segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Tarso defende "partidão" de centro para eleições de 2010

O ministro da Justiça, Tarso Genro, defendeu neste domingo que o PT busque um programa de consenso para aliciar o maior número possível de aliados para as eleições de 2010. Em Porto Alegre, Tarso Genro propôs uma grande aliança de centro: "Sempre sustentei a necessidade de que tenhamos um partido centrista forte no Brasil. Sou da opinião de que o PT, daqui para adiante, deve aglutinar um pólo de esquerda forte, com PCdoB, PSB e PDT, e se dirigir com um programa progressista em direção ao centro, chamando partidos como o PMDB e outros correlatos para preparar as eleições de 2010", completou ele, peremptório. A flexibilização de propostas, segundo Tarso, é uma necessidade para atrair o PMDB, fortalecido nas eleições municipais. "Independetentemente do resultado de hoje, a disputa política em direção a 2010 saiu modificada, porque a presença de um partido centrista forte, como o PMDB exige uma definição programática maior nos dois pólos da política brasileira, que é o PSDB de um lado e o PT de outro", afirmou.

Hélio Costa defende que PMDB e PT se reaproximem em Minas Gerais

O ministro das Comunicações, Hélio Costa, disse neste domingo que o seu partido, o PMDB, deve buscar uma reaproximação com o PT em Minas Gerais após as eleições municipais de Belo Horizonte, onde os partidos aliados no cenário nacional ficaram em campos opostos. O PT, do atual prefeito Fernando Pimentel, fez uma aliança informal com o PSDB do governador Aécio Neves em torno do nome de Márcio Lacerda (PSB), adversário de Leonardo Quintão (PMDB). Com isso, até o ministro Patrus Ananias (Desenvolvimento Social e Combate à Fome), outra figura de peso político no estado, permaneceu distante dos palanques da capital. Cotado como possível candidato a governador de Minas Gerais em 2010, Costa disse que espera que Patrus e Pimentel se entendam para que na disputa pelo governo do Estado em 2010 "juntem as forças realmente populares que temos em Belo Horizonte que são o PMDB e o PT". Segundo o ministro, o eleitor mineiro deu um recado contra "o caciquismo político" ao levar a eleição de Belo Horizonte para o segundo turno.

PT conquista o maior número de cidades com mais de 200 mil eleitores em 2008

Nas eleições municipais de 2008, o PT foi o partido com o maior número de vitórias nas cidades com mais de 200 mil eleitores, excluindo as capitais. Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral, há 53 cidades no País com mais de 200 mil eleitores. Destas, 34 elegeram seus prefeitos e vice-prefeitos no primeiro turno, e outras 19 levaram a disputa para o segundo turno. No total, em comparação com 2004, o PT saltou de nove para 15 grandes cidades conquistadas. Além das 15 grandes cidades, o PT conquistou também as prefeituras de seis capitais mais para os grotões: Fortaleza (CE), Recife (PE), Porto Velho (RO), Rio Branco (AC), Palmas (TO) e Vitória (ES).

Oposição surpreende e encerra 12 anos de governos petistas em Santo André

O candidato Aidan Ravin (PTB) surpreendeu e venceu Vanderlei Siraque (PT) depois de 12 anos de administrações petistas em Santo André (Grande São Paulo). Aidan recebeu 55,03% dos votos válidos contra 44,97% de Siraque. Aidan encerra 12 anos de administrações petistas. O atual prefeito, João Avamileno, foi reeleito em 2004. Ele era vice do prefeito petista Celso Daniel (PT), assassinado em janeiro de 2002, que administrava a cidade desde 1997. No primeiro turno, Siraque teve 48% dos votos contra 21% de Aidan. Durante a campanha, o presidente Lula realizou um comício de apoio à candidatura. Eleito por três vezes o deputado estadual mais votado de Santo André, ex-presidente da Câmara de Santo André, Siraque foi um dos fundadores do PT e da CUT.

Eduardo Paes vence no Rio de Janeiro por margem muito pequena

O prefeito eleito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), disse que o presidente Lula superou todos os obstáculos que existiam entre os dois no passado e classificou seu apoio como fundamental para a sua eleição. Ele dedicou sua vitória a Lula e ao governador Sérgio Cabral. A diferença entre os dois candidatos à Prefeitura do Rio no resultado das eleições foi a menor em toda a história do município, de acordo com o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. Eduardo Paes teve 50,83% dos votos, e Fernando Gabeira (PV) teve 49,17%.

Kassab arrasa em São Paulo e varre PT e Marta Suplicy

Gilberto Kassab (DEM) teve 60,72% dos votos contra apenas 39,28% da votação dada para a ricaça petista Marta Suplicy na eleição em São Paulo. Kassab teve um total de 3.790.558 votos, enquanto a ricaça petista ficou com apenas 2.454.527 votos, perdendo por uma diferença de 1.338.031 votos, equivalente a 35,30% do eleitorado. "Nesses quatro anos tive uma grande perda, que foi a morte da minha mãe e tive um grande amigo que ganhei na vida e um grande líder, que é o José Serra, que levarei para o resto da minha carreira. Tenho nele um grande amigo e um grande líder e dedico a ele essa vitória", afirmou o prefeito ao discursar ao lado do governador. Serra agradeceu: "Para mim, pessoalmente, esta vitória aqui em São Paulo da nossa aliança é muito gratificante. Fui eleito prefeito há quatro anos e coube ao Gilberto Kassab realizar a maior parte do mandato. A votação de hoje expressa o apoio ao nosso programa de governo, que o Gilberto soube ampliar e inovar dentro dele". Com o resultado, Kassab se consagra como o principal nome do DEM paulista e tem a oportunidade de mostrar que pode administrar um governo próprio. A proximidade com Serra, no entanto, deve ser mantida durante a nova gestão. O governador, mesmo nos bastidores, foi um dos principais articuladores da candidatura do democrata e um dos cabos eleitorais mais empenhados na reta final da campanha, quando o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, já estava fora da disputa. O bom desempenho na eleição municipal colocou o nome de Kassab como um dos possíveis sucessores ao governo de São Paulo em 2010, quando Serra deve concorrer à Presidência da República. O fato de nunca antes ter encabeçado uma chapa em eleições majoritárias pesou no início da campanha de Kassab. Nos primeiros meses da disputa, o prefeito chegou a amargar um terceiro lugar nas pesquisas de intenção de voto, com índices de votação próximos dos 10%. Sua ascensão nas pesquisas coincidiu com sua maior exposição no horário eleitoral gratuito. Por meio de apoios costurados com PMDB, PV e PR, entre outros partidos da base de seu governo, Kassab teve o maior tempo no rádio e na TV no primeiro turno. A propaganda massiva foi apontada com o principal fator que possibilitou a virada de Kassab nestas eleições. Contrariando inclusive as pesquisas, que apontavam o crescimento de Kassab, mas a vitória de Marta, o prefeito venceu o primeiro turno com 33,61% dos votos válidos, apenas 0,82% a mais que a petista. A pequena margem do primeiro turno contrastou com sua larga vantagem na etapa seguinte do pleito, quando, desde o início, liderou a disputa com mais de 16 pontos de vantagem.

Fetter Junior derrota petista Marrone com facilidade em Pelotas

Adolfo Fetter Junior, candidato do PP à prefeitura de Pelotas, derrotou o petista Fernando Marrone com grande facilidade no segundo turno das eleições neste domingo. Fetter Junior teve a preferência de 56,72% do eleitorado, fazendo 109.011 votos, enquanto Fernando Marroni alcançou apenas 43,28% da preferência do eleitorado, o equivalente a 83.193 votos. Foi mais um candidato de Lula derrotado. Ele é aquele mesmo que Lula perguntou, anos atrás, se Pelotas era cidade pólo”, “pólo exportador de veados”. Lembram-se? A diferença a favor de Fetter Junior foi de 25.818 votos.

Os “russos” elegem petista Jairo Jorge em Canoas

O petista Jairo Jorge conseguiu se eleger prefeito de Canoas, cidade da Grande Porto Alegre, e governará o maior orçamento do Estado do Rio Grande do Sul. Ele obteve 98.736 votos, equivalentes a 52,63% do eleitorado canoense, enquanto seu adversário, Jurandir Maciel (PTB), obteve 88.851 votos, equivalentes a 47,37% do eleitorado da cidade. A vitória aconteceu por uma diferença de 9.885 votos. A eleição na cidade teve uma abstenção de 36.626 eleitores, ou 15,37% do eleitorado. Os votos brancos forma 6.815 e os nulos atingiram 7.194. A soma de tudo dá 50.635 votos, o que daria amplamente para mudar o resultado da eleição, caso todos os eleitores tivessem comparecido. Apesar do monumental apoio que obteve dos petistas encarapitados mais ao alto no poder federal lulista, como de Tarso Genro (ministro da Justiça) e de Dilma Rousseff (ministra chefe da Casa Civil), Jairo Jorge não pode se jactar de uma vitória fácil. Aliás, foi muito fraca, diante da monumental máquina eleitoral que se arregimentou ao lado dele. Mais do que isso, ele ganhou contra um candidato que foi “cristianizado” durante a campanha. Ele ganhou apertado quando em torno de sua candidatura tinham se alinhado todos os caciques da política gaúcha, antecipando uma grande aliança para a eleição de 2010. Mas, como na Copa do Mundo de 1958, quando o técnico Feola mandou no vestiário que Garrincha driblasse toda a defesa soviética e fizesse o gol, ao que Garrincha perguntou se ele já tinha combinado tudo com os russos, a população canoense acabou fazendo papel de “russa”, configurando um resultado que já estava deliberado antes mesmo da partida começar. Até o candidato derrotado, Jurandir Maciel, acabou fazendo parte do papel desse jogo, ao se dirigir ao comitê do petista Jairo Jorge para cumprimentá-lo. Quase foi linchado. Saiu de lá a muito custo. O petista Jairo Jorge, que bateu pesado em uma administração acusada de enormes corrupções, terá agora que apontar essas corrupções todas ao assumir o poder, e precisará andar muito na linha no seu governo, porque ele será fiscalizado e investigado em cada passo da sua administração. E, para começar, serão observados milimetricamente todos os seus passos na licitação do lixo da cidade.