quarta-feira, 9 de julho de 2008

Daniel Dantas já está preso em São Paulo na Polícia Federal

O banqueiro Daniel Dantas, preso nesta terça-feira no Rio de Janeiro pela Polícia Federal, já está preso em São Paulo. Ele chegou por volta das 19 horas no prédio da corporação na Lapa, zona oeste da capital paulista, com mais oito suspeitos presos no Rio de Janeiro. Daniel Dantas está em cela separada de outros presos pela Operação Satiagraha, como o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta e o investidor Naji Nahas. Ao todo, 17 pessoas foram presas suspeitas por desvio de verbas, corrupção e lavagem de dinheiro. "Essa organização criminosa tinha como seu líder o Daniel Dantas", disse Protógenes Queiroz, delegado da Polícia Federal responsável pelas investigações. "Nós nos deparamos, primeiramente com um grupo de pessoas e depois com uma organização criminosa muito bem estruturada", reiterou. A Polícia Federal apreendeu quatro carros importados, sendo que três deles de Nahas, além de documentos e um cofre. A Justiça decretou as prisões temporárias de dez pessoas ligadas a Dantas: Verônica Dantas (irmã e parceira de negócios), Carlos Rodemburg (sócio e vice-presidente do banco Opportunity), Daniele Ninio, Arthur Joaquim de Carvalho, Eduardo Penido Monteiro, Dorio Ferman, Itamar Benigno Filho, Norberto Aguiar Tomaz, Maria Amália Delfim de Melo Coutrin e Rodrigo Bhering de Andrade. Do grupo de Nahas, foram decretadas a prisão de mais dez pessoas: Fernando Nahas (filho), Maria do Carmo Antunes Jannini, Antonio Moreira Dias Filho, Roberto Sande Caldeira Bastos, os doleiros Carmine Enrique, Carmine Enrique Filho, Miguel Jurno Neto, Lúcio Bolonha Funaro e Marco Ernest Matalon e o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta, cliente dos doleiros, que teve operações financeiras ilegais interceptadas pela Polícia Federal. Também foi decretada a prisão preventiva de duas pessoas, que, a mando de Daniel Dantas, ofereceram US$ 1 milhão para um delegado federal que participava das investigações para que ele tirasse alguns nomes do inquérito. Uma delas, Hugo Chicaroni, foi presa durante a operação. Na casa dele a polícia encontrou R$ 1 milhão.