário Negromonte  PP     Sim
Maurício Trindade  PR     Sim
Nelson Pellegrino  PT     Sim
Paulo Magalhães  DEM     Sim
Roberto Britto  PP     Sim
Sérgio Barradas Carneiro  PT     Sim
Sérgio Brito  PSC     Sim
Severiano Alves  PMDB  Sim
Uldurico Pinto  PHS     Sim
Veloso  PMDB  PmdbPtc  Sim
Walter Pinheiro  PT     Sim
Zezéu Ribeiro  PT     Sim
Total Bahia: 31
Ceará (CE)
Aníbal Gomes  PMDB  Sim
Ariosto Holanda  PSB Sim
Eugênio Rabelo  PP     Sim
Flávio Bezerra  PRB  Sim
José Guimarães  PT     Sim
Paulo Henrique Lustosa  PMDB  Sim
Zé Gerardo  PMDB  Sim
Total Ceará: 7
Distrito Federal (DF)
Alberto Fraga  DEM     Sim
Augusto Carvalho  PPS     Não
Jofran Frejat  PR     Sim
Magela  PT     Não
Tadeu Filippelli  PMDB  Sim
Total Distrito Federal: 5
Espírito Santo (ES)
Camilo Cola  PMDB  Sim
Capitão Assumção  PSB  Não
Jurandy Loureiro  PSC     Sim
Lelo Coimbra  PMDB  Não
Manato  PDT     Sim
Rita Camata  PSDB     Sim
Sueli Vidigal  PDT     Não
Total Espírito Santo: 7
Goiás (GO)
Carlos Alberto Leréia  PSDB     Sim
Luiz Bittencourt  PMDB  Sim
Marcelo Melo  PMDB  Sim
Pedro Wilson  PT     Sim
Professora Raquel Teixeira  PSDB     Sim
Roberto Balestra  PP     Sim
Total Goiás: 6
Maranhão (MA)
Davi Alves Silva Júnior  PR     Sim
Gastão Vieira  PMDB  Sim
Julião Amin  PDT     Sim
Pedro Fernandes  PTB     Sim
Pedro Novais  PMDB  Sim
Pinto Itamaraty  PSDB     Sim
Professor Setimo  PMDB  Sim
Ribamar Alves  PSB  Sim
Waldir Maranhão  PP     Sim
Zé Vieira  PR     Sim
Total Maranhão: 10
Mato Grosso (MT)
Carlos Abicalil  PT     Sim
Carlos Bezerra  PMDB  Sim
Eliene Lima  PP     Sim
Homero Pereira  PR     Sim
Thelma de Oliveira  PSDB     Sim
Valtenir Pereira  PSB  Sim
Wellington Fagundes  PR     Sim
Total Mato Grosso: 7
Mato Grosso do Sul (MS)
Antônio Carlos Biffi  PT     Sim
Antonio Cruz  PP     Sim
Dagoberto  PDT     Sim
Geraldo Resende  PMDB  Sim
Marçal Filho  PMDB  Sim
Nelson Trad  PMDB   Sim
Vander Loubet  PT     Não
Waldemir Moka  PMDB   Sim
Total Mato Grosso do Sul: 8
Minas Gerais (MG)
Ademir Camilo  PDT     Sim
Aelton Freitas  PR     Sim
Alexandre Silveira  PPS     Sim
Antônio Andrade  PMDB  Sim
Antônio Roberto  PV     Sim
Aracely de Paula  PR     Sim
Bilac Pinto  PR     Sim
Carlos Willian  PTC  Sim
Ciro Pedrosa  PV     Sim
Edmar Moreira  PR     Sim
Eduardo Barbosa  PSDB     Sim
Fábio Ramalho  PV     Sim
Gilmar Machado  PT     Sim
Humberto Souto  PPS     Sim
Jairo Ataide  DEM     Sim
Jô Moraes  PCdoB  Sim
João Magalhães  PMDB  Sim
José Santana de Vasconcellos  PR     Sim
Júlio Delgado  PSB  Sim
Lael Varella  DEM     Sim
Leonardo Quintão  PMDB Sim
Luiz Fernando Faria  PP     Sim
Márcio Reinaldo Moreira  PP     Sim
Marcos Lima  PMDB   Sim
Marcos Montes  DEM     Sim
Maria Lúcia Cardoso  PMDB  Sim
Mário Heringer  PDT     Sim
Mauro Lopes  PMDB  Sim
Miguel Martini  PHS     Sim
Narcio Rodrigues  PSDB     Sim
Odair Cunha  PT     Sim
Paulo Abi-Ackel  PSDB     Sim
Paulo Piau  PMDB  Sim
Reginaldo Lopes  PT     Sim
Silas Brasileiro  PMDB  Sim
Virgílio Guimarães  PT     Sim
Vitor Penido  DEM     Sim
Total Minas Gerais: 37
Pará (PA)
Ann Pontes  PMDB  Sim
Asdrubal Bentes  PMDB  Sim
Bel Mesquita  PMDB  Sim
Beto Faro  PT     Sim
Elcione Barbalho  PMDB  Sim
Gerson Peres  PP     Sim
Giovanni Queiroz  PDT     Sim
Lira Maia  DEM     Sim
Lúcio Vale  PR     Sim
Paulo Rocha  PT     Sim
Wladimir Costa  PMDB  Sim
Zé Geraldo  PT     Sim
Zenaldo Coutinho  PSDB     Sim
Total Pará: 13
Paraíba (PB)
Armando Abílio  PTB     Sim
Luiz Couto  PT     Não
Major Fábio  DEM     Não
Manoel Junior  PMDB  Sim
Marcondes Gadelha  PSC     Sim
Rômulo Gouveia  PSDB     Sim
Vital do Rêgo Filho  PMDB  Sim
Wellington Roberto  PR     Sim
Wilson Braga  PMDB  Sim
Total Paraíba: 9
Paraná (PR)
Alceni Guerra  DEM     Sim
Alex Canziani  PTB     Sim
Alfredo Kaefer  PSDB     Não
Andre Vargas  PT     Sim
Angelo Vanhoni  PT     Sim
Assis do Couto  PT     Não
Cassio Taniguchi  DEM     Sim
Cezar Silvestri  PPS     Sim
Dilceu Sperafico  PP     Sim
Gustavo Fruet  PSDB     Não
Luiz Carlos Hauly  PSDB     Sim
Luiz Carlos Setim  DEM     Sim
Marcelo Almeida  PMDB   Não
Moacir Micheletto  PMDB   Sim
Nelson Meurer  PP     Sim
Odílio Balbinotti  PMDB  Sim
Osmar Serraglio  PMDB   Sim
Ratinho Junior  PSC     Sim
Reinhold Stephanes  PMDB   Não
Ricardo Barros  PP     Sim
Rodrigo Rocha Loures  PMDB  Sim
Takayama  PSC     Não
Wilson Picler  PDT     Sim
Total Paraná: 23
Pernambuco (PE)
Ana Arraes  PSB  Sim
Bruno Rodrigues  PSDB     Sim
Carlos Eduardo Cadoca  PSC     Sim
Eduardo da Fonte  PP     Sim
Fernando Coelho Filho  PSB  Sim
Fernando Ferro  PT     Sim
Gonzaga Patriota  PSB  Sim
Inocêncio Oliveira  PR     Não votou porque estava presidindo a sessão
José Mendonça Bezerra  DEM     Sim
Maurício Rands  PT     Sim
Pedro Eugênio  PT     Sim
Raul Henry  PMDB  Sim
Raul Jungmann  PPS     Não
Wolney Queiroz  PDT     Sim
Total Pernambuco: 14
Piauí (PI)
Átila Lira  PSB  Sim
Ciro Nogueira  PP     Sim
José Maia Filho  DEM     Sim
Júlio Cesar  DEM     Sim
Marcelo Castro  PMDB  Sim
Osmar Júnior  PCdoB  Sim
Paes Landim  PTB     Sim
Total Piauí: 7
Rio de Janeiro (RJ)
Alexandre Santos  PMDB  Sim
Antonio Carlos Biscaia  PT     Sim
Bernardo Ariston  PMDB  Sim
Carlos Santana  PT     Sim
Chico Alencar  PSOL     Não
Cida Diogo  PT     Não
Dr. Adilson Soares  PR     Sim
Dr. Paulo César  PR     Sim
Edmilson Valentim  PCdoB  Sim
Edson Ezequiel  PMDB  Sim
Eduardo Cunha  PMDB   Sim
Fernando Gabeira  PV     Não
Filipe Pereira  PSC     Sim
Geraldo Pudim  PR     Sim
Hugo Leal  PSC     Sim
Indio da Costa  DEM     Sim
Jair Bolsonaro  PP     Sim
Léo Vivas  PRB  Sim
Nelson Bornier  PMDB  Sim
Paulo Rattes  PMDB  Sim
Rodrigo Maia  DEM     Sim
Silvio Lopes  PSDB     Abstenção
Simão Sessim  PP     Sim
Solange Almeida  PMDB Sim
Solange Amaral  DEM     Sim
Vinicius Carvalho  PTdoB     Sim
Total Rio de Janeiro: 26
 Rio Grande do Norte (RN)
Henrique Eduardo Alves  PMDB  Sim
Rogério Marinho  PSDB     Sim
Total Rio Grande do Norte: 2
Rio Grande do Sul (RS)
Cláudio Diaz  PSDB     Sim
Darcísio Perondi  PMDB  Sim
Emilia Fernandes  PT     Abstenção
Fernando Marroni  PT     Sim
Germano Bonow  DEM     Sim
José Otávio Germano  PP     Sim
Luciana Genro  PSOL     Não
Luis Carlos Heinze  PP     Sim
Marco Maia  PT     Sim
Mendes Ribeiro Filho  PMDB  Sim
Osmar Terra  PMDB   Sim
Paulo Pimenta  PT     Não
Paulo Roberto Pereira  PTB     Sim
Pompeo de Mattos  PDT     Sim
Renato Molling  PP     Sim
Sérgio Moraes  PTB     Sim
Vieira da Cunha  PDT     Sim
Vilson Covatti  PP     Sim
Total Rio Grande do Sul: 18
Rondônia (RO)
Agnaldo Muniz  PSC     Abstenção
Eduardo Valverde  PT     Não
Ernandes Amorim  PTB     Não
Mauro Nazif  PSB  Não
Moreira Mendes  PPS     Sim
Total Rondônia: 5
Roraima (RR)
Angela Portela  PT     Sim
Edio Lopes  PMDB  Sim
Francisco Rodrigues  DEM     Sim
Luciano Castro  PR     Sim
Marcio Junqueira  DEM     Sim
Maria Helena  PSB  Sim
Total Roraima: 6
Santa Catarina (SC)
Angela Amin  PP     Sim
Celso Maldaner  PMDB  Sim
Décio Lima  PT     Não
João Matos  PMDB  Sim
Mauro Mariani  PMDB   Sim
Paulo Bauer  PSDB     Sim
Valdir Colatto  PMDB  Sim
Vignatti  PT     Sim
Zonta  PP     Sim
Total Santa Catarina: 9
São Paulo (SP)
Abelardo Camarinha  PSB  Sim
Aldo Rebelo  PCdoB  Sim
Antonio Bulhões  PRB  Sim
Antonio Carlos Pannunzio  PSDB     Sim
Arnaldo Jardim  PPS     Sim
Beto Mansur  PP     Sim
Carlos Sampaio  PSDB     Sim
Carlos Zarattini  PT     Sim
Celso Russomanno  PP     Sim
Devanir Ribeiro  PT     Sim
Dr. Nechar  PP     Sim
Dr. Talmir  PV     Não
Dr. Ubiali  PSB   Sim
Edson Aparecido  PSDB     Sim
Emanuel Fernandes  PSDB     Não
Fernando Chiarelli  PDT     Não
Francisco Rossi  PMDB   Sim
Guilherme Campos  DEM     Sim
Ivan Valente  PSOL     Não
Jilmar Tatto  PT     Sim
João Dado  PDT     Sim
Jorginho Maluly  DEM     Sim
José C Stangarlini  PSDB     Não
José Genoíno  PT     Sim
Lobbe Neto  PSDB     Sim
Luiza Erundina  PSB   Não
Marcelo Ortiz  PV     Sim
Milton Monti  PR     Sim
Milton Vieira  DEM     Sim
Nelson Marquezelli  PTB     Sim
Paes de Lira  PTC  Não
Paulo Pereira da Silva  PDT     Sim
Paulo Teixeira  PT     Sim
Regis de Oliveira  PSC     Não
Renato Amary  PSDB     Sim
Ricardo Tripoli  PSDB     Sim
Roberto Alves  PTB     Sim
Roberto Santiago  PV     Sim
Vanderlei Macris  PSDB     Sim
Vicentinho  PT     Sim
Walter Ihoshi  DEM     Sim
William Woo  PPS     Sim
Total São Paulo: 42
Sergipe (SE)
Iran Barbosa  PT     Não
José Carlos Machado  DEM     Sim
Pedro Valadares  DEM     Sim
Valadares Filho  PSB  Sim
Total Sergipe: 4
Tocantins (TO)
Eduardo Gomes  PSDB     Sim
João Oliveira  DEM     Sim
Laurez Moreira  PSB  Sim
Lázaro Botelho  PP     Sim
Moises Avelino  PMDB  Sim
NIlmar Ruiz  PR     Sim
Total Tocantins: 6

Banrisul e Grêmio lançam produto com títulos de capitalização no último dia de gestão gremista

O Banrisul e o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense lançaram nesta quarta-feira, no Hotel Continental, em Porto Alegre, o Plano Azul, produto bancário que colocará à venda títulos de capitalização do clube. O torcedor gremista poderá contratar o Plano Azul nas agências e nos correspondentes do Banrisul, a partir de fevereiro de 2011. Ao longo do plano, ele pagará R$ 20,00 mensais no período de 24 meses, e participará de sorteios mensais com prêmios de até R$ 40 mil e semestrais de R$ 60 mil. Além disso, receberá cinco camisetas que representam momentos de grandes conquistas da história do Grêmio, como brinde pela adimplência no decorrer do plano. Serão duas coleções de cinco camisetas cada, sendo que o torcedor poderá escolher uma coleção para cada título adquirido. Para a diretora Comercial do Banrisul, Marinês Bilhar, a iniciativa valoriza o clube gaúcho e torna o Banco mais próximo das comunidades onde atua. "O produto é inédito no mercado, aliando a força de duas grandes marcas do Estado", afirmou ela. Já o vice-presidente do Grêmio, Marcos Herrmann, está confiante no sucesso do Plano Azul: "O projeto, único no futebol brasileiro, é uma nova maneira do clube interagir com o seu torcedor". Participaram, ainda, da solenidade, o presidente do Grêmio, Duda Kroeff, e o diretor de Distribuição do Banrisul, Carlos Tadeu Vianna. O lançamento desse produto bancário lança algumas dúvidas. Quem criou esse produto? O Banrisul encomendou a sua criação para alguma empresa? Que empresa é essa? O consultor Lauro Tachibana tem algum envolvimento no lançamento desse produto? E o Grêmio pagou alguma quantia antecipada para o Banrisul, ou para essa empresa terceirizada, pela criação do produto bancário do título de capitalização? Na verdade, não há absolutamente nada de novo nesse produto no mercado financeiro nacional. Silvio Santos faz isso há quase meio século (ou mais) com seu Baú da Felicidade. Por que o produto foi lançado no último dia de gestão do presidente do Grêmio, Duda Kroeff, já que somente será operacionalizado a partir de fevereiro? E outra coisa: um eventual contrato com empresa terceirizada para criação do produto prevê pagamento mensal durante a vigência desde plano de título de capitalização? De quanto será o pagamento? São questões que precisam ser respondidas pelo Banrisul e pela direção do Grêmio. Também nesta quarta-feira, à noite, houve a solenidade de posse da nova diretoria no Grêmio. Pode se dizer que a solenidade se constituiu em uma sessão de deboche sobre o Internacional, brindado com toda sorte de piadas por causa de sua desastrada participação na Copa Fifa, na derrota para o time africano Mazembe, em Abu Dhabi. O novo presidente do Grêmio, Paulo Odone, disse: "A cena do goleiro batendo com as nádegas no chão jamais será esquecida pelos gremistas. Nossos torcedores estavam sendo humilhados. Toda a vez que ligava o rádio só ouvia falar no rival. Foi um prêmio ao nosso torcedor assistir aquela cena fantástica. Estamos tentando contratar o número 11 do time do Mazembe, aquele que fez o primeiro gol, para lotar o aeroporto. Vamos fazer uma coisa tipo Jorge Veras, pra liquidar a parada antes. Aqui no Grêmio, nunca ninguém vai bater com a bunda no chão para gozar com a gente".