domingo, 29 de agosto de 2010

Dissidência cubana denuncia prisão de oito opositores

Dissidentes cubanos denunciaram neste domingo a prisão de oito opositores, sendo três em Havana e cinco em Guantánamo, que já estavam detidos sem qualquer processo judicial. Segundo a dissidência, Luis Labrador, Eduardo Pérez e Michel Rodríguez, membros do ilegal Partido Cuba Independente e Democrática, foram detidos no dia 16 de agosto, após um protesto nas escadas da Universidade de Havana. Dois dos dissidentes estavam presos em Havana, e o terceiro em um centro penitenciário de Matanzas, a 100 quilômetros da capital. Os três são acusados de "escândalo público", revelou Sarah Marta Fonseca, detida com o grupo e libertada posteriormente. Já o ativista de direitos humanos Elizardo Sánchez disse que outros cinco opositores foram detidos no dia 12 de agosto, após uma reunião política em uma residência de Guantánamo. Os detidos são os irmãos Ernesto e Rolando Rodríguez Lobaina, Francisco Manzanet, Roberto González e Enyor Díaz, todos levados a uma prisão da província. Cuba é uma feroz ditadura comandada há 51 anos pela dinastia facínora dos irmãos Castro (Fidel e Raul).

Procuradora dá parecer contra Roseana Sarney

A vice-procuradora Geral Eleitoral da República, Sandra Cureau, encaminhou parecer ao Tribunal Superior Eleitoral favorável à ação de impugnação à candidatura de Roseana Sarney e pede que a Corte indefira o registro por considerar a candidata ficha-suja. A ação foi proposta por Aderson Lago perante o Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão, que absolveu Roseana Sarney e deferiu a sua candidatura. Lago, que é candidato a deputado estadual, interpôs recurso ao Tribunal Superior Eleitoral. A coligação de Roseana Sarney ainda entrou com um incidente processual perante o Tribunal Regional Eleitoral pedindo a prisão de Aderson Lago por ter impugnado a candidatura. O Tribunal Regional Eleitoral rejeitou esse pedido da coligação, mas o processo só chegou ao Tribunal Superior Eleitoral na última sexta-feira.

Ibope mostra empate técnico entre Angela e Colombo em Santa Catarina

A mais nova pesquisa Ibope para a disputa do governo catarinense, realizada entre os dias 24 e 26 de agosto, mostra o crescimento do candidato Raimundo Colombo (DEM), que aparece em situação de empate técnico com Angela Amin (PP). Angela continua liderando a preferência do eleitorado, com 31% (38% no dia 7/8), mas Colombo, agora, aparece encostado na pepista, com 27% (23%). Ideli Salvatti (PT) permanece inalterada na terceira posição, com 16% (15%), enquanto o número de indecisos cresceu, passando de 12% para 18%. Na projeção de segundo turno entre Angela e Colombo, a ex-prefeita mantém a liderança, mas o senador também diminuiu a diferença em relação à pesquisa publicada no dia 8 de agosto. A pesquisa ainda apresenta o índice de rejeição dos candidatos. Angela tem a maior rejeição (17%), seguida por Ideli (13%). Colombo aparece com apenas 8%. Já na disputa para o senado, na pesquisa estimulada, o ex-governador Luiz Henrique (PMDB) é apontado por 45% dos entrevistados, enquanto Paulo Bauer (PSDB) é citado por 22%. No levantamento, Cláudio Vignatti (PT) e Hugo Biehl (PP) aparecem em empate técnico, com 16% e 13%.

Gilmar Mendes diz que quebra de sigilo é fruto de "banditismo"

Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal, afirmou que a quebra de sigilo fiscal de pessoas vinculadas a tucanos é fruto de "banditismo político" e revela "paradigmas selvagens da política sindical". Ele disse que "o servidor público não pode usar button", numa referência àqueles que usam o cargo em benefício de seus partidos. Gilmar Mendes criticou o aparelhamento político do serviço público brasileiro, ao dizer que se trata de "uma anomalia que se normalizou": "Os funcionários públicos precisam entender que não estão a serviço de uma instituição partidária". Segundo ele, o episódio do vazamento da Receita Federal é algo típico de "partidos clandestinos que utilizavam dessas práticas como um instrumento de defesa contra um regime ditatorial". Comentou Gilmar Mendes: "Esse vazamento de informações sigilosas da Receita Federal é algo assustador e lamentável. Sobretudo quando ocorre em uma instituição profissionalizada e profissional como a Receita Federal. O aparelhamento de instituições é algo grave e nocivo ao serviço público do País. Os funcionários públicos precisam entender que não estão a serviço de uma instituição partidária. Quando fazem isso, estão descumprindo o princípio democrático". Gilmar Mendes assegura que "é preciso punir gravemente essa cultura de dossiês no País": "Os partidos que se utilizaram disso têm que pedir desculpa. Têm que fazer um mea culpa. Porque isso é típico de partido da clandestinidade e não pode ocorrer em um regime democrático". Gilmar Mendes atribui também o "aparelhamento" partidário do Estado à atuação sindicaleira: "A cultura do vale-tudo da política sindical também pode estar ligada a tudo o que vem acontecendo. Não se pode transpor ao mundo político institucional os paradigmas selvagens da política sindical. Também vejo isso como outra fase do patrimonialismo. Aqueles que estão no poder acham que podem fazer tudo por estarem lá".

Dilma chama de "factóides" especulações sobre nomes para seu próximo governo

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, classificou neste domingo de "factóides" as especulações sobre nomes que poderão integrar um eventual governo petista. Ao desautorizar a pressão de aliados por cargos, a petista disse que não considera "correto" discutir o assunto antes das eleições. "Qualquer discussão de nome da minha parte, da minha campanha, é factóide. Eu desautorizo todas as especulações sobre quem quer se seja, ocupar qualquer cargo que seja porque nós não achamos isso politicamente correto, eticamente correto. É colocar o carro na frente dos bois", disse ela. Dilma disse que seria uma "pretensão" discutir governo durante a campanha e negou ter sido procurada por aliados que já disputam fatias de seu próximo governo, embora nos bastidores os partidos que apóiam o PT já falem abertamente na divisão de cargos. "Nunca falaram para mim. Tenho de dizer com a maior sinceridade. Não chegou nenhum partido político da minha base para colocar uma questão dessas na mesa. Até agora, para mim, essa questão só chegou através da imprensa", afirmou ela. A candidata também negou haver disputa dentro de sua coordenação de campanha por espaço em um possível governo petista, especialmente entre os ex-ministros Antônio Palocci e José Dirceu: "Eu acho isso um factóide. A campanha, a coordenação da campanha, nenhum de nós autoriza isso".

Tasso Jereissati lidera pesquisa pelo Senado no Ceará

O tucano Tasso Jereissati, candidato à reeleição, lidera a disputa pelas duas vagas ao Senado pelo Ceará, segundo pesquisa Datafolha divulgada no sábado. Tasso Jereissati têm 52% das intenções de voto. O deputado federal Eunício Oliveira (PMDB) aparece em segundo lugar, com 31%, e o ex-ministro da Previdência, José Pimentel (PT) em terceiro, com 27%. Os dois integram a coligação encabeçada pelo governador Cid Gomes (PSB) e estão tecnicamente empatados, já que a margem de erro da pesquisa é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Serra diz que Dilma não "define" posições sobre questões polêmicas

O candidato do PSDB à Presidência, José Serra, disse em Cascavel (PR) que a candidata petista Dilma Rousseff não "define" posições sobre questões polêmicas, como o aborto. Questionado sobre o passado de Dilma, Serra se disse preocupado com o ela "pensa hoje". "Sou sincero, me preocupa muito mais a Dilma de hoje que seu passado. Ora ela fala a favor do aborto, ora não se define. Ora prega a liberdade de imprensa, e sua campanha faz jogo sujo. Não consigo entender qual o projeto de Brasil dela, o que ele pensa sobre a agricultura, por exemplo", falou. Dilma havia dito durante a semana ser "pessoalmente" contra o aborto, mas que, se for eleita, tratará o tema como "caso de saúde pública". Serra também voltou a falar sobre o caso da quebra de sigilo na Receita Federal. Segundo ele, o episódio "tem uma dimensão muito maior do que parece".

Dilma se diz disposta a "estender a mão" a Serra

Com a possibilidade de vencer a corrida presidencial no primeiro turno, a candidata Dilma Rousseff (PT) disse na noite de sexta-feira estar disposta a "estender a mão" ao seu adversário José Serra (PSDB) para que o tucano partilhe seu futuro governo. A petista negou estar de "salto alto" com a dianteira nas pesquisas, mas disse que pretende governar "para todos", inclusive a oposição. "A gente desarma o palanque e estende a mão para quem for pessoa de boa vontade e quiser partilhar desse processo de transformação. Eu não sei se Serra quer. Se ele quiser, perfeitamente, estendo a mão". Dilma prometeu dialogar com a oposição se for eleita: "Pode ficar sem estender a mão como oposição, numa boa, e vai ter dinheiro". A petista rebateu declarações da candidata Marina Silva (PV) de que o segundo turno nas eleições presidenciais fortalece a democracia brasileira: "Não é possível a gente ser casuístico. A democracia sai fortalecida se tiver primeiro turno e se tiver segundo turno". Sobre o vazamento de dados fiscais na Receita Federal de quatro pessoas ligadas ao PSDB, Dilma disse acreditar em ações de corrupção dentro da instituição: "Em qualquer esfera pode haver casos de corrupção, tudo aponta para isso. A gente tem que apostar no fortalecimento das instituições". Dilma passou o sábado descansando em Brasília, sem compromissos públicos.

Hélio Costa pede que mineiros desconfiem de pesquisas

O senador Hélio Costa (PMDB), candidato ao governo de Minas Gerais, disse que os eleitores do Estado devem "mineiramente" desconfiar das pesquisas eleitorais. A recomendação foi feita por meio de nota após a divulgação de uma pesquisa Ibope em que ele aparece em empate técnico com o tucano Antônio Anastasia (PSDB), que tenta a reeleição. É a primeira vez que o peemedebista aparece atrás do governador nas pesquisas. De acordo com a pesquisa Ibope divulgada no sábado, Antonio Anastasia subiu oito pontos percentuais em relação ao levantamento anterior (feito entre 18 e 20 de agosto) e tem 35% das intenções de voto. Hélio Costa, que tinha 38%, agora aparece com 33%.

Internacional anuncia a venda do Estádio dos Eucaliptos

Parte da história das Copas do Mundo, o Estádio dos Eucaliptos, inaugurado em 1931, teve sua venda anunciada no sábado pelo Internacional. De acordo com o presidente do Inter, Vitorio Píffero, o dinheiro obtido na negociação servirá para auxiliar na reforma do Beira-Rio rumo ao Mundial de 2014. "Este é um momento histórico. Há mais de 30 anos a venda dos Eucaliptos era projetada. O valor mínimo da proposta de venda era de R$ 20 milhões, e posso dizer que o valor alcançado atende às expectativas do clube. Ele viabiliza o início das obras de modernização do Beira-Rio que prevíamos", declarou o dirigente colorado. Em 1950, o Eucaliptos recebeu duas partidas da Copa do Mundo e não deu sorte aos mexicanos, que perderam para Iugoslávia (4 a 1) e Suíça (2 a 1). O comprador do quarteirão onde está o Estádio dos Eucaliptos é a construtora Melnick Even.

Serra promete continuidade de programas de Lula e Dilma ressalta Bolsa Família

Mostrando uma idéia já trabalhada pela campanha da candidata, o programa eleitoral de Dilma Rousseff (PT) na televisão defende o Bolsa Família não apenas como um programa assistencialista, mas como um projeto que funciona a longo prazo. O programa mostrou exemplos de pessoas que utilizaram os recursos do Bolsa Família, mas que paravam de usar, pois já não precisavam mais. Além de mostrar a biografia política da candidata, a campanha ainda se prende na imagem de Lula enquanto o apresentador afirma que "uma coisa leva a outra". No caso do programa do candidato do PSDB, são destacados projetos que José Serra deu continuidade embora não fossem seus. Imagens de rodovias e hospitais em obras são exibidas enquanto o narrador critica os projetos inacabados de Dilma, ressaltando algumas obras do PAC. Usando como exemplo os mutirões da saúde, o candidato se questiona porque os programas que ele criou não foram levados para frente. Serra aparece falando que "não importa quem começou, não vou parar nada que esteja andando". Com o tipo de programa que tem, José Serra poderia economizar dinheiro e parar a campanha.

Pesquisa Ibope dá 24 pontos de vantagem para Dilma sobre Serra

Pesquisa Ibope divulgada no sábado mostra que a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, abriu 24 pontos de vantagem sobre José Serra, candidato do PSDB. A petista tem 51% das intenções de voto contra 27% do tucano. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. No último levantamento, os índices eram de 43% e 32%, respectivamente. A enquete anterior foi feita antes do início do horário eleitoral na TV e no rádio. A vantagem de 24 pontos, portanto, reflete os dez dias de exposição dos candidatos nos meios eletrônicos. A candidata do PV, Marina Silva, caiu para 7%, ante os 8% averiguados na última pesquisa. Somados, todos os adversários de Dilma tem 35% das intenções de voto, 16 pontos percentuais a menos do que ela. Se a eleição fosse hoje, a ex-ministra venceria no primeiro turno com 59% dos votos válidos. A performance de Dilma já pode ser comparada à do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na campanha de 2006. Na época, no primeiro turno, Lula teve 59% dos votos válidos como teto nas pesquisas. A candidata petista passou Serra em São Paulo, Estado que o tucano governou até o início do ano. Entre os paulistas, 42% declararam voto em Dilma, e 35% em Serra. Em Minas Gerais, a ex-ministra tem o dobro de votos do adversário: 51% contra 25%. São Paulo e Minas Gerais são os dois maiores colégios eleitorais do País. No Rio de Janeiro a pesquisa mostra um cenário ainda pior para a campanha tucana. Dilma abriu 41 pontos de vantagem: 57% a 16%. No Nordeste, a petista tem mais do que o triplo de intenções de voto, chegando a 66% contra 20% de Serra. No Sudeste, vence por 44% a 30%, e no combinado Norte/Centro-Oeste, por 56% a 24%. No Sul, há um empate técnico: 40% a 35%, com vantagem para Dilma. É a única região onde a margem de erro é de 5 pontos percentuais. Na comparação com o último levantamento, a petista subiu cinco pontos, e Serra caiu nove. Entre os eleitores que têm renda familiar de até um salário mínimo, 58% manifestam a intenção de votar em Dilma, e 22% em Serra. Há um empate no eleitorado com renda superior a cinco salários: a ex-ministra tem 39%, e o ex-governador, 38%. A taxa de rejeição à candidata petista caiu dois pontos e ficou na casa dos 17%. Já em relação a Serra, 27% dos entrevistados afirmaram que não votariam nele. Segundo o Ibope, 88% sabem que Dilma é a candidata de Lula. É a mais cabal e completa prova da falta de apetência da oposição para fazer oposição, o papel que o eleitorado havia dado a ela. Se Serra insiste em dizer que está tudo bem no governo Lula, então o eleitor não tem mesmo motivo para votar nele. E isso que José Serra se considera um político preparado. Imagine os despreparados, que são a grande maioria. A perspectiva para o Brasil é um adesismo nunca visto antes ao status quo petista.

Roberto Requião e Gleisi Hoffman consolidam dianteira na disputa pelo Senado no Paraná

O ex-governador paranaense Roberto Requião (PMDB) continua na liderança na disputa para o Senado pelo Paraná, mas sua vantagem em relação à segunda colocada caiu de 18 para 11 pontos após o início do horário eleitoral. Segundo pesquisa Datafolha feita nos dias 23 e 24, Requião oscilou negativamente um ponto e tem 48% das intenções de voto. Gleisi Hoffman (PT) continua sua rota ascendente e agora aparece com 37% (eram 28% em julho e 31% na pesquisa de 9 a 12 de agosto). Em terceiro lugar estão empatados Roberto Barros (PP) e Gustavo Fruet (PSDB), com 16% cada um (tinham 15% e 13%, respectivamente).

Datafolha confirma Aécio e Itamar na liderança pelo Senado em Minas Gerais

Aécio Neves (PSDB) é o candidato mais bem votado entre todos pesquisados pelo Datafolha e agora lidera a disputa por uma das vagas ao Senado de Minas Gerais com 70% das intenções de voto (ele tinha 68% no levantamento anterior). Segundo Pesquisa Datafolha feita nos dias 23 e 24, em segundo lugar está Itamar Franco (PPS), com 44% (tinha 47%). Fernando Pimentel (PT) subiu cinco pontos e agora tem 25%.

Cai a vantagem de Crivella na disputa pelo Senado no Rio de Janeiro

A vantagem do senador Marcelo Crivella (PRB) na disputa por uma das vagas ao Senado pelo Rio de Janeiro caiu ainda mais após o início do horário eleitoral. Segundo pesquisa Datafolha feita nos dias 23 e 24, Crivella, que tinha 42% das intenções de voto em julho, passou para 40% e, agora, aparece com 37%. Crivella está cinco pontos à frente do ex-prefeito Cesar Maia (DEM), que aparece em segundo lugar, com 32% (tinha 33%).

Netinho empata com Quércia em São Paulo na pesquisa Datafolha

O cantor, apresentador e vereador Netinho de Paula (PCdoB) subiu sete pontos desde o início do horário eleitoral e já está empatado tecnicamente em segundo lugar com Orestes Quércia (PMDB) na disputa por uma vaga de senador por São Paulo. Segundo pesquisa Datafolha realizada nos dias 23 e 24, Netinho passou de 17% para 24% de intenção de voto, enquanto Quércia oscilou de 25% para 26%. A margem de erro é de dois pontos. Marta Suplicy (PT) manteve o mesmo patamar de 32% e continua liderando a disputa paulista. O senador Romeu Tuma (PTB), que tenta a reeleição, caiu para a quarta posição, com 16% (tinha 23%). Ciro Moura (PTC) aparece em quinto, com 13%, e Aloysio Nunes Ferreira (PSDB) cresceu quatro pontos e chegou à sexta posição, com 9%. Mais atrás estão Moacyr Franco (PSL), com 7%, Ana Luiza (PSTU), com 4%. As mulheres amam o "comunista" Netinho, principalmente a sua ex-mulher.... Mas.... o eleitorado paulista sempre gostou de um pouco de extravagância. Foi assim quando elegeu Cacareco, Clodovil, Jânio Quadros e, agora.... também deverá eleger Tiririca.

Vídeo mostra Sérgio Cabral com milícia

Um vídeo divulgado na quinta-feira na internet por adversários mostra o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), candidato à reeleição, ao lado de homens que hoje cumprem pena em penitenciária de segurança máxima. Nas imagens, Sérgio Cabral aparece durante inauguração de obra confraternizando com líderes da milícia Liga da Justiça, principal grupo paramilitar que atua na zona oeste do Rio de Janeiro. O material, gravado no dia 1º de agosto de 2007, apresenta o governador em palanque na favela 1º de Abril, em Paciência, discursando junto aos então vereador Jerônimo Guimarães, o Jerominho (PMDB), e deputado estadual Natalino Guimarães (ex-DEM) durante inauguração de rede de abastecimento de água da região. Os dois foram presos, posteriormente, e cumprem pena de 10 anos e meio por formação de quadrilha na Penitenciária de Segurança Máxima Especial de Campo Grande (MS). O vídeo mostra ainda imagens da campanha do peemedebista ao governo do Rio de Janeiro em 2006 ao lado dos dois líderes da milícia. Quatro meses após a gravação, a Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu Jerominho por formação de quadrilha. Natalino foi preso em flagrante em julho de 2008 depois de trocar tiros com policiais que investigavam a atuação da milícia.

Datafolha mostra disputa equilibrada para o Senado no Rio Grande do Sul

A pesquisa Datafolha para o Senado no Rio Grande do Sul mostra que a disputa está tecnicamente empatada. Ana Amélia Lemos (PP) tem 44% das intenções de voto, Germano Rigotto (PMDB) aparece com 42% e Paulo Paim (PT), com 38%. Considerando a margem de erro de três pontos percentuais, para mais ou para menos, os três têm as mesmas chances de conquistar uma vaga. Ana Amélia subiu 11 pontos percentuais em relação aos levantamentos anteriores. Tinha 33% em julho e, no início de agosto, permanecia com o mesmo percentual. Na pesquisa mais recente tem 44%. Já Rigotto aparecia à frente em julho, com 41% das intenções de voto. No começo de agosto, subiu dois pontos, indo a 43%, e agora oscilou um para baixo, chegando a 42%. Paim tinha 37% na sondagem de julho, perdeu dois pontos e foi a 35% e agora subiu três pontos, obtendo 38%. Não sabem para quem votar em uma das vagas 34% dos entrevistados e 17% não sabem para quem votar nas duas vagas para o Senado.

Estudantes de Porto Alegre estão obesos

Milhares de adolescentes de Porto Alegre, alunos do último ano do Ensino Fundamental de escolas públicas e privadas, está entrando na idade adulta praticamente como gordos. Essa é a constatação da Pesquisa Nacional de Saúde Escolar, realizada pelo IBGE, que mediu o peso e a altura de quase 60 mil estudantes de capitais brasileiras. De todas as cidades aferidas, Porto Alegre lidera dois rankings preocupantes: tem maior número de obesos e, em outro extremo, o menor índice de alunos com peso adequado. De acordo com a pesquisa, o percentual de obesos entre alunos pesquisados em Porto Alegre é de 10,5%, três pontos percentuais acima da média nacional (7,2%). A investigação também constatou que 70,4% dos porto-alegrenses têm peso adequado, o mais baixo percentual do País. Teresina (84%), ocupa a primeira colocação, seguida por Palmas (83,5), São Luís (83), Aracaju (80,7) e Manaus (80,3). Ou seja, os adolescentes de Porto Alegre estão a um passo da doença, se já não estão doentes.

Cristina Kirchner decidida a acabar com a liberdade de imprensa na Argentina

O governo argentino apresentou na noite de sexta-feira ao Congresso um projeto que declara de "interesse público" a produção e distribuição de papel para jornais, em mais um capítulo do confronto entre a presidente peronista populista Cristina Kirchner e os grupos "La Nación" e "Clarín". A iniciativa, apresentada no último minuto da sessão parlamentar, declara de "interesse público" a produção, comercialização e distribuição de papel para jornais, e será debatida primeiro pela Câmara dos Deputados, onde Cristina Kirchner não conta com a maioria. "A produção de papel para os jornais constitui uma atividade absolutamente relevante por sua contribuição de caráter direto à existência das publicações, das quais depende boa parte da transmissão cultural e jornalística nas sociedades modernas", destaca o projeto. A peronista populista Cristina Kirchner pretende tirar dos grupos La Nación e Clarín o controle da Papel Prensa, a única produtora de papel para jornal do país.

Neudo Campos renuncia na Câmara dos Deputados

Investigado em mais de 30 inquéritos e ações penais no Supremo Tribunal Federal, Neudo Campos (PP), candidato ao governo de Roraima, apresentou na Câmara dos Deputados a sua carta de renúncia. O documento foi publicado na sexta-feira no Diário da Câmara dos Deputados. Em comunicado divulgado para a imprensa, Neudo Campos, que já foi governador de Roraima por dois mandatos pelo PTB (1995-2003), diz que renunciou porque quer "construir o futuro". "Não é pela campanha que se encerra em pouco mais de um mês. É pelo futuro que precisa urgentemente começar. Eu quero começar desde já a construir esse futuro", diz o texto. Adversários do candidato dizem que Campos valeu-se de uma manobra jurídica para atrasar os processos nos quais vem sendo julgado. Com a renúncia, Campos perde o foro privilegiado. Os processos devem então deixar o Supremo, voltando a ser distribuídos em instâncias inferiores da Justiça. Alguns casos podem voltar à 1ª instância. Entre os crimes nos quais vem sendo investigado, Campos responde por peculato, formação de quadrilha e crime contra a administração pública. Em 2003 foi preso pela Polícia Federal na Operação Gafanhoto, acusado de ser o líder do grupo que criava falsas folhas de pagamento.