sexta-feira, 4 de julho de 2008

Presidente francês Sarkozy recebe Ingrid Betancourt e diz que libertação é sinal de esperança

A franco-colombiana Ingrid Betancourt desembarcou em Paris, nesta sexta-feira, e foi recebida em uma cerimônia emotiva pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy, que afirmou que sua libertação representa "uma mensagem de esperança". Ingrid Betancourt foi resgatada na quarta-feira em uma espetacular operação de inteligência pelo exército da Colômbia, após ter passado seis anos nas mãos dos terroristas e traficantes de cocaína das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Sua libertação era prioridade internacional do líder francês. Sarkozy e a primeira-dama Carla Bruni receberam Ingrid Betancourt na pista do aeroporto, após ela ter desembarcado do avião que partiu de Bogotá trazendo também sua família. A França havia disponibilizado o avião presidencial para levar os filhos de Ingrid Betancourt para a Colômbia na quinta-feira. Sarkozy e sua mulher abraçaram Ingrid Betancourt e seguraram suas mãos, antes de também trocarem abraços com as crianças e os parentes dela. "Não queríamos recebê-la debaixo de chuva, assim, este dia ensolarado é uma mensagem de esperança para todos os que acreditam na liberdade", disse Sarkozy, visivelmente emocionado, em um breve discurso. "Ingrid Betancourt, bem-vinda. A França ama você", completou ele. Ingrid Betancourt, chorando, afirmou que a França teve importante papel em seu resgate. Segunda ela, foi devido ao governo francês que a Colômbia optou por uma operação militar sem troca de tiros. "A operação impecável, extraordinária e perfeita do Exército colombiano que me permitiu estar aqui hoje também é resultado de seus esforços", disse ela. A libertação de Ingrid recebeu enorme cobertura da mídia na França. Ingrid desembarcou no aeroporto militar de Villacoublay, nos arredores de Paris, onde estava presente o presidente Nicolas Sarkozy. Ingrid Betancourt participou de um encontro no Palácio do Eliseu, sede da Presidência da França, na presença de membros dos comitês franceses de apoio a sua libertação. Ela ficará alguns dias na França. Ingrid Betancourt se tornou no país uma espécie de ícone, um símbolo do drama de reféns em todo o mundo. Inúmeras personalidades, artistas e cidadãos comuns se mobilizaram nos últimos anos para obter sua libertação. A França toda, da capital às pequenas cidades, celebrou na quinta-feira a sua libertação. Sinos tocaram, como no vilarejo de Saint-Lieux-Lafenasse, no sudoeste da França, e, em cidades maiores, como Estrasburgo, Lyon, Marselha e Paris, centenas de pessoas se reuniram em frente às prefeituras para celebrar o fim do seqüestro. Em Paris, a comemoração teve um discurso do prefeito, Bertrand Delanoë. A foto de Ingrid Betancourt, exposta há vários meses em frente ao prédio da prefeitura da capital, acabou sendo retirada no local, nesta sexta-feira, pela própria Ingrid Betancourt. Um deputado do Partido Verde pediu que a ex-senadora colombiana fosse convidada a fazer um discurso no Parlamento.

Prodesp diz que vai pedir indenização da Telefônica por pane na internet

A Prodesp (Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo) informou na quinta-feira que vai pedir uma indenização à Telefônica pelos problemas de acesso à internet causados por falhas técnicas na rede da operadora. Ainda não foi definido o valor da indenização, que é dada como certa. A pane na internet ocorrida no Estado de São Paulo interferiu em serviços essenciais para a população, como retirada de documentos, realização de boletins de ocorrência e até operações bancárias. "Por mais que a gente entenda que esses problemas acontecem, isso não tem nada a ver com o contrato comercial, vamos pedir indenização até para proteger a população de São Paulo", afirmou Leão Carvalho, presidente da Prodesp.

Exército colombiano apresenta rebeldes detidos durante resgate

O Exército colombiano apresentou à imprensa, na quinta-feira, os dois terroristas das Farc, entre eles o comandante César, detidos na quarta-feira na operação que libertou a franco-colombiana Ingrid Betancourt e mais 14 reféns. César, como Gerardo Aguilar Ramírez é conhecido, e Alexander Farfán, cujo apelido é Gafas, permaneceram em silêncio durante a apresentação, ao longo da qual ficaram lado e lado, entre agentes da Polícia Militar do Exército. O general Mario Montoya, que apresentou os terroristas presos, também mostrou algumas das correntes e cadeados usadas para prender os reféns no cativeiro.

Ingrid Betancourt diz: “Tinha me preparado para mais quatro anos na selva"

Ingrid Betancourt afirmou, na quinta-feira, que esperava passar "mais quatro anos na selva" e ainda "não sabe" o que fará no futuro. "Tinha me programado para mais quatro anos na selva. Essa liberdade chegou de repente. Ainda estou anestesiada pelo choque. É difícil refletir por mim mesma", disse a ex-refém dos terroristas e traficantes de cocaína das Farc em entrevista ao canal de televisão público francês France 2. "O ideal para mim seria ter o dom da onipresença e estar ao mesmo tempo na Colômbia e na França", disse ela. Betancourt falou sobre a deterioração de seu Estado de saúde durante o cativeiro, dizendo que "com certeza" havia pensado que morrer era uma possibilidade. "A morte chega muito, muito rápido, na selva", disse, antes de afirmar que seus seqüestradores a haviam privado, inclusive, de medicamentos. Questionada sobre seu atual estado de saúde, ela respondeu: "Estou em plena forma. Em liberdade não há cansaço algum". Ingrid Betancourt também disse que, durante seu cativeiro, tinha "espasmos de ódio" contra seus seqüestradores. "Mas me dizia que, uma vez livre, eu queria estar livre de tudo, e em especial do ódio", afirmou, acrescentando que as Farc devem "corrigir" sua política que já não "representa nada na Colômbia" e "não tem nada de respeitável".

Senado aprova envio de missão à Colômbia para convidar Ingrid Betancourt a visitar o Brasil

A Comissão de Relações Exteriores do Senado Federal aprovou nesta quinta-feira requerimento para que um grupo de senadores viaje à Colômbia com o objetivo de convidar a política franco-colombiana Ingrid Betancourt a visitar o parlamento brasileiro para relatar sua experiência nos seis anos em que ficou refém das Farc (Forças Armadas Revolucionárias Colombianas), organização terrorista e traficante de drogas. Inicialmente, os senadores Romeu Tuma (DEM-SP) e Rosalba Ciarlini (DEM-RN) se disponibilizaram para integrar a comissão, mas outros três senadores também pediram para participar da viagem, o que irritou um grupo de parlamentares devido ao alto custo da "missão". Da tribuna da Casa Legislativa, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) disse que a aprovação do envio da comissão de cinco senadores ocorreu no "entusiasmo", mas poderia trazer custos elevados ao Senado, embora o próprio parlamentar tenha sugerido a iniciativa. "Diversos senadores dispuseram-se a ir, em número de cinco, mas ponderamos um pouco. Conversei com senador Heráclito Fortes (DEM-PI), que apenas para essa finalidade não precisamos ir necessariamente cinco senadores à Colômbia, porque afinal isso custa recurso ao Senado", afirmou. Na opinião do petista, o convite a Betancourt poderá ser transmitido sem a necessidade do envio da missão de senadores à Colômbia. É no mínimo engraçado esse Suplicy. Sobre as inúteis e constantes viagens do clone de chanceler Marco Aurélio “Top Top" Garcia, a serviço do Foro de São Paulo, ele não diz nada.

Lula deve aderir à campanha eleitoral somente no fim de agosto

A presença do presidente Lula nos palanques eleitorais é dada como certa em São Paulo e em algumas das 78 cidades com mais de 200 mil eleitores. Mas, sob a justificativa de uma agenda pesada de viagens até o início de agosto, Lula só deve aderir às campanhas dois meses antes das eleições municipais. Até agosto, o presidente deve enfrentar uma dura maratona de viagens que inclui Japão, Vietnã, Timor Leste, Bolívia, Colômbia, Portugal, Argentina, Paraguai e, por último, China. Em Pequim, Lula participa da abertura dos Jogos Olímpicos. Petistas afirmam que Lula pretende subir nos palanques em que sua presença seja considerada fundamental e não haja risco de ameaças às relações com os partidos aliados do governo na base federal. O esforço é para evitar que a imagem de Lula seja associada a um candidato que virtualmente não tem chances de ir para um segundo turno.

Correios entram com ação na Justiça para considerar greve abusiva

A ECT (Empresa de Correios e Telégrafos) entrou nesta quinta-feira com uma ação com pedido de liminar no Tribunal Superior do Trabalho para que a greve dos funcionários seja considerada abusiva e prejudicial à sociedade. De acordo com a assessoria da empresa, 28 milhões de objetos estão retidos nos depósitos em todo o Brasil devido à paralisação, iniciada à meia-noite de terça-feira. Segundo a Fentect (Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares), 80% dos trabalhadores de 23 Estados e o Distrito Federal estão parados. Apenas os serviços em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins não foram interrompidos. Nas contas dos Correios esse número é menor e atinge 38% do quadro de carteiros, em 22 Estados e Distrito Federal. Amapá, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins estão com os serviços normais, segundo a empresa. Paraíba (84%) e Pernambuco (79%) são os Estados mais atingidos pela greve, apesar de representarem pouco na média nacional. Em São Paulo, Estado com o maior volume de correspondências, 17% dos funcionários do setor operacional estão de braços cruzados. A categoria reivindica o cumprimento integral de um compromisso assinado com a empresa em novembro de 2007. Os principais pontos do acordo não cumpridos são a incorporação de 30% de adicional de periculosidade nos salários, negociação do plano de carreira e participação nos lucros.

Governo muda regra para exportação de frango para União Européia

O governo brasileiro pediu à União Européia mudanças nas regras para concessão de licenças para exportação de frango do Brasil com isenção de tarifas. O bloco econômico já sinalizou que vai acatar o pedido de mudança. O objetivo é acabar com negociação paralela dessas licenças entre exportadores brasileiros, o que estava resultando em redução de preços e perdas para essas empresas. A cota de isenção de 170 mil toneladas por ano é um direito adquirido pelo Brasil que deveria beneficiar os exportadores, afetados pela alta tarifa praticada no mercado europeu. A intermediação do governo brasileiro foi um pedido dos próprios exportadores brasileiros. Segundo a Camex (Câmara de Comércio Exterior), pela nova regra, 90% das licenças vão beneficiar as empresas como melhor histórico de exportações nos últimos três anos. Os outros 10% serão destinados a novos exportadores.

Camex reduz imposto de importação de 332 itens para indústria

A Camex (Câmara de Comércio Exterior) anunciou a redução do imposto de importação para 328 máquinas e equipamentos e de quatro bens de informática e telecomunicações dentro da regra de ex-tarifários. O ex-tarifário é uma norma que permite a redução de custos para compra de alguns produtos que não são produzidos no Brasil. No caso das máquinas, a redução média da TEC (Tarifa Externa Comum do Mercosul) é de 14% para 2%. Para os outros bens, é de 20% para 2%. Segundo a Camex, a Política Industrial e outras iniciativas para aumentar os investimentos produtivos no país provocaram um aumento das reivindicações do setor privado para aumentar esse benefício. Antes, era divulgada uma lista por semestre. Em 2008, o ritmo é de uma lista por mês. A isenção de imposto vale até dezembro deste ano, quando vence o acordo do Mercosul para utilização desse mecanismo.

Márcio Fortes consegue apoio do PP para se manter no Ministério das Cidades

Pressionado por setores do PT para deixar o cargo após irregularidades em obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) descobertas pela Polícia Federal, o ministro das Cidades, Márcio Fortes, conquistou o apoio integral da bancada do PP no Congresso, assim como o respaldo do alto escalão do governo. Apesar da pressão de integrantes do PT para que o ministro deixe o cargo, Fortes tem o apoio tanto do presidente Lula como também da ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, para permanecer no governo. Marcio Fortes vem sofrendo pressões para deixar a pasta depois que a Policia Federal deflagrou a Operação João de Barro, que identificou irregularidades em contratos e licitações do PAC com a participação de servidores do Ministério das Cidades.

Polícia militar apreende avião carregado com eletroeletrônicos contrabandeados no Paraná

A Polícia Militar do Paraná apreendeu, na madrugada de quinta-feira, um avião monomotor, carregado com produtos eletroeletrônicos contrabandeados do Paraguai. A aeronave estava no aeroporto do município de Campo Mourão, onde tinha pousado no fim da tarde de quarta-feira. A mercadoria foi avaliada em R$ 600 mil e seria levada para a cidade de Palotina (PR) e para Jundiaí (SP). O piloto foi preso e os produtos encaminhados para a delegacia da Polícia Federal, em Maringá. O avião monomotor modelo Cherokee, prefixo PT-JHF, tinha pousado em Campo Mourão por problemas mecânicos. Uma denúncia anônima levou policiais militares ao aeroporto, pois havia suspeita de transporte de drogas. O piloto foi localizado em um hotel da cidade. Ele se identificou como piloto de táxi aéreo e disse que foi contratado para levar o avião e que a aeronave quase caiu próximo ao aeroporto.

Índios brasileiros pedem ajuda a Portugal para manter demarcação em reserva

Índios brasileiros pedem ajuda a Portugal para manter demarcação em reserva
Chefes indígenas da reserva Raposa/Serra do Sol, em Roraima, afirmaram nesta quinta-feira, em Lisboa, que Portugal pode ser determinante na luta dos índios brasileiros pela demarcação da área. Eles apelaram ao governo português para que ratifique a Convenção da OIT (Organização Internacional do Trabalho) sob direitos dos povos nativos. "Temos a convicção de que Portugal nos pode apoiar bastante porque conhece muito bem a nossa realidade. Esperamos a solidariedade da população, das instituições e do governo português para a nossa causa", afirmou a representante indígena Pierlangela Cunha, da tribo Wapixana, pouco depois de ter chegado a Portugal. "É por isso que instamos Portugal a que ratifique a Convenção 169 da OIT sob povos indígenas e tribais em países independentes para que outros povos nativos possam solicitar apoio", afirmou. Pierlangela Cunha e Jacir José de Souza, da tribo Makuxi, chegaram a Lisboa para divulgar a campanha de defesa da sua terra "Anna Pata, Anna Yan" (Nossa Terra, Nossa Mãe) e denunciar as violações e crimes que dizem ser alvo os povos indígenas na reserva Raposa/Serra do Sol. Esses “índios” são patrocinados por ONGs estrangeiras que querem internacionalizar a Amazônia.

Procuradoria denuncia ex-reitor da UnB por formação de quadrilha e peculato

O Ministério Público Federal do Distrito Federal denunciou à Justiça Federal nesta quinta-feira o ex-reitor da UnB (Universidade de Brasília), Timothy Mulholland, e o ex-diretor da Editora UnB, Alexandre Lima, por formação de quadrilha e peculato. As penas variam de um a 12 anos de prisão. A Procuradoria acusa o ex-reitor de "montar uma organização criminosa para desviar recursos públicos arrecadados pela UnB e repassados às suas fundações de apoio". A denúncia se estende a dois ex-funcionários da Editora UnB: Elenilde Duarte e Cláudio Machado. Segundo a denúncia, as irregularidades incluem desvios em convênios entre a Fubra (Fundação Universidade de Brasília) e a Funasa (Fundação Nacional de Saúde) para prestação de serviços de saúde às comunidades indígenas Yanomami, em Roraima, e Xavantes, em Mato Grosso. A Procuradoria diz que a universidade subcontratou, sem licitação, a Fubra e a Funsaúde para executar as atividades. Os procuradores calculam os repasses em cerca de R$ 67 milhões. Porém, segundo a acusação, o dinheiro teria sido usado para "satisfazer os interesses pessoais dos denunciados, como pagamento de festas, viagens, jantares, móveis e eletroeletrônicos para uso particular dos envolvidos, entre outros". Na ação, os promotores pedem desde a condenação do reitor e do ex-decano ao ressarcimento integral do dano causado, à perda da função pública, à suspensão dos direitos políticos por até cinco anos e ao pagamento de multa civil.

Bernard Appy diz que pediu a Guido Mantega para mudar de cargo

O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Bernard Appy, disse nesta quinta-feira que sua saída do cargo se deve a um pedido pessoal feito ao ministro da Fazenda, Guido Mantega. A saída de Appy foi anunciada na manhã desta quinta-feira pelo Ministério da Fazenda. Appy continuará na equipe de Mantega, mas assumirá outra função, uma secretaria extraordinária ou assessoria especial, o formato ainda não está definido, para cuidar de reformas conjunturais. Por enquanto, o único tema definido para a nova função é a coordenação entre Executivo e Legislativo sobre o projeto de Reforma Tributária. Appy deixa o cargo no próximo dia 21, quando entrará de férias. No seu lugar ficará o atual secretário de Acompanhamento Econômico, Nelson Barbosa.

Lula diz que inflação não é motivo para perder o sono

O presidente Lula disse nesta quinta-feira, em evento para lançar o Plano de Safra Mais de Alimentos, que não há motivo para perder o sono com a inflação. "Não há motivo para se perder nem meia hora de sono. O que nós precisamos é estar atentos para que a inflação não fuja do controle”. Lula disse que ainda não entendeu o que aconteceu no mundo em relação à crise de alimentos. Por isso, pediu ao Ministro da Fazenda, Guido Mantega, que montasse uma equipe para estudar o problema que tomou conta do mundo atual. O presidente considera como possíveis fatores que desencadearam a crise a seca e as enchentes ao redor do mundo. Sobre a culpa ser da China, cujo crescimento aumentou o poder de compra da população, ele disse que isso é apenas uma "meia verdade", que existe muita especulação sobre isso. Apesar de admitir preocupação, Lula afirmou que já encontrou uma forma de combatê-la. "Nós temos que dizer ao mundo que a inflação de alimentos será combatida produzindo mais alimentos”. "Nós queremos aumentar a produção de alimentos porque a China, Índia e outros países vão comer mais. Aqui no Brasil, o povo pobre está comendo mais e como isso está acontecendo, nós vamos ter que aumentar a produção de alimentos", disse Lula. O presidente afirmou ainda que espera que a Venezuela possa ser auto-suficiente na produção de sementes em quatro anos. O Brasil recentemente abriu um escritório da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) na Venezuela. Além deste, o país tem outro escritório da Embrapa em Gana.

Vale vai realizar emissões de ações estimadas em até R$ 15 bilhões

Em busca de recursos para novos investimentos e possíveis aquisições no mercado, a Vale do Rio Doce detalhou nesta quinta-feira o lançamento, por meio de oferta global, de até 256.926.766 ações ordinárias e 164.402.799 ações preferenciais, estimadas em até R$ 15 bilhões. A oferta será feita no Brasil e em bolsas internacionais, e a Vale planeja fazer isso a partir desta sexta-feira. A operação ainda precisa de aprovação da Comissão de Valores Mobiliários. A companhia requereu ainda a listagem e a negociação de suas ADSs (American Depositary Shares) na Euronext Paris. Em comunicado ao mercado, a Vale informou que os acionistas da empresa residentes no Brasil terão prioridade de subscrever ações na oferta brasileira. "Nosso principal acionista decidiu subscrever o número de ações ordinárias necessário para manter sua participação proporcional nas ações ordinárias após nosso aumento de capital social", afirma o comunicado. O principal acionista é a Valepar, que detém 52,3% das ações ordinárias. A sociedade fechada é composta pela Previ, Bradespar, Mitsui e BNDESpar.

Fipe aponta que setor de serviços ressuscita indexação de preços

A volta da inflação ao dia-a-dia do consumidor resgata termos e práticas adormecidas na memória de muitos brasileiros, como a indexação de preços. Segundo Márcio Nakane, coordenador da pesquisa do IPC (Índice de Preços ao Consumidor) da Fipe, ela dá sinais de estar de volta à economia, especialmente no setor de serviços, mas não com a mesma intensidade de 14 anos atrás, quando o Brasil convivia com altos índices de inflação e os produtos e serviços subiam em efeito dominó. Para Nakane, porém, as ferramentas utilizadas pelo Banco Central no controle da inflação vão impedir um movimento em cascata de reajuste de preços. Ele descartou também, durante divulgação do IPC de junho nesta quinta-feira, que o mercado esteja elevando os preços por conta dos efeitos de uma "memória inflacionária", de quem já viveu uma época em que os produtos dobravam de valor em um mesmo dia, de maneira disseminada. "Hoje temos um comportamento de inércia, de quanto a inflação de hoje é resultado do aumento de preços anterior, mas nada comparado ao passado. Há um resquício de memória inflacionária, mas em magnitude inferior a 14 anos atrás", disse ele. Nakane atribuiu o repasse de preços, verificado atualmente, mais ao aumento dos custos do que ao comportamento de indexação, ainda que admita que os dois fatores exerçam pressão sobre o mercado.

Petróleo bate mais um recorde e fecha acima de US$ 145,00 em Nova York

O preço do petróleo estabeleceu novos recordes nesta quinta-feira, durante o dia e no encerramento dos negócios em Nova York e também nas negociações em Londres. A ligeira reação do dólar diante do euro após a decisão do Banco Central Europeu sobre sua taxa de juros não provocou uma redução significativa de preço. O barril do petróleo cru para entrega em agosto, negociado na Nymex (Bolsa Mercantil de Nova York), fechou o dia cotado a US$ 145,29 (a marca anterior, na quarta-feira, havia sido de US$ 143,57). Durante o dia, o preço chegou a um novo recorde para um sessão de negócios, US$ 145,85. Em, Londres, o barril do petróleo Brent chegou ao recorde de US$ 146,69. O preço da commodity ainda reflete a pressão dos fatores que vêm afetando as cotações há meses: queda do dólar, temor de escassez e a tensão entre Irã e Israel.

Ex-sócio da VarigLog reconhece “influência” de Roberto Teixeira para realização do negócio

O empresário Marco Antônio Audi admitiu nesta quinta-feira, em depoimento à Comissão de Infra-Estrutura do Senado Federal, que o advogado Roberto Teixeira usava a proximidade que tem com o presidente Lula para "abrir portas" em casos e negócios próprios. Lula é padrinho da filha de Roberto Teixeira, Valeska Teixeira, também advogada e envolvida na negociação para a compra da VarigLog. Ela, segundo Audi (um dos três sócios brasileiros da empresa que comprou a empresa aérea), chama publicamente o presidente de "dindo". "Ele realmente usa um tom ameaçador. A Valeska usa também. Ela pega o telefone e diz que vai passar o fim-de-semana na casa do dindo, o presidente Lula", disse ele. "Eles usam o nome do presidente, eles têm o mesmo grau de intimidação, usam muito mais o segundo e terceiro escalão para abrir portas, não dá para negar isso", completou. Audi afirmou que Roberto Teixeira e Valeska sempre "usam o nome do presidente". "Acho que a proximidade dele com o poder pode tê-lo ajudado a conseguir seus objetivos", ressaltou. Mas, ele nega que tenha se valido da proximidade de Roberto Teixeira com o Palácio do Planalto agilizar a venda da Varig, comprada pela empresa da qual era sócio, a Volo do Brasil. A Comissão de Infra-Estrutura aprovou requerimento convocando Valeska Teixeira e o marido dela, Cristiano, para depor.

Ingrid Betancourt participará de manifestação pela libertação de reféns

A colombiana Ingrid Betancourt participará no dia 20 de julho de uma manifestação convocada pelos reféns resgatados para exigir a libertação unilateral dos seqüestrados que ainda permanecem em poder das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), organização terrorista e traficante de cocaína. Ingrid Betancourt disse nesta quinta-feira, em entrevista à Radio Caracol, que essa data, dia da Independência da Colômbia, tem um "simbolismo muito grande" e confirmou sua participação na mobilização que busca a "liberdade dos seqüestrados em poder das Farc". "Se for preciso estar aqui em 20 de julho para uma manifestação que lute pelas libertações unilaterais dos outros seqüestrados, contem comigo como um soldado a mais, sou um soldado dessa causa e estarei com vocês", disse a ex-refém. Os meios de comunicação colombianos se uniram à convocação de um dos militares que, nesta quarta-feira, pediu para que o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, não se esqueça dos que ficaram na selva. "Temos de fazer uma profunda revisão de nossa atitude em relação a quem pensa diferente, e isso está acontecendo no país", afirmou Ingrid Betancourt, resgatada em uma espetacular operação de inteligência do Exército na quarta-feira. Ao lembrar as manifestações do início do ano para pedir a libertação dos seqüestrados, a ex-senadora disse que "há uma profunda reflexão feita por todos os corações dos colombianos, maior consciência, solidariedade, tolerância e menos diferença". Ingrid Betancourt, que também possui nacionalidade francesa, chamou a mudança de "processo muito belo que está acontecendo na Colômbia e por isso, com esses antecedentes, a paz pode estar perto". O sargento da polícia colombiana Julio César Buitrago, também libertado na operação do Exército, disse ser favorável à realização de uma manifestação pela liberdade dos seqüestrados que ainda permanecem em poder das Farc, solicitação apoiada por outros ex-reféns. "Convido todo o povo colombiano a voltar a fazer uma passeata com a de 4 de fevereiro", disse Buitrago, ao lembrar as manifestações que aconteceram nessa data em mais de cem cidades do mundo em favor dos reféns dos terroristas.

Nelson Jobim bate-boca com Fernando Gabeira e Chico Alencar durante audiência pública na Câmara

A discussão sobre o assassinato de três homens, do morro da Providência (região central do Rio de Janeiro), virou nesta quinta-feira um debate político sobre a disputa eleitoral na capital fluminense. Após negar o envolvimento do Exército com questões eleitorais, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, e os deputados federais Fernando Gabeira (PV-RJ) e Chico Alencar (PSOL-RJ), ambos candidatos a prefeito no Rio de Janeiro, trocaram acusações sobre a participação de militares em projetos sociais. O bate-boca ocorreu durante audiência pública que reuniu três comissões permanentes da Câmara dos Deputados: Direitos Humanos, Relações Exteriores e Defesa Nacional, além de Segurança Pública. Para Fernando Gabeira e Chico Alencar, o governo federal privilegiou o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), que também é candidato a prefeito pelo PRB no Rio de Janeiro, ao implementar o projeto "Cimento Social", que é de sua autoria, no morro da Providência. Segundo os deputados, a escolha favoreceu Crivella porque o morro está localizado em uma área com muita visibilidade. Jobim rebateu as acusações dos deputados, informando que o objetivo do projeto é atender a famílias carentes do morro da Providência independentemente de quem partiu a idéia. Mas o ministro reconheceu que a sugestão foi feita por Crivella. No entanto, ele disse que é "absolutamente normal" o governo executar projetos que são oriundos de emendas parlamentares. Mas os argumentos do ministro não convenceram Gabeira e Alencar. Indignados com as explicações de Jobim, os dois ressaltaram que a iniciativa do governo federal favoreceu eleitoralmente Crivella. Eles mostraram panfletos em que a imagem do senador estava associada ao projeto "Cimento Social". "Essa discussão é secundária a essa tragédia que provocou a morte de três jovens, mas deve-se debater o uso político do Exército brasileiro", afirmou Chico Alencar. "O Exército brasileiro não pode assumir como seu o projeto 'Cimento Social'", disse ele. Em seguida, Gabeira afirmou "é um projeto social absurdo porque as pessoas foram cadastradas por integrantes da Igreja Universal e não pelo programa Bolsa Família". Jobim disse que os cadastros para as obras na região foram feitos por militares do Exército e não pela Igreja Universal.

Ingrid Betancourt pede que Hugo Chávez e Rafael Correa restabeleçam vínculos com Alvaro Uribe

Ex-refém das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), organização terrorista e traficante de cocaína, a política franco-colombiana Ingrid Betancourt, resgatada na quarta-feira em uma espetacular operação realizada pelo exército colombiano, pediu nesta quinta-feira que os presidentes da Venezuela, Hugo Chávez, e Equador, Rafael Correa, restabeleçam vínculos com Bogotá em prol de novas libertações unilaterais pelos terroristas. "A primeira coisa que devemos fazer é um pedido ao presidente Chávez e ao presidente Correa para que nos ajudem a restabelecer vínculos de amizade, de fraternidade, de confiança com o presidente Álvaro Uribe. Essa é uma etapa essencial para que possamos vislumbrar novas libertações unilaterais", afirmou ela, logo após o reencontro com seus filhos, em Bogotá. Ingrid Betancourt também convidou os outros dirigentes políticos latino-americanos a se envolverem na solução do conflito interno que vive seu país. Ela apelou para a influência que vários presidente latino-americanos teriam sobre os comandantes das Farc para "que deixem o terrorismo de lado e empreendam o caminho da negociação". As afirmações de Ingrid Betancourt foram feitas logo após o encontro com seus dois filhos, Melanie e Lorenzo Delloye, em um aeroporto militar na Colômbia. O avião em que viajaram os dois, a irmã de Ingrid e o chanceler francês, Bernard Kouchner, aterrissou por volta das 8h17 (10h17 de Brasília) no aeroporto militar de Catam, a oeste de Bogotá. Ingrid Betancourt, acompanhada de sua mãe, Yolanda Pulecio, e de seu marido, Juan Carlos Lecompte, aguardou os filhos perto da escada do avião. Ao reencontrá-los, visivelmente emocionada, Ingrid Betancourt não se conteve e chorou. Ela também abraçou seu ex-marido Fabrice Delloye e o chanceler francês. "Estou muito orgulhosa deles, que lutaram sozinhos e travaram uma batalha belíssima por minha liberdade", afirmou Ingrid Betancourt, recordando que a última vez que os viu eles eram apenas crianças. "Agradeço a Deus por este momento. São meus filhinhos, meu orgulho, minha razão de viver, minha luz, minhas estrelas, por isso continuei com vontade de sair da selva, para poder voltar a vê-los", declarou Ingrid Betancourt. Melanie e Lorenzo, que começaram a acenar para a mãe da janela do avião, disseram que estão vivendo o melhor momento de sua vida. "Sempre tememos um resgate militar, pelos riscos, mas agora, que vivemos esta felicidade, queremos desfrutar dela e vamos continuar lutando pela liberdade dos outros reféns", disse Melanie. "Continuamos pensando nas famílias das pessoas que continuam seqüestradas. Não esquecemos delas e vamos continuar lutando por elas", acrescentou a filha. Já Lorenzo afirmou estar sentindo uma "felicidade muito grande". Mas concordou com sua irmã: "Ganhamos um combate pela liberdade, mas ainda restam muitos reféns na selva e, por isso, não vamos parar, porque a liberdade é muito importante", disse. No Airbus A-319, da Presidência da República francesa, que deverá levar Ingrid Betancourt nesta sexta-feira de volta a Paris, viajava uma delegação de 30 pessoas, entre eles a irmã da ex-refém, Astrid Betancourt, seu filho e vários diplomatas e médicos. O chanceler Kouchner agradeceu a Uribe e ao povo colombiano por sua "luta pela libertação" dos reféns em poder das Farc, e disse que Paris continuará apoiando os esforços pelos 24 reféns que permanecem em poder dos rebeldes. "É um milagre, um momento mágico, vê-la rodeada por sua família, isso não nos impede de pensar que outros ainda estão seqüestrados", ressaltou. A ex-refém passou a primeira noite na casa de sua mãe, em Bogotá, relatando detalhes de seu seqüestro. "Nós começamos uma longa conversa em que nos narrou os detalhes de seu cativeiro. Ela quis tomar um café da manhã com laranjas, tinha esse desejo", afirmou seu marido Juan Carlos Lecompte.

Filhos de Ingrid Betancourt afirmam manter campanha por resgate de reféns

Melanie e Lorenzo Delloye, filhos de Ingrid Betancourt, afirmaram nesta quinta-feira que continuarão atuando pela libertação dos reféns que ainda permanecem em poder das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), organização terrorista e traficante de cocaína, após o reencontro com sua mãe em um aeroporto militar de Bogotá. "Seguimos pensando nas famílias daqueles que permanecem seqüestrados. Não os esquecemos e vamos seguir lutando por eles. Lembro das imagens dos libertados em janeiro e fevereiro e estava tão feliz por eles, mas pensava em minha mãezinha", disse Melanie, em declarações a jornalistas. "Agora estamos emocionados, mas pensamos nos que ficaram e agora temos que atuar para que sejam eles os libertados", acrescentou. Já Lorenzo afirmou que sente "muita felicidade ao abraçá-la novamente" e de se dar conta que ganhou "um combate pela liberdade". E concluiu: "Mas ainda há seqüestrados na selva e por eles não vamos parar, porque a liberdade é muito importante". Os filhos de Ingrid Betancourt elogiaram a operação por meio da qual o exército colombiano conseguiu resgatá-la, junto com três norte-americanos e onze militares colombianos e agradeceram ao presidente Alvaro Uribe, a quem chegaram a criticar duramente ao longo dos seis anos de seqüestro de sua mãe. "Sempre fomos contra as operações militares porque eram a sangue e fogo, mas esta não foi uma operação militar, e sim de inteligência, o que é diferente e foi feita de maneira perfeita. Todos estão vivos, graças a Deus, e isso era o que pedíamos desde o início", acrescentou Melanie.

Encontrados mais 12 corpos de bebês na Santa Casa de Belém

Em visita à Santa Casa de Misericórdia de Belém (PA), o deputado Zenaldo Coutinho (PSDB-PA) constatou que, além dos 26 recém-nascidos que morreram no hospital na última semana, 12 corpos de bebês estavam em uma das geladeiras da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Coutinho integra o Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH). "Não se sabe quando os bebês morreram e qual a causa das mortes. É infanticídio, um crime coletivo contra os direitos humanos", disse ele. O deputado entregará ao presidente do conselho, ministro da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, uma representação pedindo que seja criada uma comissão especial para acompanhar o caso. Para Coutinho, a determinação de abertura de inquérito feita pelo Ministério Público "não é o bastante". Na representação que entregará ao presidente do CDDPH, ele manifesta preocupação com o volume de recursos investidos em saúde no estado. Do valor total de R$ 11,45 milhões previstos para os serviços de atenção às urgências e emergências na rede hospitalar no Pará, "nada foi sequer empenhado", segundo o parlamentar. O Pará é governado pela petista Ana Julia Carepa. E esse caso dos bebês mortos é mais um exemplo do modo petista de governar. De acordo com a representação, dos cerca de R$ 677,6 milhões previstos para procedimentos de média e alta complexidade no estado, apenas R$ 250 milhões foram liberados.

Uso da capacidade instalada da indústria começa a se estabilizar, aponta CNI

Pela primeira vez desde julho de 2006, o uso da capacidade instalada da indústria mostra estabilidade na comparação anual, aponta a pesquisa mensal da Confederação Nacional da Indústria. O índice oscilou de 82,9% em abril para 82,8% em maio, de acordo com dados com ajuste sazonal. Os números sem ajuste mostram que a taxa passou de 83,1% em maio de 2007 para 83,2% em maio de 2008. O aumento no uso capacidade da indústria tem sido apontado pelo governo como uma das maiores preocupações como fonte de pressões inflacionárias. A avaliação é que o consumo cresce hoje a taxas maiores que a produção. Para a CNI, essa avaliação não se reflete nos números apresentados agora. Apesar de o nível ser valor recorde há vários meses, a confederação avalia que não há problema de oferta e que os dados mostram um aumento dos investimentos. "A preocupação com a inflação é válida, mas a gente não observa a limitação na produção de produtos como um fator de pressão inflacionária. Isso não se deve à incapacidade da indústria de ofertar produtos. O uso da capacidade vem se mantendo em um nível alto e deve ficar perto do que aconteceu em 2007 e, dependendo da atividade econômica, pode ter até uma queda", afirmou o relatório. Segundo a CNI, o emprego na indústria cresceu 3,8% na comparação anual e subiu 0,2% em relação a abril. No ano, o avanço acumulado é de 4,5%. Já as horas trabalhadas na produção teve recuo de 0,1% em maio, mesmo percentual de queda de abril. No acumulado de 2008, porém, há crescimento de 5,8%.

Ingrid Betancourt declara apoio a terceiro mandato presidencial de Alvaro Uribe

A ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt, resgatada de maneira espetacular pelo exército colombiano, na quarta-feira, do cativeiro em que esteve presa pelos terroristas das Farc durante seis anos, disse nesta quinta-feira estar de acordo com a possibilidade de um terceiro mandato para Alvaro Uribe na presidência na Colômbia. Perguntada se apoiaria o direito de o presidente Álvaro Uribe se candidatar a uma segunda reeleição, atualmente em discussão no Congresso, Ingrid Betancourt disse: "Sim, eu gosto da reeleição. Uma segunda reeleição, sim, por que não? Parece-me que é um bom sistema, eu gosto da continuidade", afirmou ela em uma coletiva de imprensa em Bogotá nesta quinta-feira. "Acredito que os povos devem ter o direito de escolher seu rumo e se manter durante alguns anos nele, porque isso permite mudar o país", disse Ingrid Betancourt, acompanhada de seus filhos, Melanie e Lorenzo Delloye, e de sua irmã, Astrid. "A falta de rumo e constância nas políticas muitas vezes é mais nociva que uma má política", acrescentou Ingrid Betancourt. Ela disse que a reeleição de Uribe, em 2006, foi um "grande golpe" contra as Farc. Segundo ela, até então o grupo rebelde se beneficiava da alternância na presidência para reestruturar sua política. "Um dos êxitos do governo Uribe foi colocar a figura da reeleição dentro das regras democráticas colombianas", acrescentou. "Isso mudou completamente as regras do jogo. As Farc estavam acostumados com o fato de que, com a mudança de governo, tinham a possibilidade de se reestruturar”. Ingrid Betancourt não descartou a possibilidade de se candidatar à Presidência nas eleições de 2010. A ex-candidata foi seqüestrada pelas Farc no dia 23 de fevereiro de 2002, quando fazia campanha para a presidência. Analistas consideram que a bem-sucedida operação de resgate de Ingrid Betancourt e dos outros 14 reféns resgatados pelo Exército colombiano nesta quarta-feira contribuirá para o aumento da popularidade de Uribe, no momento em que o Congresso discute o polêmico projeto de reforma constitucional que permitiria ao presidente candidatar-se a um terceiro mandato. Atualmente, Uribe tem um índice de aprovação de cerca de 80%.