terça-feira, 6 de julho de 2010

Ministério Público pede a prisão preventiva do goleiro Bruno, do Flamengo

O Ministério Público do Rio de Janeiro acolheu o pedido da Polícia Civil e já solicitou à Justiça a prisão preventiva do goleiro Bruno, do Flamengo, acusado de ser mandante do sequestro de Eliza Samudio, sua ex-amante. Também foi pedida a prisão preventiva do amigo do goleiro, Luiz Henrique Ferreira Romão, conhecido como Macarrão, suspeito de cúmplice. O desaparecimento de Eliza Samudio, que já dura cerca de um mês e no qual Bruno é suspeito de estar envolvido, pôde ser esclarecido após o depoimento de um jovem de 17 anos. O menor, que é primo do jogador, confessou nesta terça-feira na Divisão de Homicídios, no Rio de Janeiro, ter participado do sequestro de Eliza e dado coronhadas na cabeça dela. À policia, ele revelou que a jovem morreu, mas negou que seu golpe tenha sido a causa. Pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, se condenado, o menor pode ficar internado por, no máximo, três anos. Essa é a pena que o "anjinho" vai levar. O "adolescente" foi detido no início da tarde desta terça-feira na casa do goleiro, no condomínio Nova Barra Residence, no Recreio dos Bandeirantes, onde passou o fim de semana na companhia de advogados do atleta. A se confirmar esta versão, o "anjinho" do goleiro do Flamengo escapa da acusação de homicídio. A polícia chegou ao menor após um tio dele, motorista de ônibus que mora em São Gonçalo, procurar a Rádio Tupi e informar que o rapaz estava sendo mantido em cárcere privado na casa do goleiro. Três carros da Divisão de Homicídios chegaram ao condomínio por volta das 13 horas e demoraram cerca de meia hora no local. Bruno estava na casa. Segundo o inspetor Guimarães, da Divisão de Homicídios, o menor confessou ter dado três coronhadas na cabeça de Eliza. Na versão do adolescente, a agressão ocorreu dentro do Range Rover do jogador, quando a jovem era levada para o sítio de Bruno, em Esmeralda, na região metropolitana de Belo Horizonte, por Macarrão. Segundo o menor, ao descobrir que ele estava escondido no banco traseiro do carro, Eliza teria se assustado e tentado fugir. Foi quando ele desferiu os golpes. No Range Rover do goleiro, a perícia encontrou marcas de sangue que estão sendo analisadas para saber se o material genético é semelhante ao da jovem desaparecida. Ainda de acordo com o menor, foi Macarrão quem articulou o sequestro, e não Bruno. Ele acusou o amigo do goleiro de ter "desossado" a jovem e dado seu corpo para cachorros comerem. Mas, no inquérito que corre em Minas Gerais, há testemunhas que relatam terem visto Eliza no sítio na data em que ela, por este novo depoimento, já estaria morta. Pela manhã, o tio do menor afirmou à Rádio Tupi que o sobrinho era a chave para esclarecer o crime. Ele disse que o pai do jovem é tio do goleiro: "A chave toda é o menino. Ele já falou que vai dar tudo. A hora que polícia botar a mão no garoto, ele vai dar tudo. O problema é que tem que ser rápido porque o Bruno pode mandar o garoto pra outro estado. A coronhada quem deu foi ele, que abriu o cérebro da garota, tá entendendo? A coronhada quem deu foi ele, que abriu o cérebro da garota, tá entendendo?" A entrevista do motorista complicou a situação do goleiro do Flamengo. Ele afirmou que Bruno deu R$ 3 mil para que Macarrão sumisse com o corpo de Eliza. Macarrão, por sua vez, teria chamado um outro amigo, identificado por ele como Clayton, que contratou traficantes de Belo Horizonte para dar fim ao cadáver. Na rádio, o motorista garantiu que o menor denunciaria todos os envolvidos no caso. "A menina foi desossada, tá entendendo? O Bruno pagou três mil para um traficante. Esse cara transportou a garota para o traficante desossar. Tá enterrada. O garoto viu aonde tá, o garoto vai dar tudo. A garota foi desossada, enterraram os ossos da garota e concretaram", disse ele. Na entrevista, o motorista explicou que sabia da história porque o rapaz o havia procurado no sábado passado para contar como tudo acontecera. Neste mesmo dia, ainda segundo ele, Bruno ligou para o menor pedindo que ele fosse para sua casa. Desde então, o adolescente estava sendo mantido no condomínio do jogador, onde era orientado por advogados a dizer que tivera uma discussão com Eliza e dera um soco nela. O motorista disse que a família temia que o menor desparecesse. Porém, o advogado Monclar Eugênio Gama, que atua como assistente de Michel Assef Filho na defesa do goleiro do Flamengo, negou a acusação. Segundo ele, Bruno, que estava em sua residência no momento da chegada da equipe da Divisão de Homicídios, franqueou a entrada dos policiais.

Dilma Roussef recebeu título na Assembléia gaúcha e aproveitou para fazer propaganda de Tarso Genro

A candidata petista à Presidência da República, Dilma Rousseff, recebeu nesta terça-feira a Medalha do Mérito Farroupilha, em sessão solene na Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, dirigida por seu presidente, o deputado estadual Giovani Cherini (PDT). Ela aproveitou a oportunidade para, em seu longo discurso, fazer uma escancarada propaganda eleitoral, em órgão público, pedindo votos para o seu candidato ao governo do Estado, o peremptório petista Tarso Genro. Ela usou estrututa pública, televisão pública, som público, iluminação pública, espaço público, funcionários públicos, para fazer propaganda eleitoral. A matéria distribuída pela Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, feita pelo repórter petista Gilmar Eitewein, que vai reproduzida abaixo, não fez referência, em nenhum momento, à atuação propagandística de Dilma Rousseff. O trabalho do repórter petista Gilmar Eitewein foi corroborada por seu chefe, o jornalista pedetista Carlos Bastos, chefe da Assessoria de Comunicação da Assembléia Legislativa. E o setor de televisão da Assembléia Legislativa é dirigido por Celina Canabarro, filha da mulher do dirigente pedetista Alceu Collares. Este, também nesta terça-feira, correspondeu à "lentilha" que vem comendo, como conselheiro de Itaipu Binacional, e declarou seu apoio à candidatura do peremptório Tarso Genro ao governo do Estado. A atitude dele confirma as afirmações de Videversus, de que a coligação do PDT com o PMDB é como um abraço de urso. A atitude de Collares indica que o trabalhismo gaúcho já comeu o prato de lentilhas servido pelo PT. A matéria da Assessoria de Imprensa da Assembléia Legislativa diz o seguinte: "A ex-ministra chefe da Casa Civil Dilma Rousseff recebeu da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul a Medalha do Mérito Farroupilha. A honraria máxima do Legislativo gaúcha foi entregue em cerimônia realizada nesta terça-feira, no Salão Júlio de Castilhos, por proposição do deputado Ronaldo Zülke (PT). A ex-ministra foi recebida na sede do Parlamento gaúcho pelo presidente da Casa, deputado Giovani Cherini (PDT), autoridades públicas municipais, estaduais e federais, representantes do Poder Judiciário, deputados estaduais e federais, prefeitos, vereadores, dirigentes estaduais e lideranças do PT, PDT, PSB, PCdoB e PTB e os ex-governadores Alceu Collares e Olívio Dutra. O Salão Julio de Castilhos ficou lotado de autoridades, representantes de ONGs, entidades estudantis, apoiadores e populares. Em sua manifestação, o proponente da homenagem destacou a trajetória da ex-ministra. “Dilma é uma pessoa que acredita no povo brasileiro”, disse Zülke. “É uma brasileira que é gaúcha por opção e que, por onde passou, deixou marcas de competência técnica e sensibilidade política e social”. O parlamentar enumerou os avanços que o Brasil experimentou nos últimos anos nas áreas econômica e social como de grande contribuição por parte da homenageada. Gaúcha - Ao agradecer a homenagem, a ex-ministra lembrou que, ao chegar no Rio Grande do Sul, no início da década de 70, era uma militante recém saída da prisão. “Aqui pude recompor minha vida”, destacou. Dilma lembrou sua ligação com o Rio Grande do Sul – “gaúcha é minha filha e gaúcho será meu neto” – através da participação e criação do núcleo de estudos e pesquisas do Instituto de Estudos e Pesquisas Econômicos e Sociais (IEPES), vinculado ao antigo MDB, como embrião da luta pela redemocratização. Ao encerrar a homenagem, o presidente da Casa, deputado Giovani Cherini, disse da honra da instituição em proporcionar este momento. “A senhora chegou onde poucas pessoas deste país conseguiram. Esta homenagem é por tudo que representa para nosso estado e nosso País”. Biografia - Nascida em 14 de dezembro de 1947, na cidade de Belo Horizonte, Dilma Vana Rousseff começa sua militância política em 1964, no grupo Política Operária (Polop), onde conheceu Cláudio Galeno, com quem casou três anos depois. Em 1967 Dilma inicia o curso de Ciências Econômicas na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e adere ao Comando de Libertação Nacional (Colina), organização que combatia a ditadura. No final de 68, após o Ato Institucional nº 5, Dilma e Galeno começam a ser perseguidos pela ditadura, caem na clandestinidade e acabam se separando. No ano seguinte, ela ingressa na VAR-Palmares (fruto da fusão entre Colina e VPR), onde conhece seu futuro marido, o advogado gaúcho Carlos Franklin Paixão de Araújo. É presa no centro de São Paulo em janeiro de 1970 e torturada nos porões da Operação Bandeirantes (Oban) e do Departamento de Ordem Política e Social (Dops). Condenada pela Justiça Militar a dois anos e um mês de prisão, ela só é libertada após passar quase três anos no presídio Tiradentes, em São Paulo. Em 1973, muda-se para Porto Alegre, onde Carlos Araújo, capturado pela repressão em julho de 1970, cumpre pena de quatro anos. Militância - Em 1974, Dilma ingressa na Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e, no ano seguinte, começa a trabalhar na FEE (Fundação de Economia e Estatística). Em 1976, nasce sua única filha Paula Rousseff Araújo e, em 1977, conclui o curso de Economia. Engaja-se na campanha pela Anistia, organiza debates no IEPES (Instituto de Estudos Políticos, Econômicos e Sociais) e, junto com Carlos Araújo, ajuda a fundar o PDT do Rio Grande do Sul. Entre 1980 e 1985, Dilma trabalha na assessoria da bancada estadual do PDT. Em 1986, é nomeada pelo entao prefeito Alceu Collares como secretária da Fazenda de Porto Alegre. No início dos anos 90, Dilma torna-se presidente da Fundação de Economia e Estatística (FEE). Em 1993, assume a Secretaria de Minas, Energia e Comunicação no governo Collares. Em 1998, no governo Olívio Dutra, ocupa outra vez a Secretaria de Minas, Energia e Comunicação. Dois anos depois, filia-se ao PT. Em 2003, é nomeada Ministra das Minas e Energia e, em 2005, substitui José Dirceu na chefia da Casa Civil do Governo Lula". Como se vê, nenhuma referência na matéria à propaganda eleitoral feita por ele em seu longo discurso, de cerca de 40 minutos. Ou seja, a Assessoria de Imprensa da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul censurou a fala de Dilma Rousseff, para ocultar o uso ilegal que ela fez da homenagem para fazer propaganda eleitoral em favor do peremptório Tarso Genro.

Governadora Yeda Crusius não comparece a debate de rede RBS que a combateu sem trégua

A governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), promoveu o primeiro choque da campanha eleitoral deste ano no Estado, logo no primeiro dia de campanha oficial. Ela não compareceu ao debate armado pela Rádio Gaúcha, na manhã desta terça-feira. Também não havia novidade nisso. Desde a véspera, o grupo RBS estava avisado de que a governadora Yeda Crusius não compareceria, e mesmo assim manteve o debate, que começou às 8h30 na Rádio Gaúcha. Estiveram presentes os candidatos José Fogaça (PMDB), o peremptório petista Tarso Genro e o braço direito do PT, o vereador Pedro Ruas (PSOL). Esta faz parte do partido que é uma espécie de propriedade político-eleitoral privada da filha do peremptório Tarso Genro, a deputado federal Luciana Genro. Naturalmente, como seria de esperar, Tarso Genro e Pedro Ruas não gostaram da ausência de Yeda Crusius. Eles queriam que ela estivesse presente para bater nela, como fizeram nos últimos três anos. Pedro Ruas inclusive é processado pela família de Yeda Crusius. Pedro Ruas é uma espécie de braço auxiliar do PT gaúcho, e seu papel na campanha será o de provocar e fazer denúncias, para beneficiar a candidatura do peremptório Tarso Genro. Mas, eleitoralmente, ele não vale nada, não passará de inexpressivos 2 ou 3% do eleitorado gaúcho. Para a RBS, que se portou nos últimos três anos também como um braço auxiliar do petismo e, especialmente, do peremptório Tarso Genro, seria uma maravilha a presença de Yeda Crusius. A RBS apresentaria mais um presente para o petralhismo. Ela vem fazendo isso há anos devido ao comportamento de seus balanços, cuja leitura por atentos especialistas demonstra as dificuldades do gruupo. Naturalmente, sem a presença de Yeda Crusius, os dois representantes do "socialismo real" (aquele que gosta da riqueza - não esquecer que o peremptório Tarso Genro é o milionário desta campanha) se "botaram" em José Fogaça, aí cumprindo uma parte da estratégia do Foro de São Paulo: desconstruir a imagem do opositor. As ausências de Yeda Crusius, assim, poderão levar ao cancelamento destes debates que só interessam ao petralhismo e sua vertente denuncista, com fatos criados pela polícia política do PT. Aliás, é de se perguntar o que faz um candidato como Pedro Ruas, que não tem qualquer expressão eleitoral, debatendo com gente muito mais expressiva? Isso não é puro oportunismo eleitoral?

Peremptoriamente, Tarso Genro é o mais rico entre os candidatos ao governo do Rio Grande do Sul

O ex-ministro da Justiça, o milionário Tarso Genro (PT), que disputa o governo gaúcho, declarou à Justiça Eleitoral bens no valor de R$ 2,972 milhões. É o candidato com maior patrimônio declarado. A governadora Yeda Crusius (PSDB), que disputa a reeleição, tem em seu nome bens no valor de R$ 620,1 mil, quase cinco vezes menos. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, entre os bens da governadora está a metade de uma casa em Porto Alegre avaliada em R$ 375 mil. Segundo a Folha, o candidato do PMDB, o ex-prefeito de Porto Alegre José Fogaça (PMDB), declarou ter R$ 564,05 mil. O bem mais valioso é sua casa, na capital, estimada em R$ 430 mil. Já o candidato do PSOL, Pedro Ruas, declarou R$ 295,64 mil. A Folha de S. Paulo não teve o cuidado de falar dos bens do candidato petista Tarso Genro. Videversus fará esse favor aos eleitores gaúchos, irá fotografar todos os bens apontados pelo peremptório Tarso Genro e divulgá-los no site Videversus (www.videversus.com.br).

Ditador Chavez diz que Venezuela vai enviar a Cuba acusado de terrorismo

O governo da Venezuela anunciou que entregará a Cuba o salvadorenho procurado por realizar ataques a bomba contra hotéis cubanos em 1997, disse nesta terça-feira o ditador venezuelano, Hugo Chávez. Francisco Chávez Abarca foi detido pelas autoridades venezuelanas na quinta-feira, ao desembarcar no aeroporto internacional de Caracas. Autoridades venezuelanas disseram que Chávez Abarca pertencia a um grupo anticomunista treinado e liderado por Luis Posada Carriles, exilado cubano e suposto ex-agente da CIA, que também é procurado em Cuba e na Venezuela, acusado de terrorismo. Chávez Abarca foi detido por um mandado de prisão emitido pela Interpol a pedido de Cuba e carregava um passaporte guatemalteco falso. "Nas próximas horas, ele será enviado a Cuba", disse Chávez. O ditador venezuelano, aliado próximo de Cuba, chamou Chávez Abarca de "terrorista". O ministro do Interior venezuelano, Tareck El Aissami, disse na semana passada que Chávez Abarca é acusado por autoridades cubanas de ser um dos vários cidadãos centro-americanos que realizaram ataques a bomba em 1997 em uma operação que teria sido planejada por Posada Carriles, que vive nos Estados Unidos. Posada Carriles escapou de uma prisão de segurança máxima da Venezuela em 1985. Ele foi detido nos Estados Unidos uma década depois por questões migratórias e libertado em 2007, provocando a ira de Havana e Caracas.

Morreu Muhammed Udeh, ideólogo do atentado nos Jogos Olímpicos de 1972

Morreu Muhammed Udeh, o cérebro do ataque contra os Jogos Olímpicos de 1972 e do qual resultaram 11 israelitas mortos. A filha Hana Oudeh afirmou que o pai morreu devido a falência renal no hospital Andalous em Damasco. Muhammed Udeh, também conhecido como Abu Daud e que tinha cinco filhas e um filho, não participou no atentado de 5 de setembro de 1972. Era líder do Setembro Negro , um braço do grupo Fatah liderado pelo líder palestiniano Yasser Arafat, que foi constituído para vingar a expulsão de 1970 das guerrilhas palestinas da Jordânia, pelo rei jordaniano, após uma repressão furiosa de islâmicos contra islâmicos.

Serra, que não é "poste", retruca: "Não sou ventríloquo de marqueteiro"

No evento organizado no Paraná Clube pela frente "O Brasil Pode Mais na Assistência Social", nesta terça-feira, o candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, subiu o tom contra os adversários petistas e disse: "Não sou ventríloquo de marqueteiro, nem de partido, nem de comitês, nem de frações, nem de todas aquelas antigas organizações de origem bolchevique, que do bolcheviquismo só ficaram com a sua curtição pelo poder por que utopia não tem nenhuma". Os opositores criticam a petista Dilma Rousseff, dizendo que ela apenas segue o que o presidente Lula e sua equipe de campanha pedem. "Eu não falo segundo o público. Meu discurso é o mesmo e minha biografia é a mesma", disse Serra, muito aplaudido. Serra falou sobre a participação de sua equipe de comunicação em sua campanha, para depois dar nova alfinetada na adversária petista: "Meus comunicadores não precisam fazer colinha para eu dar entrevistas". A tática tucana é desafiar a ex-ministra petista para abandonar sua posição de "poste" e comparecer a debates. O candidato disse também que "doutrina" seus comunicadores, conforme as idéias que tem: "Tenho fama de teimoso, mas não sou". Mais cedo, Serra questionou as ausências de Dilma em debates: "Tem que ter debates. Parece que a candidata Dilma não sabe porque quer ser presidente", afirmou, em referencia a uma reportagem feita pelo jornal O Globo, na qual três candidatos foram perguntados sobre o que os motivava a disputar o Planalto, e a candidata petista se recusou a falar. No evento onde o assunto principal era assistência social, Serra recebeu uma carta do grupo que organizou o evento pedindo que ele assegurasse, caso eleito, a manutenção do Bolsa Família. É recorrente o discurso tucano de que o Bolsa Família é uma compilação de outras programas sociais desenvolvidos por governos anteriores. Serra garantiu que, se eleito, ampliará o Bolsa Família, estendendo-o para serviços de saúde pública e educação ao jovem: "Não somos daqueles que fazem picuinha e ficam chutando, negando, mudando o nome de programas anteriores. O Bolsa Família não pode ser barriga de aluguel da assistência social. Ele tem que estar plasmado na assistência social, integrado a outros programas".

Ministra Ellen Gracie concede liminar a dono de cartório para impedir perda de delegação

A ministra Ellen Gracie, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu a inclusão do 4º Tabelionato de Notas da Comarca de Maringá (PR) na lista de cartórios vagos elaborada pelo Conselho Nacional de Justiça para preenchimento por concurso público (outorga de delegação). A decisão foi dada em caráter liminar no Mandado de Segurança (MS) 28806. Segundo a relatora, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) se equivocou ao informar ao Conselho Nacional de Justiça que aquele cartório estava disponível para delegação de concursado. Isso porque essa relação de cartórios vagos foi elaborada com dados disponíveis até 24 de agosto de 2009 e, nessa data, José Carlos Fratti, titular do cartório de Maringá, ocupava um cartório na cidade de Cascavel, para aonde foi por meio de uma permuta. Essa permuta foi desfeita em janeiro de 2010 por ordem do próprio Conselho Nacional de Justiça. Fratti tem garantia da delegação e não pode ser substituído por um novo concursado porque ocupa o cartório desde 1981. Mas, como ele voltou a ocupar o antigo cartório apenas neste ano, o estabelecimento foi incluído na lista do Conselho Nacional de Justiça feita com dados de 2009. Ele impetrou a ação contra o Conselho Nacional de Justiça no Supremo alegando que foi legalmente nomeado em 1981, portanto em regime anterior à Constituição Federal de 1988. A atual Constituição e as leis subsequentes abriram a exigência de concurso público na delegação dessas serventias, mas essa exigência só é feita para ocupações posteriores à promulgação.

Ataque do Exército mata 12 terroristas na Colômbia

Ao menos 12 terroristas morreram e seis foram capturados em um ataque das Forças Armadas da Colômbia em uma região montanhosa no noroeste do país, informou nesta terça-feira o presidente
Álvaro Uribe. A operação militar foi realizada contra um grupo das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc, organização terrorista e traficante de cocaína) que busca retomar o controle da Serrania de San Jacinto, conhecida como os Montes de Maria, entre os departamentos de Sucre e Bolívar, a aproximadamente 580 quilômetros de Bogotá. "Hoje, depois de uma grande ação de inteligência do Exército e uma ação da Força Aérea Colombiana, foram abatidos 12 bandidos e seis capturados", detalhou Uribe durante um ato do governo. Segundo o presidente, entre os mortos estavam dois chefetes do grupo terrorista, apelidados de "Canaguaro" e "Ciro", enviados por um dos maiores chefes dessa organização, "Iván Márquez", para retomar o controle que tinham dessa região no passado.

Brasil tem a tarifa de celular pré-pago mais cara da América Latina

Pesquisa realizada em 20 países, constatou que o gasto do brasileiro com um celular pré-pago foi de US$ 45,00 no segundo trimestre do ano passado, 75,2% a mais do que o de Honduras, o segundo país com maior custo na América Latina, US$ 25,69. Em comparação com a Jamaica, que tem o menor custo do continente (US$ 2,21), a diferença é de mais de 20 vezes. Os preços do estudo são referentes à utilização de um aparelho pré-pago para a realização de 360 ligações e envio de 395 mensagens. No geral, as tarifas na América Latina são mais altas do que em outros lugares do mundo. Os gastos com celulares pré-pagos dos latino-americanos são, em média, de US$ 15. Em países membros da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), que inclui Europa e Estados Unidos, o gasto médio é de US$ 13,50, enquanto nos países asiáticos o valor destinado para tal despesa é de US$ 3,60.

O inefável candidato Agaciel Maia declara patrimônio de R$ 3,8 milhões

Pivô do escândalo dos atos secretos no Senado, o ex-diretor geral da Casa, o inefável Agaciel Maia vai disputar as eleições de outubro para a Câmara Legislativa do Distrito Federal pelo PTC (Partido Trabalhista Cristão). Em sua declaração de bens encaminhada ao Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal no registro de sua candidatura, Agaciel declarou ter um patrimônio de R$ 3,8 milhões, incluindo entre as suas propriedades um terreno de R$ 180 mil no Lago Sul, bairro nobre de Brasília. No ano passado, o jornal Folha de S. Paulo revelou que neste terreno existe uma casa avaliada em R$ 5 milhões, não declarada à Justiça na época. O ex-diretor usou o irmão e deputado federal João Maia (PR-RN) para esconder a propriedade, registrada no nome do parlamentar, que não declarou o bem nem à Receita Federal nem à Justiça Eleitoral. Na época, Agaciel admitiu que comprou o imóvel, mas não o colocou em seu nome por estar com seus bens indisponíveis. O episódio resultou no seu afastamento da diretoria-geral do Senado, onde esteve por 15 anos. Agaciel disse que declarou ao TRE apenas o valor do lote, e não da casa, para não ferir a legislação tributária do País: "Eu comprei o lote e fui fazendo a casa. Eu não posso atualizar o valor. Se eu atualizar, eu deixo de pagar imposto, o que é proibido pela Receita Federal. Tem que ser o valor de aquisição do bem". O ex-diretor confirmou à Justiça Eleitoral manter uma conta de R$ 2,125 milhões na Caixa Econômica Federal. Relatório técnico do Tribunal de Contas da União sobre o patrimônio do ex-diretor-geral considerou, em 2009, o valor da conta incompatível com os seus rendimentos. Agaciel afirma, porém, que ao final das investigações o tribunal considerou seu patrimônio compatível com sua renda. Além da conta que reúne mais de R$ 2 milhões, o ex-diretor mantém outros três depósitos bancários na Caixa e no Banco do Brasil que somam R$ 2,659 milhões.

Fracasso da educação no governo Lula, apenas 5,7% das escolas no País têm índice 6,0 no Ideb

Em todo o Brasil, apenas 5,7% das escolas públicas do ensino fundamental alcançaram 6,0 no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), nota vista como sinônimo de qualidade. Seis é a média registrada em países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e foi adotada pelo MEC como objetivo para ser alcançado no País até 2021. No segundo ciclo do ensino fundamental (da 5.ª a 8.ª série), só 109 escolas (0,3%) atingiram índice 6,0. Delas, 28 estão no Estado de São Paulo e só uma na capital: a Escola de Aplicação da Universidade de São Paulo. Das 34.643 instituições analisadas nessa etapa, 6 tiraram nota maior do que 7,0. Deste grupo, três são colégios militares: de Santa Maria (RS), de Salvador (BA) e de Campo Grande (MS). Para secretária de Educação Básica do MEC, Maria do Pilar Lacerda, os resultados não surpreendem. "O aumento das escolas com bom desempenho será gradativo. Sabíamos que, nesta terceira edição, o grupo de excelência ainda seria reduzido", admitiu. Ela também considera esperado o destaque dos colégios militares, cujos alunos são submetidos a uma seleção prévia: "Alunos dessas instituições têm perfil diferenciado porque passam por um processo seletivo". Nos anos iniciais do ensino fundamental, de 1.ª a 4.ª séries, mais escolas obtiveram nota maior ou igual a 6,0 - foram 3.235 escolas, ou 6,7% do total. Neste caso, nenhuma está localizada na cidade de São Paulo. As dez melhores do País nessa etapa ficam fora das capitais. Técnicos do MEC avaliam que há uma probabilidade de as escolas terem bom desempenho se estiverem em comunidades com nível de renda e escolaridade mais elevado, mas essa não é uma condição indissociável para a qualidade da educação. De 1.ª a 4.ª séries, 19 escolas tiveram nota acima de 8,0; 10 delas são do Estado de São Paulo. A mais bem colocada também é paulista: Escola Municipal Aparecida Elias Draibe, em Cajuru.

Brasil retoma exportação de carne processada para os Estados Unidos

O Ministério da Agricultura autorizará, a partir da próxima semana, a retomada dos embarques de carne bovina processada para os Estados Unidos proveniente dos frigoríficos que tiverem seus planos de autocontrole de resíduos aprovados pelo gooverno federal. Segundo o diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal do Mapa, Nelmon Oliveira, cerca de 40% dos 21 frigoríficos que exportam o produto para lá apresentaram seus planos, que estão sob análise. "Estamos confiantes que, com os resultados dos planos de ação das empresas e o do governo brasileiro, vamos conseguir atender as garantias que o governo americano está solicitando", afirmou. A suspensão foi feita após as autoridades americanas impedirem a entrada de um lote de carne processada do frigorífico JBS Friboi, no final do final de maio, sob alegação de que continha o vermífugo Ivermectina acima do limite permitido pela legislação de seu país. Depois disso, o governo brasileiro suspendeu as certificações e embarques de carne processada para os Estados Unidos e enviou duas missões para conhecer o sistema de análise de resíduos dos Estados Unidos, que é diferente do brasileiro. Apesar das diferenças na forma como são feitas as análises, Nelmon disse que o diagnóstico no lote indica que provavelmente não se respeitou o prazo de carência para que o animal possa ser abatido após ingerir a Ivermectina, que pode variar de 40 a mais de 100 dias, dependendo do medicamento veterinário. Para evitar o problema, que pode ter sido causado por desinformação de alguns criadores de gado, os fabricantes de medicamentos veterinários serão obrigados a colocar na embalagem do produto o prazo de carência, que atualmente está apenas nas bulas. O governo divulgará campanhas de orientação aos pecuaristas e os frigoríficos terão que participar, inclusive fazendo visitas às propriedades, como determina seu plano de autocontrole, requisito para a retomada das exportações para os Estados Unidos. Além disso, essas empresas terão que selecionar os fornecedores de carne para exportação e aumentar o número de análises de matérias primas. Tudo isso será auditado pelo governo. Antes da autorização final para a retomada das exportações, haverá uma nova reunião entre autoridades sanitárias brasileiras e americanas, nos Estados Unidos, ainda dependendo de confirmação para o dia 8 ou 9 de julho. Atualmente 21 frigoríficos brasileiros estão habilitados a produzir carne processada para os Estados Unidos, sendo que 10 vendem diretamente e o restante fornece aos outros. Os americanos são os principais importadores do Brasil e compraram, no primeiro trimestre deste ano, cerca de 9 mil toneladas do produto, ao preço de US$ 48,6 milhões, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Bispo da Turquia sacrificado de acordo com ritual corânico

O presidente da Conferência Episcopal Turca, Dom Luigi Padovese, foi degolado pelo seu motorista aos gritos de “Allah Akbar!” (“Alá é grande”). O prelado foi apunhalado várias vezes em sua casa, mas conseguiu sair fora, sendo decapitado de acordo com as regras rituais prescritas pelo Corão. Os vizinhos foram testemunhas do sacrílego assassinato: ouviram os gritos do prelado pedindo ajuda e do fanático matador que, tendo subido no teto da casa, berrava “Matei o grande satanás! Alá é grande!” O fanático declarou agir “por revelação divina”. De acordo com a agência AsiaNews as características do homicídio são as de um “sacrifício ritual contra o mal” ensinado pelo Corão e praticado também pelos fundamentalistas islâmicos para eliminar os cristãos. As contraditórias tentativas do governo turco e da diplomacia vaticana para esvaziar o delito de conteúdo religioso não convenceram. Os fundamentalistas querem a extinção radical do cristianismo e na hora do crime pouco se interessam se a vítima é “ecumênica” ou não. Por sua vez, o governo turco remetiu o corpo da vítima para a Itália como se fosse um saco de batatas, sem nenhuma identificação externa nem selo protetor. No aeroporto de Milão só o aguardavam alguns irmãos capuchinos, congregação à qual pertencia Dom Luigi. Nenhum representante do Vaticano, nem da Cúria milanesa, estava presente, noticiou o diário “La Stampa” de Turim. Nenhum avião italiano foi destacado para o transporte do corpo. Os sermões no enterro visaram salvar o insalvável: o diálogo impossível com o Islã e um ecumenismo que raspa no fanatismo entreguista. Esse é mais um poderoso aviso para que entendam todos, no Ocidente, que o objetivo declarado do islamismo é guerra contra a sociedade ocidental judaíco-cristã.

Projeto de petista pode liberar porte de arma a 71 mil servidores públicos no País

Um projeto de lei pode abrandar o Estatuto do Desarmamento e conceder o porte de arma para cerca de 71 mil servidores públicos no País. Na fila para entrar em votação no Senado, a proposta prevê que o porte seja liberado para seis categorias, entre elas médicos peritos da Previdência Social, oficiais de Justiça e defensores públicos. No ano passado, foram concedidos 1.256 portes no País, 47 em São Paulo. Há estimativas de oito milhões de armas legais e ilegais estejam em circulação. Idealizado pelo deputado federal petista Nelson Pellegrino (PT-BA) em dezembro de 2005, o projeto previa, inicialmente, a liberação do porte só para auditores do trabalho, o que já vale desde 2007. Um ano antes, seis auditores do trabalho foram mortos em Unaí (MG). Ao chegar à Comissão de Segurança Pública, da Câmara dos Deputados, na legislatura passada, a proposta inchou e outras cinco categorias foram incluídas. Depois de aprovada pelas Comissões de Constituição e Justiça e Relações Exteriores do Senado, está no Plenário da Casa desde 28 de maio. Como o PT domina amplamente o funcionalismo público nacional, nas três esferas, e como tem uma especial influência em algumas dessas categorias, é evidante que o objetivo dos petistas é ter um exército armado no serviço público.

Menor confirma que ex-amante do goleiro Bruno está morta

Um inspetor da Divisão de Homicídios do Rio disse nesta terça-feira que o menor levado da casa do goleiro Bruno, do Flamengo, confirmou que Eliza Samudio está morta. Ele, no entanto, não teria dito como isso aconteceu. Segundo o policial, o menor disse também que sequestrou e deu uma coronhada na cabeça de Eliza, que ficou desacordada, mas não teria morrido em decorrência da agressão. Eliza Samúdio está desaparecida desde o mês passado. Na versão do menor, Eliza saiu de carro junto com o amigo de Bruno conhecido como Macarrão. Ele estaria escondido no carro, e teria agredido Eliza depois de uma discussão entre ela e Macarrão. O inspetor disse ainda que até o momento, o menor ainda não incriminou Bruno no ocorrido. O goleiro Bruno estava em sua casa no momento em que a polícia chegou lá para levar o menor, e recebeu os agentes. O delegado Rafael Willis, titular da 16ª DP (Barra da Tijuca), informou em entrevista à Rádio Tupi que um parente do jovem esteve na delegacia contando que o menor estaria na casa do goleiro e tinha informações sobre o caso. A polícia chegou ao menor após essa informação. Em Belo Horizonte, também nesta terça-feira, o delegado Edson Moreira afirmou que está negociando com os advogados do goleiro Bruno para que ele seja ouvido na sexta-feira. O depoimento deve acontecer em Belo Horizonte ou no Rio de Janeiro. Além de Bruno, pelo menos outras duas pessoas devem ser ouvidas no mesmo prazo. São elas: a mulher do goleiro, Dayanne, e o amigo conhecido como Macarrão. Na segunda, a polícia recebeu uma denúncia de que o corpo da jovem foi jogado na Lagoa Suja, que fica no mesmo município. Bombeiros fizeram buscas no local mas não encontraram nada significativo para as investigações. Pelo menos 30 pessoas já foram ouvidas no inquérito. A Polícia Civil deve enviar um representante nos próximos dias a São Paulo para recolher o material que está no notebook de Eliza. De acordo com a polícia, o sumiço de Eliza Samudio começou a ser investigado depois de denúncias de que ela havia sido agredida no sítio que pertence ao jogador Bruno, em Esmeraldas (MG). Dayane Fernandes, mulher do goleiro Bruno, teria dito, em depoimento à polícia, que Eliza teria abandonado o bebê. A criança foi encontrada pela polícia na casa de desconhecidos e foi entregue ao avô, pai de Eliza, em 27 de junho. Dayane chegou a ser levada à delegacia na sexta-feira, 25 de junho. Ela foi detida e liberada em seguida. Segundo a delegada, a mulher do atleta foi autuada por subtração de incapaz. Na segunda-feira passada, 28 de junho, a polícia vasculhou o sítio do goleiro Bruno por mais de nove horas. Policiais e peritos fizeram escavações e vistoriaram o sótão, onde encontraram roupas de mulher, objetos de criança, fraldas e passagens aéreas. O Flamengo anunciou que o goleiro permanece afastado do time durante as investigações. Os clubes do Rio de Janeiro parecem ter se especializado na contratação de jogadores bandidos ou que andam na companhia de bandidos. Demorou, mas chegou a isso.

Serra desafia Dilma para o debate e diz que petista evita comparações

O candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, iniciou oficialmente a campanha eleitoral nesta terça-feira com promessas para a área de saúde e desafiando Dilma Rousseff (PT) ao debate. "Parece que a candidata Dilma não sabe por que quer ser presidente", afirmou Serra a jornalistas, após realizar caminhada pelo centro da capital paranaense. Serra lamentou o fato de Dilma não participar de sabatinas na fase de pré-campanha, terminada na véspera, acrescentando que o eleitor tem o direito de comparar as propostas de cada candidato. Dilma não participou de eventos conjuntos com outros candidatos, como na semana passada na Confederação Nacional de Agricultura. Utilizando-se de sua experiência como ministro da Saúde, José Serra prometeu voltar a realizar mutirões na área para reduzir as filas. Propôs a construção de 150 ambulatórios e laboratórios para realização de exames e consultas em diversas especialidades e disse que vai implementar um programa de atenção a mulheres grávidas. As propostas se assemelham a iniciativas que implantou como governador em São Paulo e às de Curitiba, implantadas pelo ex-prefeito Beto Richa (PSDB) e candidato a governador do Paraná.

Ibope começou nova pesquisa sobre eleições do Rio Grande do Sul

Neste final de semana os gaúchos conhecerão os novos números das intenções de votos para o governo estadual, agora que foram definidos os nove candidatos. A RBS acaba de contratar o Ibope para ouvir 812 eleitores até sexta-feira. A pesquisa 28394 foi registrada na tarde desta terça-feira no Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. O número de gaúchos que serão ouvidos é muito pequeno, uma pesquisa genero se presta a grandes margens, e parece já óbvio o que ela tentará passar. É bom também ficar de olho nas cidades que serão escolhidas para os poucos eleitores serem ouvidos. A coisa tem que ser vigiada de cima. A petralhada está solta.

Lula diz acreditar que nem Serra conhecia seu vice

O presidente Lula afirmou que não conhece e nunca ouviu falar do deputado federal Indio da Costa (DEM-RJ), escolhido para ser vice na chapa de José Serra. Lula foi perguntado por um jornalista amigo, petista, se conhecia Costa. A conversa com os jornalistas petistas aconteceu em Dar es Saalam, na Tanzânia, onde chegou no início da noite desta terça-feira. O presidente fez cara de gente séria para responder, no seu estilo fazofento: "Eu não sei se é demérito dele ou se é meu, o dado concreto é que eu nunca ouvi falar no nome dele. Eu não sei se ele tem tanta virtude para ser escolhido a vice". E prosseguiu: "O dado concreto é que acho que nem eu nem o Serra o conhecíamos". É Lula fazendo campanha ao seu estilo.