sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Petróleo cai a menos de US$ 100,00 pela primeira vez desde março

O preço do petróleo chegou a ficar ligeiramente abaixo dos US$ 100,00 nesta sexta-feira, o que não acontecia desde março deste ano. Isso aconteceu apesar do anúncio do corte da cota da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), com a aproximação do furacão Ike e com as recentes tensões entre Estados Unidos e Venezuela. Às 15h13 (em Brasília), o barril do petróleo cru para entrega em outubro, negociado na Nymex (Bolsa Mercantil de Nova York, na sigla em inglês), estava cotado a US$ 100,14 (baixa de 0,72%). Pouco antes, no entanto, o barril chegou a US$ 99,99. Pela manhã, o preço chegou a subir, devido à tensão quanto à passagem do furacão Ike e as ameaças do presidente venezuelano, o tiranete caribenho Hugo Chávez, de suspender o fornecimento de combustível aos Estados Unidos, seu principal comprador.

Procuradoria Federal entra com ações contra ex-diretores da Finatec para obter devolução R$ 800 mil

O Ministério Público do Distrito Federal ajuizou quatro ações de responsabilidade civil contra ex-diretores da Finatec (Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos) que podem resultar na devolução de mais de R$ 800 mil aos cofres da instituição. Os ex-diretores foram afastados da Finatec em meio às denúncias contra o ex-reitor da UnB (Universidade de Brasília), Timothy Mulholland, acusado de usar recursos destinados ao financiamento de projetos de pesquisa e desenvolvimento institucional da UnB para decorar o seu então apartamento funcional. Em uma das ações, os ex-diretores Antonio Manoel Dias Henrique, Carlos Alberto Bezerra Tomaz, André Pacheco de Assis e Guilherme Sales Soares de Azevedo Melo são acusados de contratar a empresa Polimidia para prestar serviços de comunicação. A Promotoria questiona a contratação com o argumento de que o contrato foi firmado um dia antes da decisão judicial que os afastou da direção da Finatec, com serviços prestados exclusivamente a ex-dirigentes da entidade. Só nessa ação, o Ministério Público pede a devolução de R$ 210 mil à Finatec. Em outro processo, o órgão pede a devolução de cerca de R$ 560 mil em contratos firmados para serviços de consultoria jurídica para a defesa particular dos ex-diretores. A Promotoria ainda questiona a concessão irregular de bolsas de pesquisa, com o argumento de que foram oferecidas com fins particulares para o então comando da Finatec. Em julho, a Promotoria denunciou à Justiça Federal o ex-reitor Timothy Mulholland e o ex-diretor da Editora UnB Alexandre Lima por formação de quadrilha e peculato. A Promotoria acusa o ex-reitor de "montar uma organização criminosa para desviar recursos públicos arrecadados pela UnB e repassados às suas fundações de apoio". A denúncia se estende a dois ex-funcionários da Editora UnB: Elenilde Duarte e Cláudio Machado.

PSOL vai entrar com representação no Conselho de Ética da Câmara contra Eliseu Padilha e José Otávio Germano

As denúncias investigadas na Operação Solidária sobre os deputados federais gaúchos Eliseu Padilha (PMDB) e José Otávio Germano (PP) deverão para no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados. O PSOL deverá ingressar com um pedido de processo para apurar se houve quebra de decoro parlamentar. Desde o início da semana, técnicos legislativos do partido reúnem documentos e reportagens para embasar o requerimento de investigação. O PSOL também prepara um ofício que será remetido à Procuradoria Geral da República, solicitando informações que não estejam protegidas pelo segredo de justiça. Segundo a deputada federal Luciana Genro (PSOL), a medida deve ser protocolada tão logo a Câmara dos Deputados, que está em recesso branco por conta das eleições, retorne aos trabalhos.

Processo de fraude contra oito da prefeitura petista de Estância Velha tramita em Ivoti

O promotor de Portão, Marcelo Tubino, ofereceu denúncia contra oito pessoas por fraude em licitação realizada na prefeitura de Estância Velha e o processo tramita na comarca de Ivoti, sob responsabilidade da juíza Célia Cristina Perotto Lobanowski. O processo é o de nº 09510800012257. Entre as pessoas denunciadas esta Miriam Gladis Monteiro Maciel, presidente da comissão licitatória e assessora especial de gabinete do prefeito petista Elivir Desiam (vulgo “Toco”). A denúncia foi apresentado à promotoria pelo vereador João Valdir de Godoy (Duduzinho), do PMDB. Como o promotor de Estância Velha, Paulo Eduardo de Almeida Vieira, é muito amigo do dono do jornal local O Suplemento, Jaime Schneider, ele deixa de atuar nos processos dos opositores da gestão petista na prefeitura. Ocorre que Jaime Schneider foi chefe de gabinete do prefeito petista “Toco”, e depois secretário de Planejamento. Seguidamente (mas muito seguidamente), o promotor Paulo Eduardo de Almeida Vieira almoçava com Jaime Schneider, e depois ia tirar a sesta na casa do seu “amigo fraternal”. Além de tudo, irregularmente, o promotor Paulo Eduardo de Almeida Vieira não mora na comarca onde atua. Por conta dessa amizade, o promotor se deu por suspeito para atuar no processo cuja denúncia foi promovida pelo vereador Duduzinho. Agora, a oposição está contestando que ele atue como promotor no processo eleitoral na cidade. Suas relações de “amizade fraternal” com Jaime Schneider e o prefeito “Toco” o impediriam. Também, conforme a oposição, o juiz estaria impedido de atuar como juiz eleitoral, porque igualmente tem relações de “fraternal amizade” com o prefeito “Toco”. A tal ponto que a mulher do juiz foi contratada como CC (cargo em comissão) no gabinete do prefeito “Toco”. E o candidato do PT à sucessão do prefeito “Toco” é seu tio. Tudo em família. Na Estância Velha petista é tudo assim.

Marco Aurélio “Top Top” Garcia diz que “Brasil não vai tolerar ruptura na Bolívia”

O assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio “Top Top” Garcia, disse nesta quinta-feira que o Brasil (que ele confunde com o Foro de São Paulo) não vai tolerar qualquer ruptura na ordem institucional da Bolívia. Segundo ele, uma deposição do governo do presidente cocaleiro trotskista Evo Morales poderia causar prejuízos "extraordinariamente grandes" para a América do Sul. Ele contou que o presidente Lula (criador do Foro de São Paulo junto com o ditador Fidel Castro) conversou nesta quinta-feira por telefone com o cocaleiro trotskista Evo Morales e os presidentes Hugo Chávez (Venezuela) e Cristina Kirchner (Argentina). Segundo o neotrotskista Marco Aurélio “Top Top” Garcia, o objetivo é mobilizar os países da região, especialmente o “Grupo de Amigos da Bolívia” (ninguém sabe o que é isso, mas seria formado por Brasil, Colômbia e Argentina) para que eles possam ser um canal de intermediação entre o governo e oposição na Bolívia.

Supremo indefere recurso de sócio de Marcos Valério contra denúncia do mensalão mineiro

O Supremo Tribunal Federal indeferiu nesta quinta-feira recurso apresentado pelo publicitário Ramon Hollerbach Cardoso, sócio do publicitário Marcos Valério, contra decisão do ministro Joaquim Barbosa, que acatou denúncia contra ele sobre o mensalão mineiro. Segundo denúncia do Ministério Público Federal em Minas Gerais, a empresa de Hollerbach, a DNA Propaganda Ltda, era utilizada para receber e contabilizar dinheiro público como se fosse pagamento por contratos de publicidade. O dinheiro seria utilizado para financiar campanhas políticas e comprar apoio de parlamentares que votavam a favor do governo. No recurso, a defesa de Hollerbach argumenta que houve ilegalidade no acolhimento da denúncia pela 4ª Vara Federal Criminal de Minas Gerais em 19 de dezembro de 2006 porque, no mesmo dia, outro réu no processo, José Genoino, foi diplomado deputado federal pelo PT de São Paulo. Com isso, ele passou a ter foro privilegiado e a competência para julgar o processo ficou para o Supremo Tribunal Federal.

Governo Lula quer criar agência de regularização fundiária da Amazônia

O governo Lula poderá criar uma agência para tratar exclusivamente da regularização fundiária da Amazônia. O assunto foi discutido nesta quinta-feira pelo presidente Lula com os ministros Mangabeira Unger (Assuntos Estratégicos) e Carlos Minc (Meio Ambiente), e os governadores da região, no Palácio do Planalto. "Não há o compromisso definitivo com essa solução, mas a responsabilidade da entidade federal seria, sobretudo, apoiar, coordenar e monitorar o trabalho dos estados na regularização fundiária. Os Estados têm uma responsabilidade muito grande na solução desse problema", disse Mangabeira Unger. Segundo o ministro, a criação de um órgão federal levaria tempo e poderia "suprimir" o papel dos Estados no processo de legalização de terras da Amazônia.

Aneel aprova edital do leilão de linhas de transmissão do Madeira

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aprovou nesta quinta-feira o edital do leilão das linhas de transmissão que ligarão as usinas do rio Madeira ao Sistema Interligado Nacional, que levarão energia a grande parte do País. Serão leiloados no dia 31 de outubro sete lotes para a construção de linhas e subestações. O leilão será às 10 horas desse dia, na Bolsa de Valores do Rio de Janeiro. Segundo a Aneel, o leilão terá duas opções tecnológicas por determinação do Ministério de Minas e Energia: a construção em corrente contínua (melhor para transportar grandes quantidades de matéria) ou em regime misto de corrente contínua e alternada (melhor para distribuir a energia em diversos pontos).

EPE habilita 146 usinas para leilão de energia nova

O leilão de energia nova A-5, com entrega de energia prevista para 2013, tem 146 empreendimentos habilitados, com capacidade instalada de 25.252 MW, com possibilidade de venda de 15.232 MW médios, informou nesta quinta-feira a EPE (Empresa de Pesquisa Energética). O leilão está previsto para o próximo dia 30. A maior parte da energia apta a ser ofertada, a exemplo dos leilões mais recentes, será oriunda de termelétricas movidas a óleo combustível, que são mais poluentes. São 63 usinas habilitadas, cuja capacidade de geração chega a 11.537 MW. Apenas uma usina hidrelétrica está habilitada. A usina de Baixo Iguaçu (PR) ofertará 172 MW médios, diante de potência instalada de 350 MW. Ainda segundo a EPE, foram aprovadas 28 termelétricas movidas a bagaço de cana-de-açúcar, com potência instalada somada de 5.011 MW. É a segunda fonte com mais energia habilitada. Outras sete usinas termelétricas com energia gerada por carvão importado têm capacidade de 3.550 MW. Outros 17 empreendimentos são referentes a termelétricas movidas a gás natural regaseificado, com potência total de 5 mil MW. O preço-teto das usinas hidrelétricas foi definido em R$ 123,00 por MWh (megawatt/hora), e de R$ 146,00/MWh para as demais fontes.

Banco do Brasil vai financiar R$ 7,2 bilhões na safra 2008/2009

Os empréstimos do Banco do Brasil para os agricultores familiares devem somar R$ 7,2 bilhões na safra 2008/2009, ante R$ 6 bilhões no período anterior, segundo o vice-presidente de Agronegócio da instituição, Luís Carlos Guedes. "Nós estamos alcançando este ano mais de 1,2 milhão de famílias de agricultores familiares", disse ele. O financiamento da agricultura familiar é feito apenas por bancos oficiais e o Banco do Brasil é responsável por cerca de 70% dos empréstimos. O restante é dividido entre o Banco do Nordeste (BNB), o Banco da Amazônia (Basa) e cooperativas de crédito. O crédito é concedido por meio do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar). De 2003 até hoje, o crédito rural concedido pelo Banco do Brasil, via Pronaf, cresceu 290%, passando de R$ 2 bilhões na safra 2002/2003 para os atuais R$ 7,2 bilhões previstos.

Garibaldi Alves diz que decisão do Supremo cria precedente perigoso e deixa CPI em situação vexatória

O presidente do Senado Federal, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), criticou o Supremo Tribunal Federal por ter negado o acesso da CPI das Escutas Clandestinas da Câmara aos dados sigilosos das operações Chacal e Satiagraha da Polícia Federal, que citam "no todo ou em parte" informações dos discos rígidos do Banco Opportunity, de Daniel Dantas. Para Garibaldi Alves, a decisão do ministro Cezar Peluso cria um "precedente perigoso" e coloca a CPI em situação "vexatória". "Nós, presidentes da Câmara e do Senado, temos que nos unir e procurar um entendimento com o Supremo para que não se deixe uma CPI em situação vexatória negando tudo que se pede. A CPI é um instrumento de investigação da minoria. É realmente lastimável e cria um precedente perigoso", disse o presidente do Senado.

Superior Tribunal de Justiça tira segredo de Justiça da Operação Pasárgada

O Superior Tribunal de Justiça revogou o segredo de Justiça do inquérito relacionado à Operação Pasárgada, da Polícia Federal, que desmantelou um esquema de desvio de dinheiro do Fundo de Participação dos Municípios. Para o subprocurador-geral da República, Carlos Eduardo Vasconcelos, autor do pedido do Ministério Público Federal, "não há mais amparo legal ou constitucional nem utilidade prática na preservação do segredo de Justiça". A operação investiga a participação de prefeitos, advogados, lobistas, servidores públicos e do juiz Weliton Militão em um esquema ilegal de negociação de decisões judiciais para repasse irregular de verbas do Fundo de Participação dos Municípios.

BNDES concede R$ 313 milhões a PPP's

O BNDES e o Grupo Odebrecht firmaram nesta quinta-feira dois contratos de financiamento de Parceria Público-Privada (PPP) para obras de saneamento. Os investimentos totais somam R$ 465,5 milhões, dos quais R$ 313 milhões financiados pelo banco de fomento. São os primeiros contratos deste tipo que receberam crédito da instituição. Uma das PPP's firmadas é relativa às obras de ampliação do sistema de esgotamento sanitário no município de Rio das Ostras (RJ), a cargo da empresa Saneamento de Rio das Ostras, parceria entre o governo e o grupo Odebrecht, que será responsável pela operação integral do sistema durante 15 anos. Os investimentos somarão R$ 375,9 milhões, com R$ 263,1 milhões financiados pelo BNDES. "São as primeiras PPPs em nível municipal. Estava faltando o primeiro passo. Agora temos um caso concreto e podemos levar este modelo para outros municípios", disse o ministro das Cidades, Márcio Fortes (PP). O diretor de Inclusão Social do BNDES, Hélvio Gaspar, explicou que a Odebrecht, vencida a licitação, fará os investimentos nas obras e terá a concessão dos serviços de coleta e tratamento de esgoto por 15 anos. No entanto, como as tarifas cobradas não serão suficientes para pagar os investimentos feitos pela empresa, o município terá que cobrir a diferença. A outra PPP financiada é relativa à complementação e modernização do sistema de esgotamento sanitário do município de Rio Claro (SP). O crédito foi concedido à empresa Saneamento de Rio Claro, controlada pelos grupos Odebrecht e Safdié. Serão financiados R$ 50,3 milhões dos R$ 80,6 milhões previstos para o projeto. Com a obra, o sistema de esgoto da cidade atenderá a toda a população, de aproximadamente 210 mil pessoas, dentro de cinco anos. Atualmente, apenas 22,5% dos moradores da cidade paulista têm sistema de esgoto.

Senado dos Estados Unidos investiga empresas financeiras por fraude fiscal de US$ 100 bilhões

Alguns dos principais agentes financeiros em Wall Street, como os bancos Morgan Stanley, Lehman Brothers Holdings, Citigroup e Merrill Lynch beneficiaram fundos "hedge" (tipo de fundo agressivo que aplica em qualquer tipo de ativo) estrangeiros com esquemas para evitar o pagamento de impostos sobre dividendos pagos por empresas norte-americanas, que teria causado uma evasão de cerca de US$ 100 bilhões. Segundo o jornal The Wall Street Journal, que divulgou o caso, a investigação do Senado descobriu em cerca de um ano que os gigantes financeiros norte-americanos competiam entre si planejando transações que permitiram aos fundos de investimentos evitar impostos sobre dividendos. A investigação se baseou em documentos e e-mails dos bancos. O relatório do Subcomitê Permanente de Investigações do Senado, a investigação envolveu os bancos Citigroup, Deutsche Bank, Goldman Sachs, Lehman Brothers, Merrill Lynch, Morgan Stanley e UBS. Já os fundos "hedge" investigados foram Angelo Gordon, Highbridge (ligado ao JP Morgan Chase), Maverick, Moore Capital entre outros. De acordo com o documento, muitos dos fundos investigados estão em paraísos fiscais, e por isso sujeitos ao pagamento de um imposto de 30% sobre seus dividendos pagos por empresas norte-americanas.

Diretor-geral de Itaipu diz que Brasil não pretende rever preço de energia

O diretor-geral de Itaipu, Jorge Samek, disse nesta quinta-feira que o governo Lula não pretende rever o preço pago pela energia produzida na usina, às vésperas da visita ao País do presidente do Paraguai, Roberto Lugo. Ele reiterou que o preço atual é "justo" e, para compensar o Paraguai, o governo brasileiro vai propor a construção de uma linha de transmissão de aproximadamente 350 quilômetros para abastecer o país vizinho. "Eu defendo a posição que estamos pagando o preço justo. Preço justo é preço de mercado. A energia chega à Eletrobrás a US$ 45 dólares o megawatt-hora", disse Samek. O presidente do Paraguai chega ao Brasil na próxima quarta-feira. No encontro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai negociar o financiamento para construção de uma linha de transmissão que ligará Itaipu a Assunção. Samek calcula que a obra custará até US$ 400 milhões, incluindo uma subestação. "Ao Brasil interessa a industrialização do Paraguai. Se o Paraguai desejar, é vontade do presidente Lula colocar todos os instrumentos de financiamento", afirmou o diretor de Itaipu.

Procuradoria Federal denuncia Roberto Jefferson e mais oito por escândalo dos Correios

O Ministério Público Federal no Distrito Federal ofereceu denúncia à Justiça Federal contra o ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ); os então funcionários da ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos) Maurício Marinho, Antônio Osório, Fernando Godoy, Julio Imoto e Eduardo Coutinho; o ex-presidente da estatal, João Henrique de Almeida Souza; o ex-presidente da Eletronorte, Roberto Garcia Salmeron; e Horácio Batista, primo de Osório, envolvidos no escândalo dos Correios. O esquema de corrupção nos Correios surgiu em maio de 2005, quando a revista Veja tornou público o conteúdo de uma fita de vídeo em que o ex-chefe de Contratação e Administração de Material dos Correios, Maurício Marinho, foi flagrado ao receber uma propina de R$ 3 mil. O vídeo disso passou em rede nacional de televisão. Mauricio Marinho foi demitido por justa causa em setembro de 2005. Ele apontou o presidente do PTB, deputado federal Roberto Jefferson, como gerenciador do esquema. Segundo a denúncia, a empresa "foi vítima da ação organizada de quadrilhas compostas basicamente por empregados públicos, políticos, empresários e lobistas". O desdobramento do caso resultou na denúncia feita por Roberto Jefferson sobre a existência do pagamento do mensalão por parte do PT e do governo Lula como compra de apoio político de partidos e parlamentares.

Deputado federal Raul Jungmann faz representação contra juiz do processo Satiagraha

O vice-líder do PPS na Câmara dos Deputados, o deputado federal Raul Jungmann (PE), entrou no início desta semana com uma representação disciplinar no Conselho Nacional de Justiça contra o juiz Fausto Martin De Sanctis, da 6ª Vara Criminal de Justiça Federal de São Paulo. Conforme Jungmann, o juiz desrespeitou a Constituição ao conceder senhas de acessos telefônicos ilimitadas durante a Operação Satiagraha para a Polícia Federal. "Isso é inconstitucional. Fere o sigilo de dados de comunicação. A ação é incompatível com o Estado de Direito e já foi condenada pela própria Justiça", disse Raul Jungmann. O juiz De Sanctis foi quem determinou a prisão do banqueiro Daniel Dantas, do investidor Naji Nahas e o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta.

Vale do Rio Doce condenada a pagar pensão de R$ 650 mil para índios no Pará

O juiz Carlos Henrique Borlido Haddad, da Justiça Federal de Marabá, condenou a companhia Vale do Rio Doce a repassar mensalmente mais de R$ 650 mil a duas comunidades indígenas xikrin que habitam a região sul do Pará. Além disso, a empresa também deve reparar uma estrada que liga aldeias indígenas. A decisão foi em uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público Federal e pela Fundação Nacional do Índio (Funai) contra a empresa. Os recursos, segundo a sentença judicial, deverão ser despendidos pela mineradora até que os próprios índios alcancem a autonomia financeira. Na mesma decisão, o juiz condenou a Vale a recuperar a estrada indígena PA-279, com extensão de 160 quilômetros, que interliga aldeias. Se as obras não iniciarem, a Vale ficará sujeita à cobrança de R$ 100 mil, “a cada 15 dias de inércia da ré”. Para o juiz federal, compete à Vale amparar as populações indígenas existentes nas proximidades da área que explora, de acordo com os termos de convênio formalizado com a Funai. A Vale afirma que “continua entendendo que não está obrigada a prestar apoio às comunidades xikrin” e reitera que deixou de prestar a assistência às comunidades após a invasão dos índios à Mina de Ferro de Carajás, em outubro de 2006.

Supremo suspende julgamento do pedido de extradição de militar torturador uruguaio

O julgamento do pedido de extradição do militar torturador uruguaio Manuel Cordero Piacentinni, de 69 anos, foi suspenso nesta quinta-feira no Supremo Tribunal Federal, em Brasília. O pedido de vista foi feito pelo ministro Cezar Peluso após o voto do ministro Marco Aurélio Mello, que negou os pedidos de extradição feitos pelos governos uruguaio e argentino. A alegação de Marco Aurélio Mello é que o militar já havia sido anistiado pelo governo argentino pelos crimes de tortura, seqüestros, desaparições e assassinatos cometidos durante a Operação Condor. O ministro Marco Aurélio Mello parece não ler jornal, nem conversar nunca com qualquer de seus colegas juízes da Argentina. Ele ignora que a Argentina anulou, em sua Suprema Corte, as criminosas e infames leis de anistia ditas pelos governos de Ricardo Alfonsín e Carlos Saul Menem. É inacreditável e inconcebível que o ministro Marco Aurélio Mello faça de conta que não sabe que a Argentina está levando a julgamento, por crimes contra a humanidade, todos os torturadores. E entre esses torturadores está o uruguaio Manuel Cordero Piacentinni, que agiu na Argentina, na repressão política sob a proteção da Operação Condor. O que deu na cabeça do ministro Marco Aurélio Melllo?!!! O torturador uruguaio Manuel Cordero está preso desde fevereiro de 2007 no 2º Regimento de Polícia Montada da Brigada Militar gaúcha, em Santana do Livramento, na fronteira com o Uruguai.

Tiranete Hugo Chávez expulsa da Venezuela o embaixador norte-americano

O presidente da Venezuela, o tiranete cantinflesco Hugo Chávez, deu 72 horas para o embaixador norte-americano em Caracas deixar o país, em um ato que disse ser em solidariedade ao governo da Bolívia, cujo representante foi expulso de Washington nesta quinta-feira. "Já basta de tanta merda de vocês, ianques de merda, vão para o caralho”. Hugo Chávez, em um grande comício para o qual são convocados seus partidários, realizado em Carobobo, mostrou-se um chefe de Estado desclassificado. "Na Venezuela, os povos do mundo têm um país solidário. Há milhões de nós dispostos a lutar pela Bolívia", continuou ele, dando o sinal para seu colega cocaleiro trotskista boliviano tentar a realização do golpe de Estado. O palhaço venezuelano ameaçou que, se Evo Morales, fosse "derrubado" ou "morto" durante os protestos da oposição que agitam a Bolívia, haveria "sinal verde para apoiar qualquer movimento armado" no país. Ou seja, ele está ameaçando intervir militarmente na Bolívia. A cada dia que passa, esse palhaço caribenho vem mostrando as suas garras e a sua vontade de cumprir na força os objetivos do Foro de São Paulo. A Bolívia viveu nesta quinta-feira o terceiro dia consecutivo de violência em várias regiões do país, todas controladas por opositores autonomistas que exigem a restituição de um imposto sobre o gás e o petróleo que antes era repassado para os governos dos departamentos bolivianos e são contra a nova proposta constitucional do governo. Até agora o cocaleiro trotskista Evo Morales não colocou o golpe de Estado em ação porque tudo indica que não tem o apoio das forças armadas bolivianas.

Bolívia já tem oito mortos em confrontos à beira da guerra civil

O fantasma da guerra civil paira sobre a Bolívia. Ao menos oito pessoas foram mortas e outras 34 resultaram feridas em choques registrados nas últimas 48 horas entre partidários do governo do presidente cocaleiro e trotskista Evo Morales e seus opositores. A cifra de mortos e de feridos pode ser maior. O governo do cocaleiro trotskista, demonstrando seu caráter, expulsou na quarta-feira o embaixador dos Estados Unidos. O cocaleiro trotskista Evo Morales está preparando um golpe de Estado, contando com a articulação do Foro de São Paulo. Ao expulsar o embaixador norte-americano, o cocaleiro trotskista acusou-o de conspirar para derrubá-lo. Nesta quinta-feira, em resposta, o governo Bush expulsou o embaixador boliviano em Washington, o que é no mínimo uma inutilidade. Os conflitos mais graves estão ocorrendo na zona rural da região amazônica de Pando, no norte da Bolívia. A violência só tem aumentado em toda parte do país. Praticamente todas as repartições públicas da província de Santa Cruz foram invadidas por adversários do governo do cocaleiro trotskista.