sábado, 16 de janeiro de 2010

Militares brasileiros montam restaurante de guerra no Haiti

Os militares brasileiros que prestam apoio às vítimas no Haiti montaram na sexta-feira um restaurante de guerra para fornecer alimentação às tropas em missão de resgate depois do terremoto de magnitude 7 que atingiu a região na terça-feira. Segundo o capitão Isaías Lopes dos Santos Junior, do centro de comunicação social da base aérea da Aeronáutica no Galeão, no Rio de Janeiro, o chamado mapre (módulo de alimentação para pontos remotos) oferecerá agilidade e conforto para que os militares façam refeições: "Em situação de guerra, as equipes têm pouco tempo e pouco recurso para fazer comida. Com o mapre é possível produzir alimento de boa qualidade em pouco tempo,o que facilita a logística de apoio à tropa que está no Haiti". Santos Junior disse que, no restaurante, serão distribuídos aos militares brasileiros desde "ração operacional", comida pré-preparada, como biscoitos de alta caloria, e alimentos já desidratados, a comida comum, como arroz, feijão e carne. De acordo com o capitão, o restaurante de guerra funciona em um caminhão montado em área de fácil acesso aos militares.

ONU quer transformar estádio de Porto Príncipe em hospital de campanha

A ONU avalia com as autoridades do Haiti a possibilidade de usar o estádio nacional de Porto Príncipe para instalar um hospital de campanha no qual trabalharão equipes médicas internacionais. Segundo o Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários, a distribuição de comida e de assistência médica humanitária começou em Porto Príncipe logo após o terremoto. No entanto, a entidade reconhece que "é inevitável que a escala dessa ajuda seja limitada por enquanto." De acordo com os últimos relatos da ONU e do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, algumas das regiões mais afetadas pelo tremor tiveram um nível de destruição de entre 50% e 70%.

Caos logístico prejudica ajuda a haitianos após tremor

Suprimentos de emergência e equipes de resgate e socorro estrangeiras estão chegando ao Haiti, mas os sobreviventes do sismo que atingiu o país na terça-feira têm afirmado que ainda não começaram a receber ajuda. Um motivo disso é a dificuldade logística para levar assistência e gêneros de primeira necessidade aos sobreviventes, já que a infraestrutura do Haiti foi bastante danificada pelo terremoto. A primeira dificuldade está no pequeno aeroporto internacional de Porto Príncipe, que está no limite com sua capacidade no limite para dar conta de todo o tráfego de aviões com ajuda, que chegam de vários países. Com o terremoto, a torre de controle e os radares não estão funcionando, e militares norte-americanos assumiram o controle do tráfego aéreo. Na quinta-feira, os aviões que chegavam tiveram que circular sobre o aeroporto durante horas, e as aeronaves que deixavam o local não tinham combustível o suficiente, pois o produto está em falta no país. Outra possível entrada em Porto Príncipe, o principal porto da capital haitiana, está fechado para navios de carga devido aos graves danos causados pelo terremoto. Os Estados Unidos estão enviando três embarcações anfíbias de assalto, vários navios de guerra da Guarda Costeira e o porta-aviões USS Carl Vinson, que vai operar como um "aeroporto flutuante" para operações de ajuda com o uso de seus 19 helicópteros. As estradas foram bloqueadas pelos escombros e carros esmagados e algumas rotas terrestres foram simplesmente destruídas, o que cortou o acesso das agências de ajuda aos seus armazéns. As estradas para a República Dominicana também foram danificadas. O país também está enfrentando problemas no setor de segurança. Estão ocorrendo tumultos, saques e disparos com armas de fogo na capital, junto com tentativas de sequestro de caminhões que levam suprimentos e ajuda. A FAO informou que seus armazéns foram saqueados, e algumas equipes de resgate afirmam que foram obrigadas a paralisar os trabalhos durante a noite.

Eduardo Suplicy nega resistência do PT e mantém seu nome na disputa ao governo de São Paulo

Em meio à pressão da cúpula petista para que retire sua pré-candidatura ao governo de São Paulo, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) disse na sexta-feira que mantém sua disposição em disputar o governo estadual nas eleições de outubro. Suplicy deu início a uma corrida no Estado em busca de apoio de petistas à sua candidatura e negou que o PT tenha resistências ao seu nome. "Não é verdade que pessoas do PT não me levam em conta. Pode ser que um ou outro tenha essa opinião, mas não é verdade", afirmou. Suplicy negou que tenha sido pressionado pela cúpula do partido a desistir da pré-candidatura, embora nos bastidores petistas tenham admitido que o seu nome não deve emplacar na corrida pelo governo de São Paulo. Questionado sobre os movimentos do partido para lançar o senador Aloizio Mercadante (PT-SP) ao Palácio dos Bandeirantes, Suplicy disse que este parlamentar negou publicamente sua intenção de entrar na disputa. Suplicy precisa tomar cuidado com Mercadante, um especialista em retratações.

Turco que tentou matar papa João Paulo 2º deixará prisão nesta segunda-feira

Depois de 30 anos atrás das grades, Mehmet Ali Agca, o turco que tentou matar o papa João Paulo 2º (1920-2005) em maio de 1981, deixará a prisão de Ancara nesta segunda-feira, com projetos ambiciosos de escrever um livro e fazer um filme sobre os fatos. Mas, antes, pretende sair de férias. "Ele ficará por dois dias em um hotel de Ancara e depois vai descansar durante duas semanas em um lugar de veraneio", informou em um comunicado o advogado Achi Ali Ozhan. Agca, de 52 anos, Agca recebeu mais de 50 ofertas para livros, filmes e documentários e as negociações estão em andamento, disse o advogado. Segundo Ozhan, Agca também pretende viajar para a Cidade do Vaticano para prestar reverência ao túmulo do papa João Paulo 2º e se reunir com o papa Bento 16. Mehmet Ali Agca foi preso na Turquia depois de sua extradição da Itália em 2000 por vários crimes que havia cometido antes de tentar assassinar o papa João Paulo 2º, em 13 de maio de 1981, na Praça São Pedro, no Vaticano. O papa ficou gravemente ferido. As motivações do ataque e a identidade daqueles que estariam por trás de Agca continuam sendo um mistério. Na Turquia, este ex-militante de extrema direita foi condenado pelo assassinato de um conhecido jornalista turco, Abdi Ipekci, e por dois assaltos praticados nos anos 70.

Vale negocia compra de ativos de fertilizantes da Bunge no País

A Vale está em negociações com a Bunge para comprar ativos da empresa no segmento de fertilizantes no Brasil, informaram as duas companhias na sexta-feira. A Vale afirmou ainda que a transação não deve ultrapassar US$ 3,8 bilhões, conforme sua avaliação dos ativos negociados. O negócio com a Bunge do Brasil, subsidiária da Bunge Limited, inclui a participação de 42,3% da empresa na Fosfertil, a maior produtora brasileira de matérias-primas para fertilizantes. O negócio, se confirmado, poderia representar, além do fortalecimento da Vale no setor de fertilizantes, uma volta ao passado: em 2003, a mineradora vendeu a sua participação na Fosfertil para a Bunge por R$ 240 milhões. "O portfólio total de ativos compreende minas de rocha fosfática e unidades de produção de fertilizantes intermediários com base em fósforo (fosfatados) e nitrogênio (nitrato de amônio e uréia).

Gisele Bündchen doa US$ 1,5 milhão para ajudar Haiti

A modelo brasileira Gisele Bündchen enviou um cheque no valor de US$ 1,5 milhão para a Cruz Vermelha com o objetivo de ajudar as vítimas do terremoto que atingiu o Haiti na última terça-feira. A informação foi divulgada pelo jornal "Boston Globe". Gisele, que continua na liderança do ranking das modelos mais bem pagas do mundo, é mais uma das celebridades envolvidas na arrecadação de fundos para ajudar as vítimas do desastre. Entre os nomes que já colaboraram com a ajuda humanitária estão o casal de atores Brad Pitt e Angelina Jolie, o rapper Wyclef Jean e a apresentadora Oprah Winfrey.

Lula diz que Comissão da Verdade não é "caça às bruxas"

O presidente bolivariano Lula afirmou nesta sexta-feira que a criação da Comissão da Verdade, prevista no Programa Nacional de Direitos Humanos, não pretende fazer uma "caça às bruxas" e disse que não há motivos para ter medo de apurar a verdade da história do País. A criação de uma comissão especial para investigar casos de violação de direitos humanos durante a ditadura militar gerou desentendimentos entre representantes das Forças Armadas e a pasta de direitos humanos. Na última segunda-feira, Lula assinou um decreto criando um grupo de trabalho para tratar da criação da comissão e retirou do texto o termo "repressão política", que desagradava os militares. "O que está criando caso é a Comissão da Verdade, ou seja, neste País não há porque ninguém ter medo de a gente apurar a verdade da história do Brasil. E você pode fazer com a forma tranquila e pacífica que nós estamos fazendo. Não se trata de caça às bruxas, trata-se apenas de você pegar 140 pessoas que ainda não encontraram os seus parentes que desapareceram, e que essas pessoas possam ter o direito de encontrar o cadáver e enterrar", disse Lula, no Maranhão.

Perdas do JPMorgan com hipotecas preocupam mercado e ação cai

O JPMorgan, segundo maior banco dos Estados Unidos em ativos, apresentou na sexta-feira lucro melhor que o esperado para o quarto trimestre, mas as perdas com hipotecas e empréstimos comerciais continuaram a crescer e suas ações caíram. Analistas esperavam ver que o JPMorgan, considerado um dos bancos norte-americanos mais bem administrados, mostrasse sinais de que os custos com créditos estivessem se nivelando ou mesmo começando a cair. O banco, com sede em Nova York, apresentou um lucro de US$ 3,3 bilhões, ou US$ 0,74 por ação, contra US$ 702 milhões, ou US$ 0,06, um ano antes. A receita total foi de US$ 25,2 bilhões, abaixo das expectativas de analistas de US$ 26,8 bilhões. O JPMorgan, visto como um dos bancos que melhor sobreviveram à crise financeira, sofreu perdas crescentes em sua unidade de cartão de crédito e portfólio de hipotecas no último ano.

Cuba permite que Estados Unidos usem seu espaço aéreo para vôos para o Haiti

Os Estados Unidos anunciaram na sexta-feira que obtiveram o consentimento das autoridades cubanas para utilizar seu espaço aéreo a fim de acelerar a chegada de ajuda humanitária ao Haiti. "Coordenamos com as autoridades cubanas a autorização para fazer vôos de retirada médica a partir da base norte-americana de Guantánamo para Miami, Flórida, economizando 90 minutos por vôo", declarou a Casa Branca em um comunicado. Entre Estados Unidos e Cuba já existe um acordo que permite sobrevoar o espaço aéreo cubano em casos de emergência médica, mas, agora, os Estados Unidos pediram que essa permissão fosse estendida de forma permanente. Cuba e Estados Unidos não mantém relações oficiais desde 1961. A base naval dos EUA em Guantánamo foi fundada em 1898, durante a guerra Hispano-Americana. Um tratado de 1934 determina que ela só pode ser devolvida a Cuba por acordo mútuo ou uma saída unilateral dos Estados Unidos.

Controladora da Parmalat recebe injeção de R$ 120 milhões

A Laep Investments, controladora da marca Parmalat, anunciou na sexta-feira que vai receber uma injeção de recursos financeiros da ordem de R$ 120 milhões pelo fundo de investimento Global Yield Fund Limited, por meio da subscrição de novas ações. Os recursos devem ser utilizados para reforço de capital de giro e pagamento de dívidas. Em comunicado ao mercado, a companhia afirma que a operação é "determinante para o seu fortalecimento no contexto das iniciativas em curso perante empresas do setor de alimentos" e reforçou que vai manter sua decisão de "buscar soluções definitivas para o futuro estratégico de suas operações", em texto assinado pelo diretor de relações com investidores, Rodrigo Ferraz Pimenta da Cunha.

França pede ao Clube de Paris que anule dívida de R$ 137 milhões do Haiti

A França pediu na sexta-feira ao Clube de Paris que anule a dívida de 54 milhões de euros (R$ 137 milhões) do Haiti, anunciou a ministra francesa da Economia, Christine Lagarde, que pedirá à Venezuela uma medida similar. A medida visa aliviar o orçamento haitiano após o terremoto de terça-feira, que devastou a capital Porto Príncipe e deixou milhares de mortos, incluindo 17 brasileiros. Os credores do Clube de Paris chegaram a um acordo em julho do ano passado para cancelar a dívida do Haiti, país mais pobre do continente. Contudo, cada país deve assinar um acordo bilateral com o Haiti para viabilizar a medida. Bélgica, Canadá, Dinamarca, Alemanha, Itália, Holanda, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos participaram das negociações para o cancelamento da dívida. A França já anulou de forma unilateral 4 milhões de euros (R$ 10 milhões) dos 58 milhões de euros (R$ 147 milhões) da dívida haitiana.

Anotações de executivo da Camargo Corrêa sugerem propinas

O relatório final da Polícia Federal sobre a Operação Castelo de Areia, suspensa na última quinta-feira pelo Superior Tribunal de Justiça, revela que as principais evidências de um suposto pagamento de propina por parte da Camargo Corrêa a políticos ou autoridades públicas partiram de arquivos pessoais e extremamente detalhados do diretor da empresa Pietro Francesco Giavina Bianchi. Em dezenas de anotações manuscritas, digitalizadas e arquivadas em dois pendrives atribuídos a Bianchi, há informações sobre o andamento de obras públicas com o nome de autoridades públicas e valores em dólares e em reais. Em alguns casos, o documento é seguido por comprovantes de transferência bancária internacional, os chamados "swifts", cujos valores eram similares ao do suposto pagamento, o que leva as autoridades brasileiras a acreditar em um suposto acerto de contas no Exterior. Para a Justiça, apenas os documentos digitalizados e apreendidos, sem uma comprovação efetiva da ocorrência de pagamentos, não configuram por si só prova contra as pessoas citadas.

Reservas da Petrobras caem 1,5% em 2009

As reservas provadas da Petrobras em 2009 tiveram redução de 1,5%, segundo critérios da SPE (Society of Petroleum Engineers), utilizado pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natual e Biocombustíveis). No final do ano passado, as reservas totalizaram 14,865 bilhões de barris de petróleo e gás natural. Segundo a estatal, a retração se deve à retirada das reservas da Bolívia, já que a nova Constituição daquele país proíbe o registro de volumes de petróleo e gás por parte das empresas privadas. De acordo com a SPE, foram agregados 652 milhões de boe, e produzidos 872 milhões de boe. Isso resultou numa queda de 220 milhões de boe em relação às reservas de 2008 (15,085 bilhões de boe). Já pelo critério da SEC (Securities and Exchange Comission), as reservas da Petrobras apresentaram crescimento de 9% frente a 2008, somando 12,143 bilhões de boe (barris de óleo equivalente). Pela SEC, foram apropriados 1,824 bilhões de boe, e produzidos 872 milhões de boe. Isso significou um aumento de 952 milhões de boe em relação às reservas de 2008 (11,191 bilhões de boe). No Brasil, as reservas provadas da estatal tiveram acréscimo de 0,5% em 2009, totalizando 14,169 bilhões de barris de petróleo e gás, segundo o critério da SPE. Foram incorporados 861 milhões de barris de boe, no Brasil, diante de uma produção de 785 milhões de boe. Para cada barril de óleo equivalente extraído em 2009, no País, foi apropriado 1,10 boe. Com isso, o chamado IRR (Índice de Reposição de Reservas) foi de 110%. Assim, a relação Reserva/Produção ficou em 18 anos, ou seja, se não ocorrerem novas descobertas, a produção de petróleo no País acabaria em 18 anos. Ainda segundo a SPE, as reservas internacionais da companhia tiveram retração de 30% em relação a 2008, influenciado pela questão boliviana.

Ministério da Agricultura nega ter aprovado decreto de Lula

O Ministério da Agricultura realizou estudo comparativo entre a versão original e o decreto final do 3º Plano Nacional de Direitos Humanos e concluiu que o texto foi alterado depois de avalizado pelos assessores do ministro Reinhold Stephanes. O ministro aguarda um chamado do presidente Lula para pedir a revisão das partes referentes à pasta. O trecho do decreto que mais provocou reações no ministério e no setor ruralista não está na versão original: é a parte que acusa o agronegócio de não ter preocupação com índios e pequenos produtores. Para o ministro, trata-se de uma visão "preconceituosa e equivocada".

Físico substitui Marco Antonio Zago na presidência do CNPq

O presidente do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), o médico e cientista Marco Antonio Zago, deve deixar o cargo até o fim do mês para ocupar a pró-reitoria de pesquisa da USP. Em seu lugar deve entrar o físico Carlos Aragão Filho, professor da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Aragão, que trabalha na área de física de partículas, foi diretor de desenvolvimento da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos).

Estudo vê risco de epidemia de HIV resistente a medicamentos

O aumento da circulação de variantes do HIV resistentes ao tratamento com antirretrovirais nos Estados Unidos pode provocar uma epidemia do tipo de "supervírus" com início nos países desenvolvidos. O alerta é de um estudo publicado na edição de sexta-feira na revista "Science", que analisou a dinâmica de transmissão do vírus em San Francisco, na Califórnia. Nos últimos 20 anos, a presença do vírus resistente cresceu de forma significativa na cidade, assim como na maioria dos países ricos, onde o tratamento com antirretrovirais é comum. Como os soropositivos podem transmiti-lo para mais de uma pessoa, os pesquisadores afirmam que a ameaça de epidemia nesses países é real. Para mapear a evolução do HIV em São Francisco, os cientistas criaram um modelo matemático com os dados das infecções nas últimas duas décadas. A simulação considerou a transmissão dos três tipos de HIV resistentes aos principais antirretrovirais do mercado. A partir dessas informações identificaram os fatores do tratamento que levaram à resistência aos medicamentos. O modelo mostrou que muitos dos HIV resistentes, que têm evoluído nos últimos dez anos, são transmitidos de uma pessoa para outra mais facilmente do que se acreditava. Essa nova dinâmica, dizem os cientistas, tem potencial para provocar uma nova onda de resistência aos medicamentos. Embora os remédios tenham conseguido manter a taxa de transmissão do HIV resistente abaixo de 15% do que seria esperado, cerca de 60% dos vírus desse tipo têm potencial para causar epidemias autossustentáveis caso saiam do controle.

TSE faz resolução para barrar doação oculta nas eleições

O Tribunal Superior Eleitoral) vai divulgar uma resolução para reprimir a realização das doações eleitorais que não permitem a identificação dos candidatos beneficiados, as doações ocultas. Também foram elaboradas resoluções com regras para permitir a realização de contribuições eleitorais por meio de cartões de crédito e pela internet. As minutas dessas disposições foram elaboradas pelo ministro Arnaldo Versiani, do Tribunal Superior Eleitoral. Os textos ainda dependem de aprovação do plenário do tribunal e serão submetidos a audiências públicas nos dias 2, 3 e 4 de fevereiro. Atualmente o mecanismo para realizar as doações ocultas é o seguinte: os financiadores repassam os valores para os partidos, sem identificar os candidatos que receberão as quantias, e os partidos fazem a distribuição dos recursos aos políticos nas eleições sem revelar a fonte dos financiamentos. Nos últimos meses ministros do Tribunal Superior Eleitoral manifestaram preocupação com a manutenção desse tipo de caminho de doação, que prejudica a transparência. O texto da nova resolução do TSE determina expressamente que em ano eleitoral os partidos sejam obrigados a "discriminar a origem e a destinação dos recursos repassados a candidatos e comitês financeiros".