terça-feira, 9 de dezembro de 2008

IBGE aponta setor da construção como destaque na alta do PIB da indústria

A taxa de 7,1% do crescimento do PIB da indústria no terceiro trimestre deste ano, ante igual período no ano passado, foi a maior taxa de expansão desde o segundo trimestre de 2004, quando o PIB da indústria subiu 12,1%, disse a economista Amanda Tavares, da Coordenação de Contas Nacionais do IBGE. O resultado foi praticamente equivalente ao crescimento apurado para o setor no segundo trimestre de 2007, quando o PIB da indústria subiu 7% ante igual período no ano anterior. Durante a apresentação dos dados do PIB do terceiro trimestre, a gerente de Contas Trimestrais do IBGE, Rebeca Palis, informou que, no terceiro trimestre deste ano, na comparação com igual trimestre do ano passado, houve expressivas taxas de crescimento do PIB dos segmentos componentes da indústria, como construção (11,7%); extrativa mineral (7,8%); indústria da transformação (5,9%); e serviços industriais de utilidade pública (5,7%). "Mas o destaque, entre esses setores, foi o setor da construção", afirmou Rebeca, lembrando que a construção foi fortemente beneficiada por um "aumento de crédito direcionado para o setor".

Ministro Paulo Bernardo diz que PIB cresce 5% mesmo com atividade zero no 4º trimestre

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse nesta terça-feira que o PIB crescerá 5% este ano mesmo que o resultado da atividade econômica no último trimestre seja nulo. Paulo Bernardo disse que a expansão "foi freada bruscamente" pela crise financeira internacional. Os efeitos mais danosos da crise sobre a economia brasileira foram percebidos a partir da segunda quinzena de setembro e já provocaram uma retração da atividade industrial no mês de outubro. Os dados do quarto trimestre serão divulgados pelo IBGE só no próximo ano. "Mesmo que não cresça nada no quarto trimestre, a economia crescerá 5% ou um pouco mais este ano", disse Paulo Bernardo. "O PIB do quarto trimestre não vai dar zero porque o comércio está vendendo muito", disse Lula a Paulo Bernardo. Ele lamenta que os efeitos danosos da crise aconteçam justamente em "um momento de embalo da economia". Assegurou, no entanto, que o governo vai trabalhar para criar as condições para garantir um crescimento da economia de 4% em 2009. A expectativa de que a atividade econômica não cairá no último trimestre está sendo sustentada nas análises do governo por informações de que setores afetados pela crise financeira começam a exibir sinais de retomada dos negócios, disse Paulo Bernardo. Segundo ele, em reunião na semana passada, os dirigentes da Câmara Brasileira da Construção Civil (CBIC) garantiram que foram retomadas as vendas de imóveis em novembro, embora em escala menor.

Celso Amorim diz que Brasil rejeita idéia de perdoar dívida do Paraguai

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmou nesta terça-feira que o governo brasileiro não aceita a proposta do Paraguai de "perdão" da dívida de US$ 19,6 bilhões relacionada à obra de construção da usina hidrelétrica de Itaipu. Aos senadores da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, Amorim disse que o Brasil não concorda com o argumento paraguaio de que essa dívida é "espúria" nem com o conceito de que o Paraguai será soberano apenas na medida em que puder exportar a terceiros países sua cota de energia elétrica de Itaipu. Segundo Amorim, os termos da proposta paraguaia são "pretensões irrealistas". De forma categórica, Amorim deixou claro que o Tratado de Itaipu não será reformado. Ele fez a afirmação em depoimento na Comissão de Relações Exteriores participando de audiência pública sobre a polêmica em torno de empréstimos concedidos pelo BNDES a países da América do Sul, como o Equador, e as providências adotadas pelo governo brasileiro para garantir o pagamento das dívidas. O Paraguai firmou em 1973 o contrato de construção da usina hidrelétrica binacional de Itaipu sobre o rio Paraná. A partir de 1986, a instalação começou a gerar eletricidade. De acordo com o contrato, os dois países possuem partes iguais da energia gerada. Porém o documento estabelece que, como os paraguaios consomem a produção de somente uma de suas turbinas, está obrigado a vender o resto dessa energia para o Brasil. Em troca, o País entrega uma gratificação anual, atualmente em pouco mais de US$ 100 milhões. Além disso, Assunção recebe anualmente outros US$ 300 milhões, como compensação pela água utilizada, pelos terrenos alagados pela represa, pelo impacto ambiental e como reajuste tarifário da eletricidade.

Iata projeta perda de US$ 2,5 bilhões para setor aéreo em 2009

A Associação Internacional do Transporte Aéreo (Iata), entidade suíça que representa cerca de 230 companhias aéreas responsáveis por 93% do tráfego aéreo agendado internacional, prevê que o setor terá prejuízo de US$ 2,5 bilhões em 2009. Para 2008, a previsão é de prejuízo de US$ 5 bilhões. Essa estimativa é menor do que a que foi anunciada em setembro, quando a Iata disse esperar um prejuízo em 2008 de US$ 5,2 bilhões. A revisão foi atribuída ao rápido declínio dos preços dos combustíveis. Apesar dessa previsão de diminuição do prejuízo no ano que vem em comparação com 2008, a Iata espera que o clima de pessimismo irá continuar. "A perspectiva é ruim", disse o diretor-geral da associação, Giovanni Bisignani. "A crise crônica no setor continuará em 2009. Enfrentamos o pior ambiente de receita em 50 anos”, acrescentou ele. A receita do setor no ano que vem deverá recuar para US$ 501 bilhões, dos US$ 536 bilhões previstos para 2008. A queda é a primeira desde a registrada entre 2001 e 2002. Ao mesmo tempo, o tráfego de passageiros deverá recuar 3%, depois de expandir 2% em 2008.

Ministro Guido Mantega admite que crise já prejudica arrecadação do governo

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, admitiu nesta terça-feira que o ritmo de crescimento da arrecadação do governo federal já diminuiu em novembro, como reflexo da desaceleração da economia a partir de outubro, devido aos efeitos da crise financeira internacional. "A arrecadação continua crescendo, mas menos do que estava antes", afirmou o ministro. Segundo ele, as receitas administradas (exceto taxas e contribuições controladas por outros órgãos) deverão fechar o ano conforme o previsto, em cerca de R$ 470 bilhões. De acordo com o ministro, esse crescimento menor agora será compensado porque a arrecadação no início do ano cresceu "a maior". Mantega disse que o crescimento da arrecadação vai permitir que o governo termine o ano com o melhor desempenho fiscal da série histórica. No mês passado, a arrecadação ficou, em termos brutos, cerca de R$ 3,5 bilhões abaixo do programado. O resultado representa queda de 6% em relação às metas da equipe econômica e não inclui a arrecadação com royalties, dividendos de estatais e receitas não administradas pela RFB. Guido Mantega avalia que as contas externas brasileiras vão se ajustar com o "novo câmbio". Na sua avaliação, "tudo indica" que o câmbio ficará numa posição mais favorável para as exportações brasileiras. "Eu conto muito com a mudança cambial para o estímulo das exportações brasileiras. As exportações ficarão mais competitivas. Essa que é verdade. Nós ganhamos competitividade com o dólar R$ 2,30, R$ 2,40 e R$ 2,50", disse ele. Ele ressaltou que com esse novo câmbio as exportações brasileiras ficam mais baratas, o que "automaticamente" faz um ajuste das contas externas. "As contas externas vão ser ajustadas principalmente pelo novo câmbio. Um dos ajustes que foram feitos na economia é que nós tínhamos uma valorização cambial excessiva. O real estava muito valorizado e isso prejudicava as exportações brasileiras. Encarecia as exportações e barateava as importações", afirmou Mantega.

Bancos hipotecários nos Estados Unidos foram advertidos com antecedência sobre a crise

Os diretores das casas gigantes norte-americanas do mercado hipotecário, Fannie Mae e Freddie Mac, foram advertidos vários meses antes sobre os créditos hipotecários de risco ("subprime"), segundo reportagem desta terça-feira publicada pelo jornal "The Washington Post". "Documentos internos da Freddie Mac mostram que os dirigentes do grupo foram advertidos há anos sobre o fato de que ofereciam empréstimos hipotecários que colocavam em perigo a sociedade, criavam dificuldades para quem pegava os empréstimos e desenvolviam empréstimos mais arriscados em todo o setor", diz a reportagem. Devido ao risco que faziam pesar sobre o sistema financeiro norte-americano, com bilhões de dólares de perdas, a Fannie Mae e a Freddie Mac foram colocadas em setembro sob a tutela do poder público, além de uma ajuda de US$ 200 bilhões anunciada pelo Departamento do Tesouro. No episódio mais recente envolvendo as duas e a Ginnie Mae (a outra empresa hipotecária que conta com apoio do governo), o Federal Reserve anunciou que irá empregar até US$ 500 bilhões na compra de títulos lastreados em hipotecas que haviam sido garantidas pelas três. Na última sexta-feira a Associação de Bancos de Hipotecas informou que a porcentagem de mutuários nos Estados Unidos que não conseguiram honrar os pagamentos mensais de suas hipotecas subiu ao número recorde de 6,99% no terceiro trimestre do ano.

New York Times anuncia intenção de hipotecar sua sede

Em meio a uma séria crise no setor editorial norte-americano, o jornal New York Times anunciou nesta segunda-feira a intenção de hipotecar a própria sede, para conseguir arrecadar US$ 225 milhões. O jornal divulgou em seu site a intenção de hipotecar o arranha-céu projetado pelo arquiteto italiano Renzo Piano em Manhattan para fazer frente a uma dívida de superior a US$ 1 bilhão, gerada em parte por causa da forte retração no mercado dos anúncios publicitários.

Crise global pode elevar Brasil à condição de 8ª economia do mundo

A crise econômica global pode elevar a economia brasileira da décima para a oitava posição no ranking das maiores economias do mundo, segundo estudo divulgado pela consultoria britânica CEBR (Centro para Pesquisas Econômicas e de Negócios). De acordo com o estudo, que faz previsões sobre o comportamento das principais economias do mundo neste e no próximo ano, o PIB do Brasil ultrapassaria os PIBs de Espanha e Canadá, dois países fortemente atingidos pela crise. O Centro Para Pesquisas Econômicas e de Negócios prevê uma queda ligeira do PIB brasileiro entre 2008 e 2009 em dólares (de US$ 1,7 trilhão para US$ 1,6 trilhão), mas ainda assim bem menor do que a maioria das principais economias globais. Nas últimas semanas, dados sobre a economia brasileira fizeram com que analistas revisassem para baixo suas projeções de crescimento para o Brasil, especialmente para o último trimestre de 2008 e o primeiro de 2009. Mesmo assim, segundo economistas, o Brasil deverá crescer acima da média mundial e está menos exposto à crise do que em ocasiões anteriores. O estudo britânico prevê ainda uma queda acentuada da Grã-Bretanha no ranking das maiores economias globais, da quinta para a sétima posição, e do Canadá, que passaria da nona para a 13ª posição. Além do Brasil, a Índia também ganharia duas posições no ranking entre 2007 e 2009, tornando-se a décima maior economia mundial em termos absolutos. O Centro prevê que as economias da Grã-Bretanha e da Itália devem ser as mais prejudicadas pela atual crise econômica.

Justiça gaúcha autoriza quebra dos sigilos telefônico e bancário de médico assassinado em Porto Alegre

A Justiça gaúcha autorizou nesta segunda-feira a quebra dos sigilos bancário e telefônico do vice-presidente do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul, Marco Antônio Becker, assassinado no fim da noite da última quinta-feira. O pedido havia sido feito no sábado pela Polícia Civil. Com a decisão, a força-tarefa formada para cuidar da morte do médico oftalmologista pretende confirmar duas das principais linhas de investigação. De acordo com o delegado Ranolfo Vieira Júnior, diretor do Departamento Estadual de Investigações Criminais, os motivos do crime estão ligados a atividades profissionais da vítima no Conselho Regional de Medicina e também a questões pessoais, como dívidas envolvendo jogos. A quebra de sigilo telefônico pode revelar os últimos contatos suspeitos feitos pelo médico, principalmente com pessoas que ele teve algumas divergências. Já a quebra do sigilo bancário pode confirmar se ele tinha dívidas. Uma sentença judicial determinava que Becker deveria pagar a um hotel cassino do Uruguai uma dívida de quatro anos atrás relativa a jogos. Becker teria deixado um cheque sem fundo para o hotel localizado em Punta del Leste. O valor do cheque é de R$ 44,7 mil. Este caso, pelo modo como está andando, leva todo cheiro de repetição do caso do assassinato do radialista e deputado estadual José Antonio Daudt, que está insolúvel até hoje, 20 anos depois.