sábado, 1 de agosto de 2009

Arthur Virgilio diz que Lula já “largou Sarney”

O líder do PSDB no Senado Federal, senador Arthur Virgílio (AM), disse nesta sexta-feira que a mudança de tom do presidente Lula em relação à crise do Senado era esperada, uma vez que, segundo ele, o presidente já havia abandonado outros aliados que passaram por problemas parecidos. "Lula já tinha largado ao mar o Renan Calheiros quando ele teve que ficar pedindo voto no plenário para não ser cassado, com uma humildade que já perdeu. Largou o Romero Jucá quando ele era ministro da Previdência e enfrentou denúncias. E agora largou o Sarney", disse Arthur Virgílio, em referência à declaração dada por Lula na quinta-feira, na qual ele afirmou que "quem tem de decidir se Sarney tem de ficar na presidência do Senado é o Senado", e não ele. Obviamente, isso é pura retórica de Arthur Virgílio, porque Lula e o PT estão mais grudados em Sarney do que cachorro em osso.

Cabo Anselmo reaparece em São Paulo e quer anistia

Um dos personagens mais controversos e polêmicos da história recente do Brasil, o cabo Anselmo, deu na quinta-feira o último passo para voltar a ser José Anselmo dos Santos, nome de batismo do ex-marujo que precipitou a queda do governo João Goulart e marcou o início da ditadura militar (1964-85). Vivendo clandestino e sem documentos oficiais há 45 anos, quando foi preso e expulso da Marinha, Anselmo fez na 8ª Vara da Justiça Federal de São Paulo o exame para comparar suas impressões digitais com as que constam em documentos disponibilizados pela Força. Este é o último passo do processo em que a União foi forçada, em dezembro, a apresentar dados que durante anos foram considerados desconhecidos. A Marinha disponibilizou ficha "individual datiloscópica" e um "prontuário de identificação". A cópia de sua certidão de nascimento não foi encontrada nos arquivos da corporação nem no cartório de Itaporanga d'Ajuda, no interior de Sergipe, onde ele nasceu e foi registrado. Em pouco mais de 40 minutos, Anselmo tirou suas impressões digitais. A conclusão vai ser apresentada em 30 dias. Só depois ele poderá retirar novamente carteira de identidade, CPF e título de eleitor, e passará a ser o último dos beneficiados pela Lei de Anistia. "Até que enfim", comemorou Anselmo. Após reaver os documentos, o que ele mais espera é ter julgado o pedido de reparação protocolado na Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, em 2004, apesar de esperar pouco. Líder da revolta dos marinheiros em 64, Anselmo atuou em várias organizações da esquerda armada, que ele próprio ajudou a destruir depois como informante do Dops (Departamento de Ordem Política e Social), em São Paulo. Era protegido do famigerado delegado Sérgio Paranhos Fleury, um dos nomes mais associados à tortura e morte no período.