domingo, 4 de abril de 2010

Estranha pesquisa do Vox Populi dá resultado favorável a Dilma Rousseff

Pesquisa divulgada no sábado pelo instituto Vox Populi e encomendada pela rede de televisão Bandeirantes mostra o pré-candidato da presidência pelo PSDB, José Serra, na liderança, com 34% dos votos, mesma porcentagem registrada em janeiro. A candidata do PT, Dilma Rousseff, subiu quatro pontos percentuais, segundo a pesquisa Vox Populi, e possui 31% das intenções de voto. Ciro Gomes, do PSB, aparece com 10% e Marina Silva, do PV, com 5%. Votos nulos e brancos somam 7% e 13% dos pesquisados não quiseram ou não souberam responder. Em um cenário sem Ciro Gomes, Serra possui 38%, Dilma com 33% e Marina Silva com 7% das intenções de voto. Neste caso, brancos e nulos somam 7% e 15% não souberam ou não quiseram responder. A pesquisa do Vox Populi foi registrada sob o número 7337/2010 e realizada entre os dias 30 e 31 de março com 2.000 eleitores. No último dia 27, em pesquisa realizada pelo Datafolha, Serra aparece com nove pontos de vantagem sobre Dilma Rousseff. O tucano tem 36% e a petista 27% das intenções de voto. Na pesquisa realizada em fevereiro, Serra tinha 32% e Dilma 28%. Ciro Gomes (PSB) ficou com 11% (tinha 12% em fevereiro). Marina Silva (PV) está estacionada e manteve os 8% obtidos no mês passado. Em um eventual segundo turno, o tucano venceria a petista por 48% contra 39%. A pesquisa, registrada sob o número 6617/2010, foi realizada nos dias 25 e 26 com 4.158 eleitores. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Muito suspeita invasão do apartamento da filha de Lula em Florianópolis

A Polícia Civil, em Florianópolis, se mantém no maior silêncio sobre a ocorrência envolvendo a invasão do apartamento da filha do presidente Lula, Lurian Cordeiro Lula da Silva, na madrugada da última sexta-feira, no bairro Itaguaçu, região continental da capital catarinense. O Boletim de Ocorrência (BO) foi registrado na 4ª Delegacia de Polícia, mas o delegado Baltazar Antônio Garcia retirou o documento do local. Os policiais de plantão também não estão autorizados a consultar o Boletim de Ocorrência no sistema informatizado. A segurança de Lurian é feita pelo gabinete militar da Presidência da República, por meio do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). O apartamento de Lurian foi invadido na noite de sexta-feira, por volta das 20h30min. Ela estava em casa, sozinha, fazendo exercícios, e não percebeu o arrombamento. Os ladrões levaram um notebook e alguns objetos pessoais. Os filhos de cinco e 12 anos estão em São Paulo. Logo depois de perceber a invasão, Lurian acionou a sua equipe de segurança. A casa que funciona como base da equipe do GSI, responsável pela proteção da filha e dos netos do presidente, fica a cerca de 500 metros do edifício de Lurian.

Pivô dos “aloprados”, ex-braço direito do petista Aloizio Mercadante vira fazendeiro no sul da Bahia

Apontado pela Polícia Federal como o homem da mala de dinheiro que seria usado na compra de um dossiê contra candidatos do PSDB (José Serra e Geraldo Alckmin), o petista Hamilton Lacerda virou fazendeiro no sul da Bahia. De assessor parlamentar do senador Aloizio Mercadante (PT-SP), com salário de cerca de R$ 5.000,00 (ele foi colega de assessoria do atual secretário de Planejamento do Rio Grande do Sul, Mateus Afonso Bandeira), Hamilton Lacerda passou a tocar há dois anos uma fazenda com plantação de eucalipto e uma revenda de produtos agrícolas, negócios com capital social de R$ 1,5 milhão. Na propriedade, o "aloprado" Hamilton Lacerda (aquele que apareceu em gravação de vídeo do sistema de segurança interna do Hotel Ibis, em frente ao Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, conduzindo a mala de dinheiro petista que deveria pagar os sanguessugas fornecedores do dossiê fajuto contra Serra e Alckmin) tem como sócio Juscelino Dourado, ex-assessor de Antonio Palocci, envolvido com um negociador de propina para o PT. Foi o9 "aloprado" Hamilton Lacerda quem entregou a mala com R$ 1,7 milhão de origem ilícita para emissários petistas comprarem o dossiê fajuto que tentava ligar José Serra, então candidato a governador, a um esquema de venda fraudulenta de ambulâncias a prefeitos. Até hoje a polícia política do PT, a Polícia Federal, que foi comandada pelo peremptório comissário político petista Tarso Genro, se mostrou incapaza de resolver o inquérito aberto para investigar o caso. A Polícia Federal KGB petista) indiciou o aloprado Hamilton Lacerda pela acusação de lavagem de dinheiro, mas não descobriu de onde veio o R$ 1,7 milhão, apreendido com dois emissários petistas no Hotel Ibis, em São Paulo. O aloprado Hamilton Lacerda nunca revelou a origem dos recursos. Na época, Hamilton Lacerda era um dos coordenadores da campanha do petista Aloizio Mercadante a governador de São Paulo. Com o escândalo, perdeu o cargo e deixou o PT. Em fevereiro deste ano, voltou ao partido. Em São Caetano do Sul, onde mora, é conhecido pelos companheiros petistas apenas como professor universitário de vida social discreta. Seus vizinhos desconhecem seu lado empresarial. Ele é fundador e um dos sócios da Bahia Reflorestamento, que mantém plantações de eucalipto na fazenda Olho d’Água, no município de Encruzilhada (BA). Com 247 hectares de área, a propriedade está avaliada em aproximadamente R$ 500 mil. Dourado, seu sócio mais ilustre, foi chefe de gabinete de Palocci até setembro de 2005. Ele deixou o cargo devido às suas ligações com um advogado que afirmou ter negociado propina de R$ 6 milhões para o PT em troca da renovação de um contrato da Caixa Econômica. O ex-assessor de Palocci entrou na empresa sete meses após ela ter sido criada pelo aloprado Hamilton Lacerda. É o “aloprado” quem está registrado na Junta Comercial como administrador do negócio, com poder para movimentar a sua conta bancária. O petista Jorge Lorenzetti, funcionário da cúpula da campanha de Lula, do setor de espionagem da campanha de Lula, que negociou o dossiê dos aloprados, responde por um débito de R$ 18,1 milhões no Basa (Banco da Amazônia). A dívida se refere a empréstimos feitos pelo banco à Nova Amafrutas, uma fábrica de sucos no Estado do Pará, da qual Lorenzetti era um dos diretores, e que faliu no fim de 2006. Quase um ano após o dossiê, o Basa passou a cobrar na Justiça dos então diretores da empresa, entre eles Lorenzetti. Ele foi avalista no Basa de ao menos três empréstimos a partir de 2005 que somam R$ 1,3 milhão. O último contrato é de fevereiro de 2007, após a falência da empresa. Três meses após o Basa iniciar ação judicial de cobrança, Lorenzetti passou a administrar uma empresa especializada em venda de sanduíches em shoppings da região de Florianópolis e Camboriú. A Mage Sanduicheria foi aberta em nome da ex-mulher e da filha. Seu irmão, Silvestre Lorenzetti, disse que o negócio foi paralisado há um ano. Osvaldo Bargas, outro envolvido no escândalo, abriu em Brasília a MB Consultoria para atuar nas áreas de comércio, recursos humanos e sindical. A empresa tem como sede uma sala constantemente fechada e sem placa de identificação. O sócio de Bargas na MB é seu filho Helder, nomeado em abril de 2009 para um cargo na prefeitura de São Bernardo do Campo, comandada por Luiz Marinho (PT), que foi quem deu o aval para Hamilton Lacerda voltar ao partido. Outro aloprado, também do setor de espionagem do PT e da campanha de Lula, Expedito Veloso, ex-diretor de Gestão e Risco do Banco do Brasil, voltou ao banco no cargo de gerente e foi promovido a diretor-superintendente da subsidiária BB Previdência em setembro de 2008. Veloso administra 41 planos de previdência complementar de empresas ou entidades privadas, com ativos totais de R$ 1,37 bilhão, de acordo com balanço da empresa. Como é doce a vida de aloprados petistas. E a KGB petista não vê nada....

Fernando Henrique Cardoso diz que Dilma Rousseff é adepta do modelo comunista chinês

Pela terceira vez consecutiva, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso utilizou o seu artigo mensal que publica em vários jornais do País para atacar Lula, o PT e a candidata oficial Dilma Rousseff. No texto publicado neste domingo, Fernando Henrique Cardoso anota que, por trás dos dois candidatos que polarizam a sucessão (José Serra e Dilma Rousseff) “há um embate maior”. Ele diz que “está em jogo a própria concepção do que seja democracia”. Ele aponta maus presságios nos movimentos de Lula. Escreve que, tomado pelos “últimos 18 meses”, o governo Lula conduz o País a “um modelo de sociedade” deletério: “Predominância de uma forma de capitalismo na qual governo e algumas grandes corporações, especialmente públicas, unem-se sob a tutela de uma burocracia permeada por interesses corporativos e partidários”. Anota que o programa concebido pelo PT para embalar a candidatura de Dilma Rousseff “se descola da tradição democrática brasileira, para dizer o mínimo”. E acrescenta: “Cada vez mais nos aproximamos de uma forma de organização política inspirada em um capitalismo com forte influência burocrática e predomínio de um partido. Tudo sob uma liderança habilidosa de Lula, que ajeita interesses contraditórios e camufla a reorganização política que se está esboçando”. À medida que se aproximam as eleições, diz Fernando Henrique Cardoso, “as alianças são feitas sem preocupação com a coerência político-ideológica, o que conta é ganhar as eleições”. Depois, na eventualidade de um triunfo nas urnas, “a força do Executivo se encarregará de diluir eventuais resistências de governadores e parlamentares”. Para Fernando Henrique Cardoso, o processo concebido por Lula, tocado pelo PT e encarnado por Dilma Rousseff, prevê a conversão de aliados em “vassalos”. “Mais recentemente”, escreveu Fernando Henrique Cardoso, “tem surgido a dúvida”. Ele reproduz a interrogação: “Será que a candidata petista, sem ser Lula, terá força para arbitrar entre os interesses do partido, os dos aliados e os da sociedade?” O ex-presideente, que no mês passado chamara Dilma Rousseff de “boneca de ventríloquo”, responde: “Não sei avaliar. O resultado será o mesmo: pouco a pouco, o pensamento único, agora sim, esmagará os anseios dos que sustentam uma visão aberta da sociedade. Serão esmagados os que se opõem ao capitalismo de Estado controlado por forças partidárias quase únicas infiltradas na burocracia do Estado”. Fernando Henrique Cardoso compara o projeto econômico que supõe esconder-se atrás de Dilma Rousseff ao modelo adotado pela China, uma combinação de abertura econômica e ditadura política. Ele continuya: "Há quem acredite que certo autoritarismo burocrático com poder econômico-financeiro pode favorecer o crescimento econômico. A China está aí para demonstrar que isso é possível. Mas é isso o que queremos para nós?”

Greenpeace acusada de contrabandear mogno

A Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara dos Deputados recebeu documentos de uma denúncia tão grave quanto surpreendente: a ONG internacional Greenpeace é acusada de fazer contrabando de mogno para a Europa. Mogno é uma madeira nobre, considerada espécie em extinção desde 1973. Os deputados da comissão decidiram convocar os dirigentes da ONG para depor e esclarecer a denúncia. A Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção proíbe a extração do mogno. A Diretoria Geral de Meio Ambiente da Comissão Européia recomendou proibir, em 2002, a comercialização do mogno.

Dissidente Fariñas denuncia regime "ilegítimo" dos irmãos facínoras Castro

O dissidente cubano Guillermo Fariñas, em greve de fome há mais de um mês para exigir a libertação dos presos políticos na ilha comunista, apresentou uma acusação contra o "regime ilegítimo de Fidel e Raúl Castro" perante a Comissão Interamericana de Direitos Humanos. A carta foi entregue na quinta-feira à Comissão Interamericana de Direitos Humanos, com sede em Washington, em nome do dissidente e de sua família. Fariñas baseia sua acusação na "violação legislada, sistemática, programada e executada" contra ele e sua família, e seus "direitos naturais e liberdades fundamentais reconhecidos universalmente", desde o triunfo da revolução comunista no dia 1 de janeiro de 1959. O jornalista, de 48 anos, se declara "em perfeito estado de faculdades mentais, mas em franca deterioração física" devido à greve de fome que iniciou no dia 24 de fevereiro. "Prostrado em uma cama, desejo apresentar minha acusação formal perante esta Comissão contra o regime ilegítimo de Fidel e Raúl Castro", acusa a carta. Guillermo Fariñas entrou em greve de fome em protesto pela morte do preso político Orlando Tamayo, que faleceu após 85 dias de jejum, e para pedir a liberdade dos presos políticos cubanos. Com esta ação a organização espera que "haja uma inundação de acusações de outras pessoas" perante o organismo interamericano, disse a ativista e refugiada cubana Alina Brouwer. Ela pediu à Comissão Interamericana de Direitos Humanos que envie uma missão para avaliar "com neutralidade e imparcialidade" a situação na ilha. Guillermo Fariñas lembrou que além dele há outros dissidentes em greve de fome. A Organização dos Estados Americanos e outros organismos "estiveram de costas à realidade dos cubanos. Sempre foi mais fácil deixar o tema de Cuba fora da agenda, mas os cubanos já não podem esperar mais. Deram 50 anos de chance para eles".

Serra formaliza renúncia ao governo de São Paulo

O governador de São Paulo, José Serra, pré-candidato do PSDB à Presidência, apresentou sua carta de renúncia à Assembleia Legislativa paulista na quinta-feira. O texto de renúncia foi publicado na véspera do feriado no Diário Oficial de São Paulo. "Tenho a honra de comunicar a Vossa Excelência minha decisão de candidatar-me a cargo eletivo, no próximo pleito de 3 de outubro deste ano", diz o texto: "Por esse motivo solicito que seja dado conhecimento à augusta Assembléia Legislativa de que me afasto definitivamente do cargo de Governador do Estado no dia 2 de abril de 2010". O vice, Alberto Goldman, ex-deputado federal, assume o governo paulista até o final da gestão, em dezembro. A lei eleitoral determina que os futuros candidatos nas eleições de outubro deveriam deixar cargos executivos até o sábado. Serra despediu-se publicamente do posto na última quarta-feira ao apresentar um balanço de sua gestão diante de mais de seis mil autoridades, políticos, prefeitos e servidores públicos, no Palácio dos Bandeirantes.

Argentina relembra mortos nas Malvinas e reivindica soberania

A presidente argentina, a peronista populista Cristina Kirchner, voltou a reivindicar a soberania das ilhas Falklands (Malvinas) na sexta-feira, dia em que relembrou os soldados mortos no conflito armado com a Grã-Bretanha, em 1982. Em um dos atos, a presidente afirmou que seguirá reivindicando "em todas as frentes internacionais" a soberania das ilhas. A Grã-Bretanha e a Argentina se enfrentaram em uma guerra em 1982, após a ocupação das ilhas por tropas argentinas, a partir de ordens do último ditador militar, Leopoldo Galtieri, um general de fancaria, que pretendia manter a ditadura por meio dessa ilusão para os argentinos. No conflito, encerrado em 14 de junho de 1982, com a rendição vergonhosa da Argentina, 649 argentinos e 255 britânicos morreram. Cerca de 2 mil combatentes ficaram feridos. Agora, como a peronista populista Cristina Kirchner chefia um governo absolutamente incompetente e ultra-corrupto, ela reaviva a questão da soberania sobre as Falklands para tentar reabilitar o prestígio de seu governo desmoralizado.

Chávez recebe Putin em visita à Venezuela

O ditador venezuelano, Hugo Chávez, recebeu na sexta-feira o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, que fez uma visita de 12 horas à Venezuela para impulsionar as relações bilaterais e negociar acordos. Logo depois da chegada de Putin a Caracas, ambos seguiram para o porto de La Guaira, onde subiram a bordo do veleiro-escola russo "Kruzenshtern". O ditador Chávez disse que a visita de Putin era "muito especial e importante" e que representava um "impulso na construção de um novo mundo multipolar". O ditador bolivariano adiantou que com esta visita se ampliarão os contatos em "tecnologia, indústria espacial e energia atômica", entre outros. Anote: o clown bolivariano quer desenvolver bomba atômica na Venezuela e fará isso de acordo com a Russia e a nação islâmica terrorista do Irã. Vladimir Putin e o ditador Hugo Chávez formalizaram um acordo petrolífero bilionário, para a criação de uma empresa binacional de produção e extração de petróleo na faixa petrolífera do rio Orinoco, no norte do país. Estima-se que as reservas desta faixa petrolífera, ainda em processo de certificação, tenham capacidade de 513 bilhões de barris de petróleo, o que a tornaria a maior reserva de petróleo do mundo. A parceria integra um conjunto de 31 acordos assinados pelos dois países durante a primeira visita do premiê russo à Venezuela. A estatal venezuelana PDVSA e o consórcio russo conformado pelas empresas Rosneft, Lukoil, TNK-BP, Gazprom e Surgutneftgaz devem constituir uma empresa mista para operar no campo Junín 6 da faixa petrolífera. Venezuela e Rússia estudam ainda ampliar a parceria petrolífera a outros três campos da faixa do Orinoco. O governo russo adiantou o pagamento de US$ 600 milhões ao governo venezuelano, como parte da entrada de US$ 1 bilhão que deve ser entregue para a constituição da empresa binacional. No acordo de associação, PDVSA terá 60% das ações e o consórcio russo ficará com os outros 40%. O projeto final prevê a produção de 450 mil barris diários de petróleo pesado. A inversão prevista para o empreendimento é de US$ 20 bilhões no prazo de 40 anos. Durante a visita de Putin foram entregues os quatro últimos helicópteros militares Mi-17 que completam o lote de 38 aeronaves compradas em 2006 pelo governo venezuelano. Desde 2004, a Venezuela tem investido mais de US$ 4 bilhões na compra de armamentos russos. A aliança permitiu a compra de 24 aviões de combate Sukhoi-30, 53 helicópteros de transporte e ataque e 100 mil fuzis de assalto 7,62 AK 103.

Bolívia pedirá R$ 176,5 milhões à Rússia para comprar equipamento militar

A Bolívia quer conseguir junto à Rússia um crédito superior a US$ 100 milhões (cerca de R$ 176,5 milhões) para a compra de equipamento militar de logística e helicópteros para tarefas de defesa civil. O vice-presidente boliviano, o trotskista Álvaro García Linera, disse que o presidente do país, o cocaleiro trotskista Evo Morales, discutiu o assunto na reunião que teve na sexta-feira com o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, em Caracasa. Linera lembrou que a Bolívia tenta obter, desde 2009, um empréstimo de até US$ 100 milhões para "repor material" das Forças Armadas e compra de veículos militares. O governo de Evo Morales esclareceu que o plano de equipamento e modernização das Forças Armadas não é para provocar seus vizinhos, mas para defender a unidade do país e seus recursos naturais. Uma parte do empréstimo russo serviria também para financiar a compra de um novo avião presidencial, fabricado pela empresa estatal russa Ilyushin Finance Co. O cocaleiro trotskista Evo Morales faz parte de uma aliança armamentista bolivariana que pretende aventuras militares na América do Sul, além de servir de ponte para países com governos terroristas, como o Irã.

Marcos Valério deve devolver R$ 37 milhões ao Banco do Brasil, conforme a Polícia Federal

Laudo da Polícia Federal enviado ao Supremo Tribunal Federal afirma que o publicitário Marcos Valério, apontado como operador do Mensalão do PT, deve restituir R$ 37,6 milhões ao Banco do Brasil. O valor deriva de dois contratos de propaganda entre a DNA, uma das agências de Marcos Valério, e o Banco do Brasil. A perícia do Instituto Nacional de Criminalística, da Polícia Federal, diz que foi improcedente o dinheiro recebido pela DNA Propaganda creditado como bônus de volume, no jargão do mercado publicitário. A bonificação é um pagamento feito por veículos de comunicação às agências de publicidade que cumprem metas de faturamento. Os contratos do Banco do Brasil determinam que essas bonificações concedidas pelos fornecedores (10% a 30% do valor dos pagamentos) sejam "integralmente" repassadas ao banco.

Anistia Internacional acusa Venezuela de perseguir opositores

A Anistia Internacional acusou o governo da Venezuela de perseguir alguns de seus críticos, depois da prisão de três oposicionistas nos últimos dias. Segundo a Anistia Internacional, as autoridades estão usando leis para tentar calar dissidentes. "Nos últimos anos, o governo da Venezuela parece ter estabelecido um padrão de reprimir dissidentes através do uso de métodos legislativos e administrativos para silenciar e intimidar críticos", disse uma nota da organização: "Estão sendo usadas leis para justificar o que essencialmente parecem ser acusações com motivação política, que indicariam que o governo venezuelano está atingindo opositores deliberadamente". O ex-governador do Estado de Zulia, Oswaldo Álvarez Paz, o deputado da oposição Wilmer Azuaje e o diretor da emissora de televisão Globovisión, Gillermo Zuloaga, foram processados em março. A ditadura da Venezuela diz que as acusações foram justificáveis. Oswaldo Álvarez Paz foi preso no dia 22 de março, após ter dito em uma entrevista que a Venezuela se tornou um centro de operações de facilitação do narcotráfico, e agora se encontra detido na sede dos serviços nacionais de inteligência, disse a Anistia Internacional. Azuaje, um crítico do ditador Hugo Chávez, foi preso no dia 25. Ele foi acusado de ter insultado e agredido um policial. Zuloaga foi preso na mesma data e acusado de disseminar informações falsas e ofender o ditador Chávez em declarações que fez em uma reunião da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) em Aruba.

Presidente chileno Piñera diz ter feito mais em 20 dias do que oposição em 20 anos

O presidente chileno, Sebastián Piñera, defendeu na quinta-feira sua gestão, iniciada há 20 dias, ao afirmar que nesse breve período se avançou 'mais' do que nas administrações anteriores, da coalizão Concertación. "Em 20 dias eu sinto que avançamos mais que outros, talvez, em 20 anos", afirmou ele, referindo-se às gestões da aliança de esquerda, que governou o país desde o fim da ditadura militar (1973-1990) e perdeu nas últimas eleições presidenciais. Também a sua porta-voz, Ena Von Baer, saiu em defesa do governo respondendo às críticas da oposição contra o plano "Mãos à Obra", anunciado nesta quarta-feira pelo mandatário. "Estamos em um caso de emergência e atuamos neste momento de forma absolutamente legal, nos concentrando no que importa, fazer com que as ajudas cheguem o mais rápido possível às vítimas, e vamos precisar também da ajuda das pequenas e médias empresas", apontou Van Baer. A representante de Piñera respondeu assim às acusações feitas por opositores após o anúncio de que três grandes companhias forneceriam os insumos necessários às obras de reconstrução dos locais destruídos pelo terremoto do dia 27 de fevereiro. O plano "Mãos à Obra", que conta com um orçamento de oito bilhões de pesos (equivalente a R$ 127 milhões), favorecerá cerca de 40 mil famílias com auxílio à reparação de suas moradias.

Exportação de minério de ferro do Brasil sobe 25,7% no primeiro trimeste

As exportações brasileiras de minério de ferro (a maior parte delas feita pela Vale) aumentaram 25,7% no primeiro trimestre de 2010, ante o mesmo período do ano passado, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior. As vendas externas do Brasil somaram 71,8 milhões de toneladas nos primeiros três meses do ano, contra 57,1 milhões registrados no primeiro trimestre de 2009, quando as vendas brasileiras sofreram o impacto da crise internacional. Em março de 2010, o Brasil exportou 27,35 milhões de toneladas de minério, informou na quinta-feira a Secex, o maior volume embarcado desde setembro de 2009, quando as exportações da commodity somaram 28,24 milhões de toneladas. Embora a exportação de minério de ferro do Brasil tenha crescido em março para 27,3 milhões de toneladas, ante 22,1 milhões de toneladas no mesmo mês de 2009, os preços médios do minério exportado no período caíram para US$ 52,3 por tonelada, ante US$ 59,6 por tonelada em março do ano passado. A receita com as exportações brasileiras de minério de ferro somou US$ 1,42 bilhão em março, ante US$ 1,31 bilhão no mesmo mês do ano passado, informou o governo.