sábado, 20 de novembro de 2010

Presidente da Colômbia afirma que um dos chefes das Farc foi morto pelo Exército

Um importante chefe das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, organização terrorista e traficante de cocaína) foi morto neste sábado em um bombardeio das Forças Militares, anunciou o presidente colombiano, Juan Manuel Santos. De acordo com relatórios preliminares, o chefe seria Fabián Ramírez, um veterano terrorista que por anos pertenceu ao bloco sul do grupo terrorista e que era muito próximo à cúpula da organização. "A informação que me acaba de dar o ministro de Defesa é que, ao chegar ao local, encontraram quatro ou cinco cadáveres e aparentemente esse bandido morreu", disse Juan Manuel Santos. "Encontraram suas duas pistolas, sua mochila, seus relógios e seus computadores", detalhou o presidente durante um ato semanal de governo. O terrorista Ramírez, que, segundo Juan Manuel Santos, tinha mais de 13 ordens de captura, ficou famoso por vários ataques que deixaram numerosos membros da Força Pública mortos e sequestrados, além de ser um dos três negociadores no falido processo de paz do governo do ex-presidente Andrés Pastrana, entre 1998 e 2002.

Líder do PMDB diz que blocão foi criado para frear avanço do PT

Mentor de acordo entre partidos da base aliada, o líder do PMDB na Câmara, o deputado federal Henrique Eduardo Alves (RN), confirmou que o blocão foi criado contra o avanço do PT na montagem do governo de Dilma Rousseff. Questionado sobre a atuação do PT neste período de transição, Henrique Eduardo Alves respondeu que "eles estão avançando muito pelos jornais": "Uma hora é fulano na Saúde, fulano nas Comunicações. Precisamos todos parar com isso". O bloco conta com apoio de deputados de PR, PP, PTB e PSC, além do PMDB. O objetivo do grupo, que pode contar com 202 deputados na próxima legislatura, é não só angariar forças na montagem do governo, mas também na disputa por cargos de comando do Congresso. Segundo Alves, o PT não foi chamado de início para participar do bloco por ser um partido "mais complexo, com vários segmentos": "Você não conversa com uma liderança que fale pelo PT unicamente".

Dilma se irrita com atitude de Meirelles para se manter no Banco Central

A presidente eleita, Dilma Rousseff, se irritou com Henrique Meirelles por ele ter divulgado que impõe condições para ficar no Banco Central, mas não descarta negociar sua permanência por um período tampão. De acordo com auxiliares de Dilma, Meirelles perdeu "muitos pontos" e deve "baixar o tom" para que os dois possam negociar sua posição no futuro governo. A presidente eleita disse a petistas que não convidou Meirelles a ficar, mas autorizou uma sondagem. A conversa definitiva deverá acontecer nos próximos dias.

Governo impõe aos fundos de pensão participação no trem-bala

Por determinação do governo Lula, a estratégia de participação dos fundos de pensão de estatais no projeto do trem-bala mudou. A ordem é que Previ (BB), Petros (Petrobras) e Funcef (Caixa) negociem parceria nos consórcios separadamente para o leilão. Até a semana passada os fundos só entrariam no projeto após a escolha do vencedor. Essa participação, de cerca de 20% do capital da nova empresa, seria por meio da Invepar (associação entre Petros, Previ e Funcef mais a construtora OAS) e o aporte seria de R$ 1,5 bilhão. O presidente da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), Bernardo Figueiredo, anunciou o plano em setembro para evitar desequilíbrio de forças entre as tecnologias estrangeiras que disputam o projeto. Mas os planos mudaram devido à dificuldade de formar outros consórcios que garantam a disputa na licitação. Até sexta-feira só um grupo, o liderado por empresas da Coréia do Sul, havia sido formado e diz que apresentará proposta no leilão do dia 29. Ao menos 15 empresas já procuraram escritórios de advocacia e consultorias demonstrando interesse no leilão. Mas, a menos de uma semana do prazo para a entrega das propostas, não foram fechadas novas parcerias. Na quinta-feira, 20 empreiteiras pediram formalmente o adiamento do leilão. O grupo negocia com chineses e espanhóis e ainda aguarda resposta dos detentores da tecnologia para saber se aceitam entrar no projeto.

Grêmio renova contrato do técnico Renato Portaluppi

A nova diretoria do Grêmio anunciou na sexta-feira que o contrato do treinador Renato Portaluppi será renovado. O acordo não terá multa rescisória e a sua duração não foi determinada. Segundo o presidente eleito Paulo Odone, a idéia é utilizar o técnico como um garoto propaganda. Ele disse esperar que Renato ainda seja o treinador da equipe na inauguração da Arena Gremista, prevista para 2012. "Embora o contrato não tenha prazo, queremos que dure no mínimo dois anos, para ter o Renato como treinador em 2012, para inaugurar a Arena. Talvez caia no mesmo dia em que o Grêmio ganhou seu título Mundial de 83, em 11 de dezembro", falou Paulo Odone.

Exportador de couro brasileiro vai demitir 650 funcionários

Um dos maiores exportadores de couro do Brasil, o curtume Vitapelli, deve demitir nos próximos dias cerca de 650 funcionários. Até agora, 320 trabalhadores foram dispensados e a previsão é que outros 330 sejam dispensados. De acordo com o curtume, localizado em Presidente Prudente (a 558 quilômetros de São Paulo), as demissões foram motivadas pela queda na produção acarretada pela pressão do câmbio, entre outros fatores. "A empresa relutou ao máximo para evitar as demissões, mas foi obrigada a reduzir a produção, por conta da política cambial, crise mundial e principalmente pelos créditos fiscais decorrentes da exportação retidos pelos governos estadual e federal", disse a empresa por meio de nota oficial. Ainda segundo a empresa, a maior parte dos trabalhadores demitidos é de sete cidades da região de Presidente Prudente: Presidente Bernardes, Alfredo Marcondes, Martinópolis, Regente Feijó, Pirapozinho, Narandiba e Tarabai. "A parceria com essas cidades será desfeita e os ônibus serão suspensos", disse a empresa Vitapelli. Com as demissões, o curtume passará de um quadro de 2.200 funcionários para cerca de 1.500.

Carlos Lupi diz que PDT reivindica Ministério do Trabalho

O ministro Carlos Lupi afirmou que seu partido, o PDT, reivindica a manutenção do ministério do Trabalho no governo Dilma Rousseff. "Ela tem toda a liberdade de escolher quem ela quer, no momento que achar conveniente. Cabe aos partidos reivindicar. Isso faz parte do processo político", afirmou. Lupi disse ainda que, se receber o convite de Dilma para permanecer à frente da pasta, aceitará "com prazer". As declarações foram feitas após o anúncio dos dados de emprego e desemprego de outubro. No governo Lula, o Ministério do Trabalho e Emprego está na cota do PDT desde 2007.

Londres deve lançar novo ônibus de dois andares em 2012 e ampliar metrô

A estação de metrô e trem de Stratford é a que servirá o Parque Olímpico de Londres em 2012, portanto o plano do governo é que ela seja especialmente renovada até lá. Para chegar lá, que fica do lado leste da cidade, estão em construção extensões das linhas de metrô das regiões norte e sul para chegar direto ao leste. Deste modo, não seria preciso sempre passar pelo centro de Londres no caminho. Em 2012, também deve ser lançado um novo modelo do tradicional ônibus de dois andares inglês. Segundo o governo, ele será mais sustentável, acessível e climatizado. Há alguns anos, um modelo de dois andares antigo, com estrutura aberta por cima, foi aposentado, mas o modelo fechado continua em circulação. Como "maneira de promover a saúde e a sustentabilidade em Londres", um sistema público de aluguel de bicicletas começou neste ano na região central da cidade, como ocorre em São Paulo. O sistema possui 6.000 bicicletas e 400 pontos de aluguel. Mais de 1 milhão de viagens foram registradas nas primeiras dez semanas de seu funcionamento.

Presidente do PT diz que "caiu a máscara da oposição"

O presidente do PT, José Eduardo Dutra, afirmou, na sexta-feira ue o projeto do seu partido e do PSDB foram colocados de forma clara na disputa eleitoral e que "caiu a máscara" da oposição no segundo turno. José Eduardo Dutra falou em evento ao lado da presidenta eleita, Dilma Rousseff, durante reunião do Diretório Nacional do PT, em Brasília. Segundo ele, o segundo turno mostrou o confronto de projetos e concepções de País, "profundamente diferentes", entre Dilma e seu adversário José Serra (PSDB). José Eduardo Dutra declarou ainda que houve "uma certa perplexidade" e decepção com o fato de Dilma não ter saído vitoriosa já no primeiro turno, como chegaram a prever alguns institutos de pesquisa.

Brasil se abstém em resolução contra apedrejamento e violações de direitos humnos no Irã

A diplomacia brasileira, por orientação do presidente Lula, se absteve de apoiar uma resolução da Organização das Nações Unidas (ONU) que pede o fim do apedrejamento no Irã e o condena como forma de punição. A resolução ainda condena a república fascista islâmica por "graves violações de direitos humanos" e por silenciar jornalistas, blogueiros e opositores. A votação da resolução ocorreu na noite da quinta-feira, em Nova York. A ditadura iraniana acusou a ONU de estar "politizando a questão do apedrejamento". Votaram ainda contra a proposta países como Venezuela, Síria, Sudão, Cuba, Bolívia e Líbia. Esses paises exemplares foram os companheiros do Brasil lulopetista e dilmista nessa posição completamente canalha. A resolução foi aprovada com o apoio de 80 países, entre eles um dos membros do Mercosul, a Argentina, além de todos os países europeus, mais Estados Unidos, Canadá, Chile e Japão. A resolução condena "a tortura, a alta incidência de aplicação de pena de morte, inclusive contra pessoas menores de 18 anos, a violência contra a mulher e a perseguição contra minorias étnicas no Irã". Ao defender a proposta, o representante canadense, John McNee, afirmou que "apedrejamentos, chibatadas, amputações, execuções de adolescentes, execuções por estrangulamento e discriminação contra mulheres e minorias não podem ser ignorados". Neste ano, o caso da iraniana Sakineh Ashtiani, acusada de adultério e de ser coautora do assassinato de seu marido, ganhou repercussão mundial. Sakineh foi condenada à morte por apedrejamento pelo primeiro crime e por enforcamento pelo segundo. Não se sabe se o julgamento está concluído nem quando a pena imposta a Sakineh, presa desde 2006, pode ser implementada. Para o canadense, desde o ano passado houve uma "lamentável" deterioração na habilidade do governo do Irã de garantir os direitos humanos de seu povo, apesar de repetidos apelos da comunidade internacional. A resolução foi aprovada por 80 votos a 44, com 57 abstenções, e deve ser adotada pela Assembleia Geral da ONU a partir do próximo mês. O Itamaraty na era lulista virou uma casa de patifarias que desonra a cidadania brasileira.

Mensaleiro José Dirceu afirma que PT e PMDB estão condenados a governar unidos

O ex-ministro e mensaleiro José Dirceu afirmou na manhã de sexta-feira que PT e PMDB estão "condenados" a governar unidos e têm a responsabilidade pela "governabilidade do País". Ele participou da reunião do Diretório Nacional do PT, em Brasília. O encontro festivo teve a presença da presidente eleita Dilma Rousseff. O mensaleiro José Dirceu, assim como outras chefias petistas, tentaram apaziguar, nas falas durante o encontro, desavenças entre parlamentares dos partidos causada pelo anúncio de um blocão em torno do PMDB, com PP, PR, PTB e PSC. "O PT e o PMDB estão condenados a se entenderem e a governarem juntos, com outros partidos que apoiaram a presidente Dilma", afirmou o mensaleiro. Questionado se a eleita será refém do PMDB, o ex-ministro, cassado por corrupção na esteira do escândalo do Mensalão do PT, disse que Dilma Rousseff será apenas "refém do eleitorado dela".

Professor diz que Dilma Rousseff errou ao omitir processo da ditadura militar

Álvaro Bianchi, diretor do Arquivo  Edgard Leuenroth e professor do Departamento de Ciência Política do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp, afirmou que a presidente eleita Dilma Rousseff errou ao evitar durante a campanha eleitoral discutir o processo que a levou à prisão durante o regime militar. Ele ressaltou que o teor da ação, cujo acesso foi liberado esta semana pelo Superior Tribunal Militar, está disponível na unidade de pesquisa da universidade a qualquer cidadão. A participação da estudante e, posteriormente, economista, nas organizações clandestinas terroristas Comando de Libertação Nacional (Colina) e Vanguarda Armada Revolucionária (VAR-Palmares), é citada em três processos guardadas no arquivo da Unicamp. Bianchi criticou o comportamento da presidente eleita durante a campanha em relação ao tema: "É como se a história tivesse desaparecido. Do ponto de vista eleitoral, não se pode dizer que tenha sido um erro. Não sei também se foi um acerto, não há como medir. Mas do ponto de vista da política é claro que foi um erro porque Dilma ajudou a baixar o nível da discussão política. Essa atitude de Dilma, particularmente, foi ao meu ver uma atitude grave". De acordo com ele, ao desviar de questões sobre direitos humanos durante a campanha, ela contribuiu para elevar o conservadorismo da sociedade brasileira: "Por um lado, pelo fato de recusar-se a discutir a história do País e a violação dos direitos humanos ocorrida durante a ditadura militar, Dilma poderia ser um importante apoio para esta discussão, e ela não o fez", argumentou. Não há motivos, segundo o professor, para a esquiva da presidente eleita na abordagem dessa parte de seu passado. Está nos autos: Dilma Vana Rousseff Linhares foi presa, segundo documentos de processo acessível no AEL, em 16 de janeiro de 1970, na Rua Augusta, em São Paulo. Há registros de que em sua residência foram apreendidos "materiais para falsificação, panfletos, livros subversivos e uma infinidade de comprovantes de sua atuação". Os documentos não trazem, porém, registros de apreensão de armas em posse de Dilma, embora citem o vaivém de armamento entre integrantes das organizações clandestinas contra a ditadura. "O que precisa ser lembrado é que o confronto era desproporcional. Um pequeno número de pessoas enfrentando um aparelho estatal todo-poderoso", observou Álvaro Bianchi. No processo, a estudante Dilma teria dito que ouviu falar da realização de uma "grande ação". Segundo os registros, tal ação seria "aquela executada na residência de Ana Capriglione (ex-secretária do governador Adhemar de Barros)", uma referência ao assalto na casa da amante do político. Em depoimento de 26 de janeiro daquele ano, assinado por Dilma, o Departamento de Ordem Política e Social (Dops) indica que ela disse saber de quatro ações do Colina, três assaltos a banco e um atentado a bomba, mas não ter condições de descrever as cenas que se desenrolaram nessas ações nem seus participantes. Ainda conforme o depoimento, ela e o marido não tiveram parte ativa nessas ações. "E a veracidade desses relatos deve ser colocada em questão", afirma Bianchi, argumentando que muitos dos depoimentos registrados naquela época eram resultado de tortura. Dilma afirma, em depoimento de 17 de novembro de 1970, na Justiça Militar, não ter cometido a infração que lhe era imputada, não conhecer as testemunhas arroladas e nada ter a alegar contra elas, além de não conhecer as provas apuradas. "Os depoimentos prestados pela depoente, no inquérito, foram obtidos mediante coação física, moral e psicológica", ressalta Bianchi. Os inquisidores não conseguiram vincular diretamente Dilma a ações como expropriações ou atentados. Embora tenha sido chamada no inquérito de 30 de janeiro de 1970 sobre a VAR-Palmares de "Joana D"Arc" da subversão e fosse apontada como membro do Colina que "chefiou greves, assessorou assaltos a bancos", seus acusadores afirmaram: "Não há como especificar sua ação, pois tudo o que foi feito no setor teve a sua atuação direta. Praticamente foi organizadora e distribuidora de funções".

Advogado deixa caso após vídeo de agressão

Os cinco jovens de classe média que espancaram três pessoas na Avenida Paulista, região central, no domingo dia 13, poderão responder por tentativa de homicídio, crime mais grave que lesão corporal, pelo qual já são acusados. Uma testemunha disse na quinta-feira à polícia paulista que uma das vítimas foi agredida até perder os sentidos porque, na opinião dos agressores, seria homossexual. O advogado de um dos acusados, de 16 anos, abandonou o caso. "A agressão foi de graça, sem motivo. Acho que o rapaz poderia até ter morrido", disse o segurança Rafael Fernandes, após prestar depoimento no 5° Distrito Policial (Aclimação), onde o caso é investigado. "Perguntei para um dos agressores porque estava fazendo aquilo. Ele respondeu bem seco: 'Porque ele é "viado", afirmou a testemunha. Fernandes presenciou o ataque ao estudante L., de 23 anos, por volta das 6h30. "Você tem um sujeito desmaiado, ensanguentado, sem esboçar reação, sendo agredido por cinco pessoas que têm esclarecimento sociocultural razoável... Na minha opinião, se eles não quiseram matar, eles assumiram o risco", avaliou o delegado Renato Felisoni, do 5° DP. O policial entende que o depoimento e as imagens que mostram a agressão seriam suficientes para sustentar a mudança do crime para tentativa de homicídio. Após ver as imagens do crime, divulgadas na quinta-feira pel o SBT, o advogado Orlando Machado, que defendia o jovem de 16 anos, decidiu abandonar o caso, pois entendeu que o garoto mentiu para ele. "Não me sinto à vontade para continuar. Perdi a confiabilidade. Os jovens disseram uma coisa para mim, para seus pais e para os outros advogados que estavam na delegacia domingo, mas as imagens mostram outra coisa", afirmou Orlando Machado.

Justiça de São Paulo proíbe livro de contos para estudantes

Depois de o Conselho Nacional de Educação recomendar que o livro "Caçadas de Pedrinho", de Monteiro Lobato, não seja distribuído às escolas públicas por ser considerado racista, o Tribunal de Justiça de São Paulo proibiu que a obra "Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século" continue sendo entregue a alunos da rede estadual paulista. De acordo com a decisão, em caráter liminar, a obra contém "elevado conteúdo sexual, com descrições de atos obscenos, erotismo e referência a incesto". A obra faz parte de um programa da Secretaria de Educação de São Paulo que distribui livros para alunos da rede. O projeto destina-se a estudantes dos últimos anos do ensino Fundamental e Médio. O livro reúne contos de autores brasileiros publicados a partir de 1900, entre eles Machado de Assis, João do Rio, Lima Barreto, Carlos Drummond de Andrade e Clarice Lispector. A principal motivação para o tribunal vetar a obra seria o texto "Obscenidades para uma Dona de Casa", de Ignácio Loyola Brandão, que conta a história de uma mulher casada que recebe cartas anônimas de um homem. A gurizada está fazendo nenê adoidada e os meritíssimos estão preocupados com a inocência da meninada. Vê se pode....

Dilma se mete em disputa por apartamento do Senado

Mesmo envolvida com as difíceis costuras políticas da transição, a presidente eleita, Dilma Rousseff, encontra tempo para ajudar amigos. O conflito PT- PMDB igualmente não lhe tirou o sono a ponto de impedir que passasse a mão no telefone para inverter os papéis e fazer também um pedido político. Foi o que fez junto ao presidente do Senado, José Sarney, para que intercedesse na administração da Casa em favor do ex-governador do Amazonas e senador eleito Eduardo Braga, em uma disputa por imóvel funcional.  Na verdade, nem disputa era: o imóvel, que foi ocupado pelo senador João Tenório, suplente do governador de Alagoas, Teotônio Vilela, já estava reservado ao senador Demóstenes Torres (DEM-GO) que, no exercício do mandato, tem a preferência, segundo as regras da Casa. Braga tentou todos os meios para tirar o apartamento de Demóstenes. Conseguiu até a intervenção da presidente eleita. Antes, tentou a ajuda de um ministro do Superior Tribunal de Justiça, amigo do senador democrata, que não se mostrou tão solícito quanto Dilma. Ela parece não ter a noção da exata importância do papel de presidente da República.

Silvio Santos decide mudar sede de grupo para o SBT

Para ficar mais perto do comando de seu grupo após a fraude no Banco PanAmericano, Silvio Santos mudará a administração de suas empresas para o Complexo Anhanguera, sede do SBT. Para cobrir um rombo na instituição, Silvio teve de dar todas as suas empresas como garantia de um empréstimo de R$ 2,5 bilhões do Fundo Garantidor de Créditos. Essa foi a primeira decisão importante depois que Luiz Sandoval pediu demissão, na quinta-feira, da presidência do Grupo Silvio Santos, que reúne 44 empresas. Sandoval foi substituído por Guilherme Stoliar, sobrinho e homem de confiança do apresentador. A mudança de endereço da sede do grupo e a nomeação de Stoliar são vistos como sinal de que Silvio deverá priorizar o SBT na administração da crise. Stoliar era diretor-executivo do SBT e um dos grandes defensores da concentração da holding no complexo. O Grupo Silvio Santos, acionista principal do PanAmericano, anunciou que colocará R$ 2,5 bilhões no banco para cobrir um prejuízo causado por uma fraude contábil. Em seu comunicado oficial, a diretoria do banco menciona "inconsistências contábeis". O dinheiro virá de empréstimo do Fundo Garantidor de Créditos.

Operação no Mato Grosso desarticula grupo que fraudava licitações no Estado

A Polícia Federal de Mato Grosso deflagrou uma operação para desarticular um suposto "cartel" que operava fraudes em processos de licitação e na execução de obras em prefeituras da região do Araguaia (leste de Mato Grosso). A operação, batizada de Atlântida, cumpriu 26 mandados de prisão temporária e 35 mandados de busca e apreensão expedidos pela 3ª Vara da Justiça Federal, que decretou ainda o sequestro dos bens dos 26 suspeitos de participação no esquema. A ação do grupo, segundo levantamento da Controladoria Geral da União, causou prejuízo superior a R$ 38 milhões em obras de pavimentação financiadas com recursos federais. "Foi constatada a existência de um verdadeiro cartel em licitações, havendo conluio e combinação prévia entre os licitantes, direcionamento dos certames, supressão de propostas, rodízio e subcontratação", disse a Polícia Federal. A Polícia Federal investiga crimes de peculato, corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha, fraude em licitação, falsidade ideológica e advocacia administrativa.

Terroristas do PSOL espancam estudantes na UFRGS

Inconformados com a ampliação do colégio eleitoral por força da votação eletrônica, duas dezenas de terroristas do PSOL agrediram fisicamente os membros da Comissão Eleitoral que coordena as eleições para o DCE da Ufrgs (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Estão registradas quatro chapas: uma do PSOL, uma do PT e duas independentes. A atual direção, que derrotou pela primeira vez em 40 anos os esquerdopatas, tentou realizar a votação pela Internet, mas o PSOL queria manter a votação em urnas de lona. A Reitoria acabou impondo a utilização de urnas eletrônicas, o que terminou aceito pela atual direção do DCE. O presidente da Comissão Eleitoral, Adrio de Oliveira Dias, foi espancado pelos terroristas do PSOL e foi a exame no IML. O incidente ocorreu na saída da Reitoria.